Nossos serviços estão apresentando instabilidade no momento. Algumas informações podem não estar disponíveis.

IPP

Inflation in industry hits 1% in June

Section: Economic Statistics | Daniel Pereira

July 28, 2022 09h00 AM | Last Updated: July 29, 2022 02h22 AM

Prices in the industry of petroleum refining and biofuels recorded the biggest change, 4.05%, accounting for the main contribution (0.52 p.p.) to the IPP of June - Photo: Pixabay

Prices in the industry sector recorded an increase of 1% in relation to May, with decleleration from the 1.81% observed from April to May. In terms of the cumulative index in the year, the indicator reached 10.12%, second biggest rate for the month of June in the time series. As for the cumulative index in the year, there was increase of 18.78%.

The data released today (28) by the IBGE come from the Producer Price Index (IPP), which measures prices of products “at factory gate”, that is, free of taxes and freight. Fifteen of the 24 activities in mining and quarrying and manuafacturing industry kept on the rise in June.

The remainder is temporarily in Portuguese.

 

O destaque deste mês ficou para a indústria de refino de petróleo e biocombustíveis com a maior variação (4,05%) e a maior influência: 0,52 ponto percentual (p.p.). A alta foi puxada pelos produtos derivados do petróleo, como o querosene de aviação, a gasolina e, principalmente, o óleo diesel.

“O aumento desses produtos ocorre, em parte, por conta dos maiores preços do petróleo bruto, que está com uma demanda global aquecida desde meados de 2021, mas que não está sendo acompanhada por um crescimento da oferta. Fatores como a guerra entre a Rússia e Ucrânia acabam limitando ainda mais essa oferta mundial”, explica o analista da pesquisa, Murilo Alvim. Ele comenta que o resultado da atividade ainda foi segurado por conta dos preços do álcool, que apresentaram queda no mês, consequência de uma redução na demanda pelo produto.

Outro setor que ganhou destaque foi o de alimentos, em grande medida por conta dos maiores preços do leite e seus derivados. “O grupo de laticínios, por exemplo, mostra uma variação de 14,91% no mês, sendo esse o maior resultado em toda a série nesse indicador. E essa alta é consequência do início do período de entressafra do leite, que acabou limitando uma oferta que já estava escassa devido a questões climáticas – como a seca em diversas regiões do país – e por maiores custos de produção”, ressalta o analista.

“Outro produto que ajuda a explicar essa alta do setor de alimentos são os açúcares, produtos exportáveis que estão com uma demanda externa aquecida. Além de ter ocorrido um aumento do dólar no mês, de 1,9%, que aumenta o preço recebido em real pelo produtor”, acrescenta Alvim.

Os quatro setores com maiores variações, em termos absolutos, foram: refino de petróleo e biocombustíveis (4,05%); impressão (3,97%); indústrias extrativas (-2,89%); e alimentos (1,99%). As maiores influências ocorreram em refino de petróleo e biocombustíveis (0,52 p.p), alimentos (0,46 p.p.), indústrias extrativas (-0,17 p.p.) e metalurgia (-0,10 p.p.)

Em contraponto aos setores que impulsionaram os preços de junho para cima, a indústria extrativa sofreu queda de 2,89%, com uma variação menos intensa observada no setor nesse primeiro semestre. Segundo Alvim, isso é justificado porque os dois produtos de maior peso da área caminharam em direções contrárias. Os óleos brutos de petróleo apresentaram alta no mês, mas foram mais que compensados pela queda observada nos minérios de ferro.

“Os resultados estão de acordo com a variação dessas commodities no mercado internacional. No caso dos minérios de ferro, a queda ocorre por conta de uma demanda desacelerada pelo produto, em especial por parte da China, como consequência da política de ‘Covid Zero’ adotada pelo país e que tem freado suas atividades econômicas. E a desaceleração econômica nos Estados Unidos e na Europa também tem impactado o preço da commodity”, esclarece o analista.

Além da indústria extrativa, outra atividade com peso importante, o setor de metalurgia, apresentou queda de 1,50%. “Isso é fruto dos menores preços de produtos da siderurgia, que possuem o minério de ferro como sua principal matéria prima, e das quedas observadas em produtos de metais não ferrosos, principalmente os de alumínio, que também teve sua cotação no mercado internacional caindo durante o mês de junho”, resume o pesquisador, destacando que essa variação negativa observada nesse setor é decorrente, portanto, de menores custos de produção.

Entre as grandes categorias econômicas, todas apresentaram resultados próximos, com destaque para os Bens Intermediários (BI), categoria com maior peso no cálculo do índice e que apresentou um alta de 1,04% no mês. Já os Bens de Capital (BK), com variação de 0,98%, e os de Consumo (BC) com 0,92%, tiveram, por conseguinte, resultados um pouco abaixo da média da indústria.

Mais sobre a pesquisa

O IPP acompanha a mudança média dos preços de venda recebidos pelos produtores domésticos de bens e serviços, e sua evolução ao longo do tempo, sinalizando as tendências inflacionárias de curto prazo no país. Trata-se de um indicador essencial para o acompanhamento macroeconômico e um valioso instrumento analítico para tomadores de decisão, públicos ou privados.

A pesquisa investiga, em pouco mais de 2.100 empresas, os preços recebidos pelo produtor, isentos de impostos, tarifas e fretes e definidos segundo as práticas comerciais mais usuais. Cerca de 6 mil preços são coletados, mensalmente. As tabelas completas do IPP estão disponíveis no Sidra.



Page 1 of 70