Nossos serviços estão apresentando instabilidade no momento. Algumas informações podem não estar disponíveis.

In November, retail sales increased by 0.6%

January 14, 2022 09h00 AM | Last Updated: January 14, 2022 11h52 PM

In November 2021, volume of sales of retail trade in the country increased 0.6%, in the seasonally adjusted series, after an increase of 0.2% in October. The quarterly moving average changed by -0.1% in the quarter ended November, after a decrease of 1.6% in the quarter ended October. In the unadjusted series, retail trade recorded a decrease of 4.2% against November 2020, fourth negative rate in a row. The cumulative index in the yearincreased 1.9%. The cumulative index in the last 12 months, having changed from 2.6% in October to 1.9% in November, indicates deceleration in sales.

Period Retail (%) Extended Retail (%)
Volume of sales Nominal revenue Volume of sales Nominal revenue
November / October* 0.6 1.3 0.5 0.8
Quarterly moving average* -0.1 0.8 -0.4 0,5
November 2021/November 2020 -4.2 8.8 -2.9 11.1
Cumulative in 2021 1.9 14.5 5.3 18.9
Cumulative in 12 months 1.9 14.0 5.1 18.2
*Series WITH seasonal adjustment

In extended retail trade, which includes vehicles, motorcycles, parts and pieces and construction material, volume of sales increased 0.5% from October, after three consecutive months recording decrease (-3.1% in August, -0.9% in September and -0,8% em outubro). As a result, the quarterly moving average ended November (-0.4%) was leveled off against to that of the quarter ended October (-1.6%).

Five of the eight activities recorded negative rates, in the seasonally adjusted series

There was an increase of 0.6% in volume of sales in November, in the seasonally adjusted series, but five of the eight activities recorded negative rates: furniture and household appliances (-2.3%), fabric, apparel and footwear (-1.9%), fuels and lubricants (-1.4%), books, newspapers, magazines and stationery (-1.4%) and office, computer and communication material and equipment (-0.1%).

On the other hand, Hypermarkets, supermarkets, food products, beverages and tobacco (0.9%), Pharmaceuticals, medical and orthopedic articles, toiletries and cosmetics (1.2%) and other personal and household articles (2.2%) recorded increases.

BRAZIL - INDICATORS OF VOLUME OF SALES OF RETAIL TRADE AND EXTENDED RETAIL TRADE BY GROUP OF ACTIVITIES - Brazil - November 2021
ACTIVITIES MONTH/PREVIOUS MONTH (1) MONTH/SAME MONTH A YEAR AGO CUMULATIVE
Change Rate (%) Change Rate (%) Change Rate (%)
SEP OCT NOV SEP OCT NOV IN THE YEAR 12 MONTHS
RETAIL TRADE (2) -1.0 0.2 0.6 -5.2 -6.8 -4.2 1.9 1.9
1 - Fuels and lubricants -2.9 -0.3 -1.4 -4.2 -7.6 -7.1 0.9 0.2
2 - Hypermarkets, supermarkets, food products, beverages and tobacco -1.2 0.3 0.9 -3.1 -5.0 -0.5 -2.9 -2.3
2.1 - Super and hypermarkets -1.1 0.4 0.8 -3.0 -4.8 -0.6 -2.6 -1.9
3 - Fabric, apparel and footwear -1.7 1.3 -1.9 0.3 -2.0 -4.4 16.9 11.9
4 - Furniture and household appliances -4.6 -2.1 -2.3 -22.6 -22.7 -21.5 -5.7 -4.8
4.1 - Furniture - - - -17.5 -14.8 -18.5 -0.3 0.7
4.2 - Household appliances - - - -24.0 -26.3 -22.8 -7.9 -7.1
5 - Pharmaceuticals, medical and orthopedic articles, toiletries and cosmetics 0.0 -0.1 1.2 4.2 -0.2 2.5 10.0 10.4
6 - Books, newspapers, magazines and stationery 0.3 -1.0 -1.4 -3.5 -7.9 -14.4 -18.1 -21.2
7 - Office, computer and communication material and equipment -3.0 5.7 -0.1 -14.6 -11.2 -5.6 -1.5 -2.7
8 - Other personal and domestic articles -1.9 1.8 2.2 -6.7 -7.2 -2.6 15.4 13.7
EXTENDED RETAIL TRADE (3) -0.9 -0.8 0.5 -4.0 -7.0 -2.9 5.3 5.1
9 - Vehicles and motorcycles, parts and pieces -1.8 -0.4 0.7 2.9 -4.0 1.7 16.6 15.1
10 - Construction material -0.8 -0.8 0.8 -10.1 -14.1 -4.1 5.6 6.6
Source: IBGE, Diretoria de Pesquisas, Coordenação de Serviços e Comércio.
(1) Seasonally-adjusted series.
(2) The retail trade indicator comprises the figures of the activities numbered 1 to 8.
(3) The extended retail trade indicator comprises the figures of the activities numbered 1 to 10 .

Inextended retail trade, the increase of 0.5% in volume of sales, in November, was influenced by vehicles, motorcycles, parts and pieces (0.7%) and construction material (0.8%), after the negative results of the previous month, -0.4% and -0.8%, respectively.

Seven of the eight retail activities recorded decrease in relation to November 2020

In comparison with November 2020, retail trade recorded a decrease of 4.2%, with negative rates in seven of the eight activities. With the biggest impact (-2.8 p.p), the segment of  furniture and household appliances recorded a decrease of 21.5% in volume of sales against November 2020. The sector recorded six months of consecutive negative results in the interannual comparison. In the year, the activity had a cumulative change of -5.7%, third consecutive month with negative results. The last twelve months recorded the second negative rate (-0.7% in October and -4.8% in November), after 24 months recording positive results.

The remainder is temporarily in Portuguese.

RECEITA NOMINAL DE VENDAS DO COMÉRCIO VAREJISTA E COMÉRCIO VAREJISTA AMPLIADO, SEGUNDO GRUPOS DE ATIVIDADES - BRASIL -  Novembro 2021
ATIVIDADES MÊS/MÊS ANTERIOR (1) MÊS/IGUAL MÊS DO ANO ANTERIOR ACUMULADO
Taxa de Variação (%) Taxa de Variação (%) Taxa de Variação (%)
SET OUT NOV SET OUT NOV NO ANO 12 MESES
COMÉRCIO VAREJISTA (2) 0,1 0,9 1,3 8,6 6,5 8,8 14,5 14,0
1 - Combustíveis e lubrificantes -0,1 2,2 5,0 35,9 34,0 41,9 35,1 30,9
2 - Hiper, supermercados, produtos alimentícios, bebidas e fumo 0,5 0,7 0,5 9,4 6,3 8,4 9,9 10,7
2.1 - Super e hipermercados 0,5 0,8 0,3 9,5 6,3 8,2 10,1 11,0
3 - Tecidos,  vestuário e calçados -1,3 2,3 -1,3 6,9 5,4 3,5 21,9 15,6
4 - Móveis e eletrodomésticos -3,3 -0,7 -1,2 -13,4 -13,7 -12,2 4,9 5,5
4.1 - Móveis - - - -7,0 -3,8 -8,3 8,4 8,4
4.2 - Eletrodomésticos - - - -14,8 -17,7 -13,5 3,8 4,6
5 - Artigos farmacêuticos, médicos, ortopédicos e de perfumaria 0,3 0,7 1,8 8,1 4,5 8,1 13,0 13,1
6 - Livros, jornais, revistas e papelaria 0,7 -0,7 0,2 0,0 -4,4 -10,6 -16,5 -19,8
7 - Equipamentos e material para escritório, informática e comunicação -4,0 6,0 -0,8 -12,2 -10,4 -5,4 5,4 4,9
8 - Outros artigos de uso pessoal e doméstico 0,7 1,9 2,7 3,1 2,8 8,3 24,0 21,6
COMÉRCIO VAREJISTA AMPLIADO (3) 0,4 0,3 0,8 10,9 7,2 11,1 18,9 18,2
9 - Veículos e motos, partes e peças -0,1 -0,3 2,2 18,4 10,9 17,8 30,9 28,8
10 - Material de construção -0,2 0,1 1,6 12,1 5,6 15,3 29,6 30,1
Fonte: IBGE, Diretoria de Pesquisas, Coordenação de Serviços e Comércio.
(1) Séries COM ajuste sazonal.

Combustíveis e lubrificantes recuaram 7,1%, sua terceira queda consecutiva (-4,2% em setembro e -7,6% em outubro), depois de cinco taxas positivas seguidas. A elevação dos preços de combustíveis, acima da variação média de preços vem influenciando negativamente o desempenho do setor. O acumulado nos últimos doze meses mostra estabilidade frente ao mês anterior (0,2% em ambos). No ano, o movimento foi de intensificação de perda de ritmo: 2,9% até setembro, 1,7% até outubro e 0,9% até novembro de 2021.

No segmento de Outros artigos de uso pessoal e doméstico, que engloba lojas de departamentos, óticas, joalherias, artigos esportivos, brinquedos, etc., o recuo de 2,6%, no indicador interanual no volume de vendas em relação a novembro de 2020, mostrou-se menos intenso do que o resultado de outubro (-7,2%). O resultado do acumulado no ano, até novembro (aumento de 15,4%), é o menor desde o resultado de janeiro a abril de 2021, quando foi 27,7%. O indicador acumulado nos últimos doze meses registrou aumento de 13,7%, com perda de 2,2 p.p. em relação ao resultado de outubro (15,9%).

Tecidos, vestuário e calçados, por sua vez, recuaram 4,4% ante novembro de 2020, segunda queda consecutiva, após oito variações positivas consecutivas. Quanto ao acumulado no ano, ao passar de 20,4% em outubro para 16,9% em novembro, o setor demonstra perda de ritmo. O acumulado nos últimos doze meses, por sua vez, permaneceu em alta pelo terceiro mês consecutivo: 11,8% em setembro, e 11,9% em outubro e novembro.

O setor de Hipermercados, supermercados, produtos alimentícios, bebidas e fumo, com variação de -0,5%, registrou a décima taxa negativa consecutiva na comparação com novembro de 2020. O resultado do acumulado no ano foi de -2,9%, acima do registrado em outubro (-3,1%). O acumulado nos últimos doze meses, ao registrar -2,3% em novembro, manteve o ritmo em relação a outubro (-2,4%).

O segmento de Equipamentos e material para escritório, informática e comunicação recuou 5,6%, quinto recuo consecutivo e oitavo no ano de 2021. No acumulado do ano, o setor registra a segunda taxa negativa consecutiva (-1,0% em outubro e -1,5% em novembro) após cinco meses de alto. O acumulado nos últimos doze meses (queda de 2,7%) intensifica ritmo de queda nas vendas em relação a outubro (recuo de 3,3%).

A atividade de Livros, jornais, revistas e papelaria recuou 4,4% frente a novembro de 2020, terceira queda consecutiva (-3,5% em setembro e -7,9% em outubro). O acumulado no ano passou de -18,5% em outubro para -18,1% em novembro, com 22 meses consecutivos de taxas negativas. O acumulado nos últimos doze meses manteve, em novembro, o mesmo valor de outubro: -21,2% e permanece no campo negativo desde março de 2014 (-0,2%).

Artigos farmacêuticos, médicos, ortopédicos e de perfumaria foi a única a ter crescimento nas vendas frente a novembro de 2020: 2,5%. Isso ocorreu após variar -0,2% em outubro, em relação ao mesmo mês de 2020. No acumulado no ano (10,0%), o setor teve perda de ritmo em relação a outubro (10,9%), o que também se observa no acumulado nos últimos doze meses, que passou de 11,2% até outubro para 10,4% até novembro.

No comércio varejista ampliado, o setor de Veículos, motos, partes e peças teve alta de 1,7% em relação a novembro de 2020, após queda de 4,0% em outubro. No entanto, o indicador acumulado no ano (16,6%), continua mostrando perda de ritmo de crescimento, se comparado ao mês de outubro (18,4%). Nos últimos doze meses, a atividade acumula 15,1% de crescimento, mesmo patamar de outubro (15,1%).

VOLUME DE VENDAS NO COMÉRCIO VAREJISTA E COMÉRCIO VAREJISTA AMPLIADO - COMPOSIÇÃO DA TAXA MENSAL, POR ATIVIDADES - Brasil -  Novembro 2021
ATIVIDADES COMÉRCIO VAREJISTA COMÉRCIO VAREJISTA AMPLIADO
Taxa de variação (%) Composição absoluta da taxa (p.p.) Taxa de variação (%) Composição absoluta da taxa (p.p.)
Taxa Global -4,2 -4,2 -2,9 -2,9
1 - Combustíveis e lubrificantes -7,1 -0,6 -7,1 -0,4
2 - Hiper, supermercados, produtos alimentícios, bebidas e fumo -0,5 -0,2 -0,5 -0,1
3 - Tecidos,  vestuário e calçados -4,4 -0,3 -4,4 -0,2
4 - Móveis e eletrodomésticos -21,5 -2,8 -21,5 -1,9
5 - Artigos farmacêuticos, médicos, ortopédicos e de perfumaria 2,5 0,2 2,5 0,2
6 - Livros, jornais, revistas e papelaria -14,4 0,0 -14,4 0,0
7 - Equipamentos e material para escritório, informática e comunicação -5,6 -0,1 -5,6 0,0
8 - Outros artigos de uso pessoal e doméstico -2,6 -0,4 -2,6 -0,3
9 - Veículos e motos, partes e peças - - 1,7 0,4
10 - Material de construção - - -4,1 -0,4
Fonte: IBGE, Diretoria de Pesquisas, Coordenação de Serviços e Comércio.
Nota: A composição da taxa mensal corresponde à participação dos resultados setoriais na formação da taxa global.

Já a queda de -4,1% em relação a novembro de 2020 representa a quinta consecutiva no segmento de Material de construção. Em 2021, o setor acumula 5,6%, menor crescimento registrado do ano. Com isso, o indicador acumulado nos últimos doze meses, ao passar de 8,5% em outubro para 6,6% em novembro, manteve trajetória de queda iniciada em junho.

Vendas recuam em 14 unidades da federação frente a outubro de 2021

De outubro a novembro, na série com ajuste sazonal, as vendas do comércio varejista cresceram 0,6%, com resultados negativos em 14 das 27 unidades da federação. As quedas mais intensas foram na Paraíba (-3,1%), Piauí (-3,0%) e Bahia (-2,8%). Entre as 13 UFs e alta, as principais foram Roraima (3,7%), Rio de Janeiro (2,8%) e Distrito Federal (2,7%).

Na mesma comparação, no comércio varejista ampliado, houve alta de 0,5%. Em 14 das 27 UFs, as taxas foram negativas, e as mais intensas foram da Paraíba (-6,8%), Tocantins (-6,1%) e Alagoas (-5,1%). Em cinco UFs as vendas cresceram, com destaque para Rio de Janeiro (2,1%), Amazonas (1,9%) e Rondônia (1,7%). O Amapá ficou estável (0,0%).

Frente a novembro de 2020, o comércio varejista caiu 4,2%, com resultados negativos em 23 UFs, com destaque para Sergipe (-14,9%), Bahia (-13,8%) e Maranhão (-11,7%). Já as principais altas foram de Espírito Santo (3,3%), Roraima (3,1%) e Rio Grande do Sul (2,4%).

No comércio varejista ampliado, na comparação com novembro de 2020, houve queda de 2,9%, com resultados negativos em 19 unidades da federação. Os destaques negativos foram Acre (-10,0%), Paraíba (-8,6%) e Maranhão (-8,5%). Das 8 UFs com resultados positivos, as principais foram Pernambuco (9,3%), Roraima (6,2%) e Mato Grosso do Sul (4,9%).