GDP has negative result of 0.2% in Q1 2019

May 30, 2019 09h00 AM | Last Updated: May 30, 2019 10h35 AM

In the seasonally-adjusted series, the Gross Domestic Product - GDP retreated (-0.2%) in the first quarter of 2019 in relation to the fourth quarter of 2018. The GDP increased 0.5% compared with the same period of 2018. The cumulative index in the four quarters ended in March 2019 rose 0.9% compared with the four immediately previous quarters.

At current values, the GDP added up to R$1.714 trillion in the first quarter of 2019, being R$1.462 trillion relative to Value added - VA at basic prices and R$251.5 billion to Product taxes net of subsidies .

Still in the first quarter of 2019, the investment rate was 15.5% of the GDP, above that reported in the same period of 2018 (15.2%). The support material of the Quarterly Accounts is on the right side of this page.

Comparison period Indicators (%)
GDP AGRIC INDUS SERV GFCF CONS. HHOLDS CONS. GOV
Quarter / immediately previous quarter (seasonally adjusted) -0.2 -0.5 -0.7 0.2 -1.7 0.3 0.4
Quarter / same quarter last year (seasonally unadjusted) 0.5 -0.1 -1.1 1.2 0.9 1.3 0.1
Cumulative in four quarters / same period last year (seasonally unadjusted) 0.9 1.1 0.0 1.2 3.7 1.5 -0.1
Current values in quarter (R$ billion) 1713.6 90.3 297.0 1074.8 265.6 1111.4 329.8
Investment rate (GFCF/GDP) Q1 2019 = 15.5%
Savings rate (Savings/GDP) Q1 2019 = 13.9%

The remainder is temporaily in Portuguese

PIB recua 0,2% em relação ao trimestre imediatamente anterior

No primeiro trimestre de 2019 o PIB recuou 0,2% em relação ao quarto trimestre de 2018, na série com ajuste sazonal. Foi o primeiro resultado negativo nessa comparação desde o quarto trimestre de 2016 (-0,6%). A Agropecuária (-0,5%) e a Indústria (-0,7%) recuaram, enquanto os Serviços subiram 0,2%.

TABELA I.1 - Principais resultados do PIB a preços de mercado do 1º Trimestre de 2018
ao 1º Trimestre de 2019
Taxas (%) 2018.I 2018.II 2018.III 2018.IV 2019.I
Acumulado ao longo do ano / mesmo período do ano anterior 1,2 1,1 1,1 1,1 0,5
Últimos quatro trimestres / quatro trimestres imediatamente anteriores 1,3 1,4 1,4 1,1 0,9
Trimestre / mesmo trimestre do ano anterior 1,2 0,9 1,3 1,1 0,5
Trimestre / trimestre imediatamente anterior (com ajuste sazonal) 0,5 0,0 0,5 0,1 -0,2
Fonte: IBGE, Diretoria de Pesquisas, Coordenação de Contas Nacionais

Nas atividades industriais, a queda foi puxada pelas Indústrias Extrativas (-6,3%), Construção (-2,0%) e Indústrias de Transformação (-0,5%). Já a atividade de Eletricidade e gás, água, esgoto, atividades de gestão de resíduos cresceu 1,4%.

Nos Serviços, os resultados positivos vieram de Outros serviços (0,4%), Intermediação financeira e seguros (0,4%), Administração, saúde e educação pública (0,3%), Informação e comunicação (0,3%) e Atividades imobiliárias (0,2%). Já as quedas foram em Transporte, armazenagem e correio (-0,6%) e Comércio (-0,1%).

Pela ótica da despesa, a Formação Bruta de Capital Fixo (-1,7%), enquanto o Consumo do Governo (0,4%) e o Consumo das Famílias (0,3%) tiveram taxas positivas.

No setor externo, as Exportações de Bens e Serviços caíram (-1,9%), enquanto as Importações de Bens e Serviços cresceram 0,5% em relação ao trimestre anterior.

PIB acumulou alta de 0,5% no primeiro trimestre de 2019

Comparado a igual período de 2018, o PIB avançou 0,5% no primeiro trimestre de 2019. O Valor Adicionado a preços básicos teve variação positiva de 0,5% e os Impostos sobre Produtos Líquidos de Subsídios avançaram em 0,1%.

A Agropecuária registrou variação negativa (-0,1%) em relação a igual período do ano anterior. Este resultado se explica, principalmente, pelo desempenho de produtos da lavoura com safra relevante no primeiro trimestre e pela produtividade, visível na estimativa de variação da quantidade produzida vis-à-vis a área plantada.

A Indústria teve retração (-1,1%). A maior queda foi nas Indústrias Extrativas (-3,0%), puxada principalmente pelo recuo da extração de minérios ferrosos. Houve queda também na Construção (-2,2%), a vigésima consecutiva da atividade.

A Indústria de Transformação teve retração (-1,7%), influenciada, principalmente, pela queda da fabricação de equipamentos de transportes; indústria farmacêutica; fabricação de máquinas e equipamentos e fabricação de produtos alimentícios.

A atividade de Eletricidade e gás, água, esgoto e limpeza urbana cresceu 4,7%, favorecida pela vigência da bandeira tarifária durante o primeiro trimestre de 2019.

O valor adicionado de Serviços cresceu 1,2% nesta comparação, com variações positivas em todas as suas atividades. Os destaques foram Informação e comunicação (3,8%), Atividades Imobiliárias (3,0%) e Outras atividades de serviços (1,4%). Os demais resultados positivos foram: Comércio (atacadista e varejista) (0,5%), Administração, defesa, saúde e educação públicas e seguridade social (0,5%), Atividades financeiras, de seguros e serviços relacionados (0,3%) e Transporte, armazenagem e correio (0,2%).

No primeiro trimestre de 2019, a Despesa de Consumo das Famílias cresceu 1,3%. O resultado positivo se explica pelo bom comportamento do crédito para pessoa física e da massa salarial, além de taxa de juros mais baixas que as do primeiro trimestre de 2018.

A Formação Bruta de Capital Fixo avançou 0,9% no primeiro trimestre de 2019, devido ao aumento da importação líquida de máquinas e equipamentos que compensou a queda na produção de bens de capital e da Construção. Já a Despesa de Consumo do Governo variou 0,1% em relação ao primeiro trimestre de 2018.

As Exportações de Bens e Serviços cresceram 1,0%, enquanto que as Importações de Bens e Serviços se retraíram (-2,5%).

As exportações de bens que mais contribuíram para o resultado positivo foram: agricultura, derivados de petróleo; outros equipamentos de transporte e extração de petróleo e gás natural. Na pauta de importações de bens, as quedas mais relevantes foram em derivados de petróleo; veículos automotores; indústria farmacêutica e produtos de metal.

PIB acumula 0,9% nos quatro trimestres

O PIB acumulado nos quatro trimestres terminados em março de 2019 aumentou 0,9% em relação aos quatro trimestres imediatamente anteriores. Esta taxa resultou do avanço de 1,0% do Valor Adicionado a preços básicos e de 0,7% nos Impostos sobre Produtos Líquidos de Subsídios. O resultado do Valor Adicionado neste tipo de comparação decorreu dos seguintes desempenhos: Agropecuária (1,1%), Indústria (0,0%) e Serviços (1,2%).

Dentre as atividades industriais em alta estão Eletricidade e gás, água, esgoto e limpeza urbana (3,3%), Extrativa Mineral (0,6%) e Indústria da Transformação (0,1%). Já a Construção sofreu contração (-2,0%).

Dentre os Serviços, destaque para Atividades imobiliárias, que avançaram 3,2%. O restante apresentou as seguintes variações: Informação e comunicação (2,0%), Transporte, armazenagem e correio (1,5%), Comércio (1,3%), Outras atividades de serviços (1,0%), Atividades financeiras, de seguros e serviços relacionados (0,4%) e Administração, defesa, saúde e educação públicas e seguridade social (0,2%).

Na análise da despesa, a Formação Bruta de Capital Fixo apresentou alta de 3,7% e a Despesa de Consumo das Famílias de 1,5%. Já a Consumo do Governo teve variação positiva de 0,1%. Este é o sexto trimestre seguido com crescimento do Consumo das Famílias.

Já no setor externo, as Exportações de Bens e Serviços avançaram 3,0%, enquanto que as Importações de Bens e Serviços apresentaram crescimento de 5,8%.

PIB chega a R$ 1,714 trilhão no primeiro trimestre de 2019

O Produto Interno Bruto no primeiro trimestre de 2019 totalizou R$ 1,714 trilhão, sendo R$ 1,462 trilhão referentes ao Valor Adicionado a preços básicos e R$ 251,5 bilhões aos Impostos sobre Produtos líquidos de Subsídios.

Entre as atividades, a Agropecuária mostrou um valor adicionado de R$ 90,3 bilhões, a Indústria R$ 297,0 bilhões e os Serviços R$ 1,075 trilhão.

A Despesa de Consumo das Famílias totalizou R$ 1,111 trilhão, a Despesa de Consumo do Governo R$ 329,8 bilhões e a Formação Bruta de Capital Fixo R$ 265,6 bilhões. A Balança de Bens e Serviços ficou superavitária em R$ 2,3 bilhões e a Variação de Estoque foi positiva em R$ 4,5 bilhões.

A taxa de investimento no primeiro trimestre de 2019 foi de 15,5% do PIB, acima do observado no mesmo período de 2018 (15,2%). A taxa de poupança foi de 13,9% no primeiro trimestre de 2019 (ante 15,4% no mesmo período de 2018).

No primeiro trimestre de 2019, a Renda Nacional Bruta atingiu R$ 1,677 trilhão contra R$ 1,621 trilhão em igual período de 2018. Nessa mesma comparação, a Poupança Bruta atingiu R$ 237,5 bilhões contra R$ 253,5 bilhões.

A Necessidade de Financiamento alcançou R$ 32,3 bilhões ante R$ 23,9 bilhões no mesmo período do ano anterior. O aumento da Necessidade de Financiamento é explicado, principalmente, pelo crescimento de R$ 13,3 bilhões em Renda Líquida de Propriedade enviada ao Resto do Mundo, sendo amenizado pela melhora de R$ 4,3 bilhões no saldo externo de bens e serviços.