Nossos serviços estão apresentando instabilidade no momento. Algumas informações podem não estar disponíveis.

IPP

Industry prices rise by 1.11% in October

Section: Economic Statistics | Igor Ferreira

November 29, 2023 09h00 AM | Last Updated: November 30, 2023 01h18 AM

The sector of beverages accounted for the biggest change (6.12%) in the monthly index - Photo: Geraldo Bubniak/AEN-PR

For the third consecutive month, industry prices recorded positive changes, with an increase of 1.11% in October from September. The cumulative Producer Price Index (IPP) in 12 months is -6.13%. The cumulative index in the year reached -4.43%. That is the lowest cumulative rate in the year in a month of October since the beginning of the time series in 2014.

In October 2023, 14 of the 24 activities of industry recorded positive price changes against the previous month. In September, 13 activities had recorded positive price changes, against the previous month. The data were released today (29) by the IBGE.

The remainder is temporarily in Portuguese.

As atividades industriais com as variações de preço mais expressivas no resultado de outubro foram bebidas (6,12%), indústrias extrativas (5,26%), outros equipamentos de transporte (2,19%) e alimentos (2,00%). Já as maiores influências vieram de alimentos (0,48 p.p.), indústrias extrativas (0,26 p.p.), bebidas (0,15 p.p.) e refino de petróleo e biocombustíveis (0,10 p.p.).

“Esta sequência de três meses com resultados positivos da indústria vem após seis meses seguidos de queda. De agosto a outubro, a alta acumulada é de 2,96%. Apesar disso, o IPP ainda não foi capaz de reverter os resultados negativos nos índices de longo prazo”, afirma Murilo Alvim, analista do IPP.

“Nos últimos dois meses, o setor de refino de petróleo e biocombustíveis foi o que mais impactou positivamente no IPP. Em outubro ele continua sendo um dos destaques, mas não o principal, com variação de 0,92% (quarta maior influência). Os dois produtos mais importantes do grupo, óleo diesel e gasolina, tiveram aumento de preços em agosto e setembro, mas comportamentos diferentes em outubro, com a gasolina apresentando resultado negativo e segurando a variação do setor”, explica Murilo.

Com a maior variação e terceira influência mais expressiva em outubro, o setor de bebidas teve resultado oposto ao que foi observado em setembro, quando registrou forte queda de 5,04%. Houve alta dos preços nesse grupo nos últimos dois meses, de modo que em outubro eles ficaram 0,78% acima do registrado em agosto. “A queda vista em setembro foi devido à margem que as empresas tinham para um reposicionamento de preços por conta de menores custos. Em outubro, com a proximidade do verão e das festas de fim de ano, há um aumento da demanda por produtos como cerveja e refrigerante. Desde o início da série histórica da atividade no IPP, em 2010, o setor de bebidas mostra resultado positivo em outubro”, acrescenta Murilo.

O setor de alimentos, o de maior peso no IPP, exerceu a maior influência no resultado do mês e apresentou a quarta variação positiva mais alta. Murilo observa que o preço das carnes bovina e de frango foi determinante para o resultado, pois o grupo econômico de abate e produção de carnes subiu 4,95%. “No caso da carne bovina existe uma limitação da oferta de animais para abate, que pode estar relacionada ao ciclo da pecuária. Sobre a carne de frango, vemos um aumento da demanda que pode ser uma substituição de um produto por outro”, diz ele.

Já atividade de indústrias extrativas apresentou a segunda variação mais intensa e ocupou o segundo lugar no ranking de maiores influências. Na comparação entre os preços de outubro e setembro, quatro produtos se destacaram tanto em variação quanto em influência. No entanto, “óleo bruto de petróleo”, cujo peso é o maior no cálculo do setor (40,54% como peso original), não aparece entre eles. A cotação do petróleo no mercado externo teve comportamento distinto em outubro em relação a setembro.

O setor de outros equipamentos de transporte teve alta de 2,19% frente ao mês anterior, registrando a terceira variação mais expressiva. É o terceiro resultado positivo em sequência do setor, o maior desde julho de 2022 (4,41%). “Os preços do setor de equipamentos de transporte estão muito relacionados ao dólar. Os produtos de maior peso desse grupo são os aviões, os quais estão diretamente ligados à cotação da moeda americana, que teve alta de 2,6% frente ao real em outubro”, finaliza Murilo.

Pela perspectiva das grandes categorias econômicas, a variação de preços observada na passagem de setembro para outubro repercutiu da seguinte forma: 0,34% de variação em bens de capital (BK); 1,21% em bens intermediários (BI); e 1,14% em bens de consumo (BC), sendo que a variação vista nos bens de consumo duráveis (BCD) foi de 0,47%, enquanto nos bens de consumo semiduráveis e não duráveis (BCND) foi de 1,28%.

Mais sobre a pesquisa

O IPP acompanha a mudança média dos preços de venda recebidos pelos produtores domésticos de bens e serviços, e sua evolução ao longo do tempo, sinalizando as tendências inflacionárias de curto prazo no país. Trata-se de um indicador essencial para o acompanhamento macroeconômico e um valioso instrumento analítico para tomadores de decisão, públicos ou privados.

A pesquisa investiga, em pouco mais de 2.100 empresas, os preços recebidos pelo produtor, isentos de impostos, tarifas e fretes, definidos segundo as práticas comerciais mais usuais. Cerca de 6 mil preços são coletados mensalmente. As tabelas completas do IPP estão disponíveis no Sidra. A próxima divulgação do IPP, referente a novembro, será em 4 de janeiro.



Page 1 of 95