PAM 2018: valor da produção agrícola nacional cresce 8,3% e atinge recorde de R$ 343,5 bilhões

05/09/2019 10h00 | Última Atualização: 05/09/2019 10h00

 Após cair em 2017, o valor da produção agrícola do país cresceu 8,3% em 2018, chegando a R$ 343,5 bilhões e atingindo novo recorde na série histórica iniciada em 1974. A alta foi puxada, principalmente, pelas commodities soja, algodão e café total, que tiveram aumentos de, respectivamente, 13,6%, 52,3% e 22,0%.

A área plantada, no entanto, caiu 0,6%, ficando em 78,5 milhões de hectares, influenciada pela redução de 1,2 milhão de hectares (-6,8%) na área cultivada do milho, devido à falta de chuvas na época do plantio.

A supersafra de grãos de 2017 não foi superada em 2018. Mesmo com os acréscimos de 29,0% na produção de algodão herbáceo (caroço), 43,5% na aveia, 2,8% na soja e 24,8% no trigo; o recuo de 16,0% na produção do milho - equivalente a 15,6 milhões de toneladas - foi fator predominante para o decréscimo de 4,7% no total produzido pelo grupo dos cereais, leguminosas e oleaginosas, que ficou em 227,5 milhões de toneladas.

A soja foi responsável por 37,1% do valor da produção agrícola, mantendo-se no topo do ranking desde 1994, com exceção ao ano de 1996, quando a cana-de-açúcar alcançou a primeira posição. Na sequência, os principais produtos foram a cana (15,2%), o milho (11,0%), o café total (6,6%) e o algodão herbáceo (em caroço) (3,7%).

São Paulo é o estado com maior valor da produção, com 15,5% de participação nacional, seguido de Mato Grosso, que aumentou seu percentual de 13,7% para 14,6%. Bahia e Mato Grosso do Sul também aumentaram seus percentuais na participação nacional, alcançando 5,7% e 5,6%, respectivamente. Esses estados aumentaram, em 2018, a produção de soja e algodão herbáceo, além de serem importantes produtores de milho.

Em relação aos municípios, os maiores valores de produção foram em São Desidério (BA), com R$ 3,6 bilhões; Sapezal (MT), com R$3,3 bilhões; e Sorriso (MT), com R$3,3 bilhões.

A pesquisa da Produção Agrícola Municipal (PAM) 2018 traz informações em nível de municípios sobre a área plantada, área destinada à colheita, área colhida, a quantidade produzida, rendimento médio obtido e valor da produção de 64 produtos agrícolas. Acesse a publicação completa e o material de apoio para mais informações.

Soja, algodão e café atingem recordes de produção e valor da produção

O recorde de R$ 343,5 bilhões do valor da produção da safra 2018 foi puxado pelos aumentos na produção de três importantes commodities brasileiras: a soja, o algodão herbáceo e o café total, que também atingiram recordes nas duas variáveis. 

No topo do ranking de valor da produção, a soja teve crescimento de 2,8% na produção e de 13,6% no valor da produção, totalizando 117,9 milhões de toneladas que atingiram R$ 127,5 bilhões. Essa alta dos preços da soja foi influenciada pela briga comercial entre a China e os Estados Unidos e a quebra de safra na Argentina. Foram plantados 34,8 milhões de hectares de soja no país, ou seja, 4,1% do território nacional. Os maiores produtores de soja foram o Mato Grosso, com 26,8% de produção; Paraná (16,1%) e Rio Grande do Sul (14,8%).

O algodão herbáceo (em caroço) teve crescimento de 29,0% na produção, com 5,0 milhões de toneladas. O valor da produção chegou a R$ 12,8 bilhões, uma alta de 52,3%, motivada pelo decréscimo do estoque mundial e pela alta demanda. Com o aumento do preço, os produtores expandiram a área plantada em 23,9%, chegando a 1,2 milhão de hectares, a maior desde 2012. No ranking de valor de produção, o algodão ocupa a 5ª posição. Em relação ao caroço de algodão, o Mato Grosso, com 2,0 milhões de toneladas, e a Bahia, com 761,1 mil toneladas, são os principais produtores do país, responsáveis por mais de 90% da produção.

Em ano de bienalidade positiva (característica fisiológica da espécie arábica, que alterna anos de elevada produção com anos de baixa produção), o café total teve uma produção de 3,6 milhões de toneladas, 32,5% superior ao ano anterior. O valor da produção subiu 22,0%, chegando a R$ 22,6 bilhões e ocupando a 4ª posição no ranking de valor de produção. Do total produzido, 75,0% refere-se ao café arábica (2,7 milhões de toneladas), com valor da produção de R$ 18,1 bilhões. Os principais produtores de café arábica são Minas Gerais, São Paulo, Espírito Santo e Bahia. Já o café canephora teve uma produção de 889,8 mil toneladas, que chegaram a R$ 4,5 bilhões, e os principais estados produtores são Espírito Santo, Bahia e Rondônia. 

Tabela 1 - Área plantada ou destinada à colheita, área colhida, quantidade produzida, rendimento médio, valor da produção, variação da produção e do valor da produção em relação ao ano anterior, segundo os principais produtos - Brasil - 2018

Principais produtos Área Quantidade produzida (t) Rendimento médio (kg/ha) Valor (1 000 R$) Variação (%) Participação no total do valor da produção nacional (%)
Plantada ou destinada à colheita (ha) Área colhida (ha) Da produção em relação ao ano anterior Do valor da produção em relação ao ano anterior
Total 78 502 422 77 821 132 .. .. 343 501 004   8,3 100,0
Soja (em grão) 34 831 743 34 771 690 117 887 672 3 390 127 549 867 2,8 13,6 37,1
Cana-de-açúcar(1) 10 063 739 10 042 199 746 828 157 74 369 52 238 542 (-)1,6 (-)3,0 15,2
Milho (em grão) 16 538 551 16 121 147 82 288 298 5 104 37 644 731 (-)16,0 14,1 11,0
Café Total (em grão) 1 869 437 1 866 225 3 556 638 1 906 22 623 368 32,5 22,0 6,6
Arábica 1 474 501 1 471 351 2 666 882 1 813 18 079 942 30,6 24,3 5,3
Canephora 394 936 394 874 889 756 2 253 4 543 426 38,5 13,6 1,3
Algodão herbáceo (em caroço) 1 150 026 1 150 014 4 956 044 4 310 12 790 580 29,0 52,3 3,7
Mandioca 1 222 019 1 205 413 17 644 733 14 638 9 718 965 (-)4,6 (-)11,7 2,8
Laranja 595 268 589 139 16 713 534 28 369 9 450 570 (-)4,5 10,2 2,8
Arroz (em casca) 1 865 501 1 861 313 11 749 192 6 312 8 650 626 (-)5,7 (-)11,3 2,5
Banana (cacho) 451 445 449 284 6 752 171 15 029 6 975 536 2,5 (-)12,0 2,0
Fumo (em folha) 361 319 356 477 762 266 2 138 6 510 625 (-)11,9 (-)5,9 1,9
Feijão (em grão) 2 948 606 2 837 697 2 915 030 1 027 5 693 442 (-)4,3 (-)18,2 1,7
Tomate 57 166 57 134 4 110 242 71 940 5 088 543 (-)2,7 16,9 1,5
Trigo (em grão) 2 075 180 2 065 254 5 418 711 2 624 3 794 297 24,8 61,1 1,1
Batata-inglesa 119 117 118 297 3 688 029 31 176 3 365 241 0,9 13,0 1,0
Açaí 198 679 198 497 1 510 022 7 607 3 265 513 13,1 (-)5,9 1,0
Outros 4 154 626 4 131 352 .. .. 28 140 558 .. .. 8,2
Fonte: IBGE, Diretoria de Pesquisas, Coordenação de Agropecuária, Produção Agrícola Municipal 2018.
(1) A área plantada refere-se a área destinada à colheita no ano.

Seca afeta produção de milho e eleva preços do cereal

A seca afetou a produção de milho e a safra de 2018 foi 16,0% inferior à de 2017 – o equivalente a 15,6 milhões de toneladas –, ficando em 82,3 milhões de toneladas. Com a menor oferta nacional e internacional, já que a Argentina também sofreu problemas climáticos, o valor da produção chegou a R$ 37,6 bilhões, um aumento de 14,1%. 

As condições climáticas adversas causaram perdas de produção no Rio Grande do Sul (-24,8%), Paraná (-27,3%), Mato Grosso do Sul (-24,3%), Mato Grosso (-12,6%) e Goiás (-10,6%). Dentre os 10 maiores estados produtores de milho, apenas Bahia e Piauí apresentaram acréscimo de produção, com altas de 18,3% e 5,5%, respectivamente.

Os 20 maiores municípios produtores de milho estão na região Centro-Oeste e juntos foram responsáveis por 24,1% de toda a produção nacional. Os principais estados produtores são Mato Grosso, Paraná e Goiás. 

Safra de grãos cai 4,7% em 2018

A supersafra de grãos de 2017 não foi superada em 2018. Impactada pela redução da produção de milho, a safra de grãos caiu 4,7% em 2018, ficando em 227,5 milhões de toneladas. O valor da produção para esse grupo, no entanto, foi recorde, ficando em R$ 198,6 bilhões.

Dos cereais de inverno (aveia, centeio, cevada, trigo e triticale), apenas o triticale teve redução de produção. Já em termos de valor da produção, todos tiveram acréscimo. O motivo para a alta de preços foi a redução da produção desses itens em seus principais países produtores, especialmente o trigo russo, devido a problemas climáticos.

No Brasil, foram produzidos 5,4 milhões de toneladas de trigo, alta de 24,8%. O valor da produção foi de R$ 3,8 bilhões, acréscimo de 61,1%, sendo o maior preço pago na tonelada desde a criação do Plano Real.

Paraná foi o recordista em produção de cereais de inverno, colhendo 3,3 milhões de toneladas, com valor de produção de 2,4 bilhões de reais, sendo o trigo o produto de maior produção, deste grupo, no estado. 

Tabela 2 - Área plantada, área colhida, quantidade produzida, rendimento médio e valor de produção de cereais, leguminosas e oleaginosas, em ordem decrescente de valor da produção, segundo os principais produtos de valor de produção - Brasil - 2018

  Principais produtos Área Quantidade
produzida (t)
Rendimento
médio (kg/ha)
Valor
(1 000 R$)
Variação (%)
Plantada (ha) Colhida (ha) Da produção em relação ao ano anterior Do valor da produção em relação ao ano anterior
Total 61.050.995 60.439.329 227.537.896 ... 198.587.485 -4,7 13,6
Soja (em grão) 34.831.743 34.771.690 117.887.672 3.390 127.549.867 2,8 13,6
Milho (em grão) 16.538.551 16.121.147 82.288.298 5.104 37.644.731 -16,0 14,1
Algodão herbáceo (caroço de algodão) (1) 1.150.026 1.150.014 3.023.187 2.629 12.790.580 29,0 52,3
Arroz (em casca) 1.865.501 1.861.313 11.749.192 6.312 8.650.626 -5,7 -11,3
Feijão (em grão) 2.948.606 2.837.697 2.915.030 1.027 5.693.442 -4,3 -18,2
Trigo (em grão) 2.075.180 2.065.254 5.418.711 2.624 3.794.297 24,8 61,1
Amendoim (em casca) 151.865 151.832 563.347 3.710 881.340 3,0 -5,2
Sorgo (em grão) 794.550 793.575 2.272.939 2.864 751.858 2,2 24,7
Aveia (em grão) 441.956 436.842 897.805 2.055 368.773 43,5 66,6
Cevada (em grão) 101.370 101.370 330.374 3.259 254.088 9,1 53,0
Girassol (em grão) 84.829 84.582 135.872 1.606 151.098 30,5 36,6
Mamona (baga) 48.825 46.075 14.224 309 35.047 5,5 15,1
Triticale (em grão) 13.046 13.041 32.948 2.526 16.083 -9,5 17,2
Centeio (em grão) 4.947 4.897 8.297 1.694 5.655 9,5 42,6
Fonte: IBGE, Diretoria de Pesquisa, Coordenação de Agropecuária, Produção Agrícola Municipal 2018.
(1) A produção da lavoura de algodão foi computada em caroço de algodão, utilizando-se o fator médio de conversão de 61%. No caso do valor da produção, a informação refere-se ao caroço mais a fibra ( algodão em caroço).

Região Centro-Oeste, estado de São Paulo e município de São Desidério (BA) têm os maiores valores de produção

Com R$ 95,9 bilhões, a região Centro-Oeste alcançou o maior valor de produção. Em todas as grandes regiões, o principal produto foi a soja, com exceção da região Sudeste, que tem a cana-de-açúcar como principal lavoura.

São Paulo é o estado com maior valor da produção, com 15,5% de participação nacional, seguido de Mato Grosso, que aumentou seu percentual de 13,7% para 14,6%, Bahia (5,7%) e Mato Grosso do Sul (5,6%). Esses estados aumentaram, em 2018, a produção de soja e algodão herbáceo, além de serem importantes produtores de milho. 

Em relação aos municípios, o maior valor de produção foi em São Desidério (BA), que saiu da 3ª para 1 ª posição, com R$ 3,6 bilhões. Os produtos mais importantes do município são a soja, o algodão e o milho. 

Sapezal (MT), com R$3,3 bilhões, se manteve na segunda colocação entre os municípios, sendo o algodão, a soja e o milho os principais produtos cultivamos.

Já o município de Sorriso (MT), com R$3,3 milhões, caiu da primeira para a terceira posição, tendo a soja, o milho e o algodão como principais produtos.