Nossos serviços estão apresentando instabilidade no momento. Algumas informações podem não estar disponíveis.

Cartografia

IBGE atualiza Base Cartográfica Contínua do Brasil na escala 1:250.000

Editoria: Geociências | Carlos Alberto Guimarães

08/12/2021 10h00 | Atualizado em 28/01/2022 14h55

  • Resumo

  • Base Cartográfica do Brasil está na escala 1:250.000, na qual 1cm equivale a 2,5km no terreno.
  • Atualizado pelo IBGE a cada dois anos, documento cartográfico é fundamental para planejamento, monitoramento e gestão territorial.
  • Entre os aprimoramentos da nova versão, está a adição de uma nova classe, que traz a delimitação do Mar Territorial, da Zona Contígua, da Zona Econômica Exclusiva e da Plataforma Continental.
  • Produto possibilita o mapeamento temático de população, geologia, vegetação, solos, recursos naturais e ambientais, entre outros.
#PraCegoVer A foto mostra, do lado esquerdo, o perfil de uma mulher de cabelos longos trabalhando num notebook. No notebook aparece uma tela do produto Base Cartográfica do Brasil
Nova edição da Base Cartográfica pode ser acessada por meio da Plataforma Geográfica Interativa do IBGE - Foto: Placeit (arte sobre foto)

O IBGE lança hoje (8) a nova versão da Base Cartográfica Vetorial Contínua do Brasil na escala 1:250.000, na qual cada 1cm equivale a 2,5km no terreno. Esta é a quinta edição da BC250, lançada inicialmente em 2013 e atualizada a cada dois anos.

A Base Cartográfica oferece uma visão de conjunto do território e serve como referência para subsidiar ações de planejamento, monitoramento e gestão territorial, possibilitando o mapeamento temático de população, geologia, vegetação, solos, recursos naturais e ambientais do país, entre outros temas.

“Por meio do Programa de Atualização Permanente da BC250 é possível prover a sociedade de uma base de dados digitais geoespaciais planimétrica, padronizada, contínua e atualizada de todo o território brasileiro na escala 1:250.000, que permite obter informações relativas ao posicionamento, nome geográfico e classificação dos elementos nela representados”, explica Rafael Balbi, analista de geoprocessamento e gerente de Bases Contínuas do IBGE.

A versão 2021 da BC250 foi produzida a partir de imagens de satélite cobrindo todo o território nacional, de dados produzidos por outros levantamentos e pesquisas do IBGE e dados de órgãos setoriais parceiros, que permitiram a atualização de diversas informações constantes na versão lançada em 2019.

Entre os aprimoramentos desta quinta versão, estão edições de controle de qualidade topológico, preenchimento de atributos obrigatórios segundo a modelagem de dados, adição de uma nova classe (que traz a delimitação do Mar Territorial, da Zona Contígua, da Zona Econômica Exclusiva e da Plataforma Continental), além da complementação de algumas classes, como por exemplo, eclusa e trecho hidroviário.

Ao todo, o produto contempla classes de 13 categorias de informação: Energia e Comunicações, Estrutura Econômica, Hidrografia, Limites e Localidades, Relevo, Sistema de Transporte, Sistema de Transporte /Aeroportuário, Sistema de Transporte/Dutos, Sistema de Transporte/Ferroviário, Sistema de Transporte/Hidroviário, Sistema de Transporte/Rodoviário, Classes Base do Mapeamento Topográfico em Grandes Escalas e Cultura e Lazer.

A nova versão apresenta, ainda, a lista dos nomes geográficos no formato CSV, para serem visualizados em ambiente SIG (Sistema de Informações Geográficas), onde é possível localizar, através de suas coordenadas geográficas, todos os nomes geográficos que integram a base, representados por pontos.

Construída conforme as normas vigentes, a base é compatível com os requisitos de precisão do Sistema Cartográfico Nacional (SCN) e adequada aos padrões e normas da Infraestrutura Nacional de Dados Espaciais (INDE). Os dados estão estruturados conforme o modelo conceitual das Especificações Técnicas para Estruturação de Dados Geoespaciais Vetoriais, Versão 3.0 (ET-EDG V 3.0).

“A BC250 é a representação espacial do Brasil no Mapa Integrado da América do Sul, organizado pelo Instituto Panamericano de Geografia e História (IPGH)", acrescenta Balbi. Ele explica que o produto se destina a qualquer usuário de Sistemas de Informação Geográfica e de Banco de Dados Geográficos (BDG).

A BC250 está disponível em formatos livres (shapefile, geopackage e dump do PostGis), para utilização em Sistemas de Informação Geográfica, podendo ser acessada aqui e por meio da Plataforma Geográfica Interativa do IBGE.

Informações mais detalhadas sobre a base estão disponíveis na documentação técnica que acompanha o produto, disponível aqui. A versão 2021 da BC250 também pode ser acessada através do geoportal da INDE e seus metadados podem ser encontrados no catálogo de metadados do IBGE.

Visão geral simplificada da Base Cartográfica Contínua do Brasil na escala 1:250.000