Censo Agropecuário

Produtividade de leite cresce 62% em 11 anos; produção chega a 30 bilhões de litros

Editoria: Séries Especiais | Umberlândia Cabral e Vivian Barbosa | Arte: Simone Mello

20/12/2019 14h00 | Última Atualização: 23/12/2019 14h04

Produção de leite passou de 1,6 mil litros por vaca em 2006 para 2,6 mil em 2017, segundo o Censo Agro - Foto: Divulgação

A produção de leite de vaca ultrapassou, pela primeira vez na história do Censo Agropecuário, a marca de 30 bilhões de litros. A produtividade no setor vem aumentando continuamente desde o levantamento realizado em 1970 e, quando comparado com os dados de 2006, houve um crescimento de 62% em 2017. Isso significa que são necessárias menos vacas para produzir a mesma quantidade de leite. De acordo com os dados do Censo Agropecuário, dos 1,6 mil litros por vaca em 2006, a produção passou a 2,6 mil litros por animal em 2017.

Seja uma demanda gerada por preocupação com a saúde ou com o meio ambiente, um sistema produtivo vem ganhando público e a atenção do setor: a produção de leite orgânico.

O agrônomo Ricardo Schiavinato comprou a fazenda Nata da Serra em 1988, quando ainda estava na faculdade. “Nessa época eu mal sabia o que era agricultura orgânica e dentro da própria academia pouco se falava dessa questão. Na realidade, a agricultura orgânica na década de 90 era bem discriminada. Diziam que era coisa de maluco”, explica o produtor, que seguiu na produção convencional de leite até vivenciar uma crise econômica nos anos 90.

“Acabei me endividando, tive uma dificuldade muito grande. Pensei até em parar a atividade, mas conheci uma pessoa que estava querendo mexer com produção orgânica. Então eu comecei a estudar a questão do orgânico e a fazer a conversão do meu rebanho. Por volta de 1999, a gente recebeu a certificação de orgânico”, relata.

Schiavinato conta que, à época em que trabalhava com leite convencional, produzia mil litros diários e, no processo de conversão para o orgânico, a produção caiu para 250 litros. “Apesar de estar tirando pouco leite, era uma atividade rentável. Eu perdia dinheiro com os mil litros e com os 250 eu tinha lucro. Mesmo não sendo um lucro grande, era lucro, não perdia dinheiro”, explica.

O aumento na produtividade na fazenda veio com o conhecimento adquirido por meio do projeto Balde Cheio, da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa), que capacita profissionais da cadeia produtiva do leite para o uso de tecnologias. O engenheiro agrônomo André Novo, da Embrapa, afirma ser possível aumentar a produtividade do leite também no manejo orgânico.

“Nossa experiência na condução de algumas fazendas de leite orgânico mostra claramente que há espaço de aplicação de diversas tecnologias de produto e de processo que viabilizam alta produtividade, mesmo com as restrições de sistema. Os sistemas convencionais sem dúvida têm maior capacidade de produzir em quantidades maiores e de menor custo mas, no caso de leite orgânico, apesar do custo maior, conseguimos manipular os fatores de produção e atingir boa produtividade”, explica.

Na fazenda de Schiavinato, por exemplo, a produção aumentou para 1,5 mil litros. “Quando eu tirava 250 litros de leite orgânico, eu usava 45 hectares da área. Hoje uso 25 hectares e tiro 1,5 mil litros. Foi um processo muito interessante”, diz.

Na produção orgânica, o uso de transgênicos não é permitido - Foto: Claudinei Saldanha

Produtores seguem exigências de certificação do leite orgânico

Para se produzir leite orgânico, o produtor deve seguir uma série de exigências estabelecidas pela Instrução Normativa nº 46, do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Uma delas é que a alimentação diária do rebanho contenha, no máximo, 15% de alimentos não orgânicos. Já os transgênicos são completamente vetados.

“O sistema de produção segue rigorosamente uma série de normas específicas de sanidade, manejo de solo, uso de produtos químicos, conforto e bem-estar animal e controle de insumos permitidos”, explica André Novo. Outra norma é a de que todos os animais devem ser, preferencialmente, livres de gaiolas, estábulos, cordas ou qualquer método que impeça seus movimentos naturais.

Claudinei Saldanha Júnior e Nilson Saldanha são sócios, produtores de leite orgânico em uma propriedade de 26 hectares. Eles fornecem leite para uma grande multinacional, que produz leite em pó. “Nosso plantel tem 95 animais. Destes, 76 são vacas adultas, sendo 56 vacas em lactação produzindo hoje 900 litros de leite orgânico por dia. Todas são mantidas a pasto e são suplementadas apenas com milho e soja orgânicos. O controle sanitário também é todo feito com homeopatia”, relata Claudinei.

Claudinei e Nilson administram uma propriedade de 26 hectares com produção diária de 900 litros de leite orgânico - Foto: Artur Chinelato

Produção sustentável de leite na Bahia

Na Bahia, uma empresa de pecuária leiteira investiu na ideia de um rebanho mais saudável, que se alimentasse no pasto de forma mais natural e sustentável. No município de Jaborandi, no oeste do estado, estão localizadas as três fazendas da empresa, que detém a maior produção de leite com gado em sistema pastoril do Brasil.

Além de se alimentar naturalmente de pasto, as vacas vivem soltas, sem injeção de hormônios comuns ao confinamento, livre de antibióticos e sem dieta à base de ração. “O resultado é um leite mais saudável e mais rico em nutrientes”, informa o sócio-diretor da empresa, Craig Bell.

O rebanho atual é composto por 2.700 vacas. Um time de 110 funcionários trabalha na produção e beneficiamento de 12 milhões de litros de leite por ano. “A genética do gado, com tecnologia trazida da Nova Zelândia, e o fato de o rebanho se alimentar no pasto garantem a alta qualidade do produto. A isto se soma a máxima eficiência entre a ordenha e o envase, com rigoroso controle”, explica o zootecnista Juliano Almeida.

O leite cru é retirado em ordenhas mecanizadas e passa por refrigeração instantânea, com armazenamento entre 3 e 5 graus de temperatura, o que inviabiliza o desenvolvimento de bactérias. “Além da preocupação muito grande com o que coloca na mesa do consumidor, a empresa assume a responsabilidade com a conservação do meio ambiente, principalmente com relação ao uso de água, e com a questão da sustentabilidade da comunidade local”, diz Juliano.