PAIC 2013: indústria da construção teve crescimento de 3,7%

21/10/2015 11h45 | Atualizado em 29/05/2017 11h47

 

A Pesquisa Anual da Indústria da Construção verificou, em 2013, expansão de 3,7% em termos reais no valor das incorporações, obras e serviços realizados pelas empresas de construção, em 2013 frente a 2012, totalizando R$ 357,7 bilhões, sendo 42,8% relativos à construção de edifícios, 39,4% a obras de infraestrutura e 17,8% aos serviços especializados. A receita operacional líquida avançou 5,3%, em termos reais, entre 2012 (R$ 313,5 bilhões) e 2013 (R$ 337,6 bilhões), enquanto a variação do valor adicionado foi de 6%, sendo de 12,8% para os serviços especializados. O número de empresas, nesse período, cresceu 5.800, totalizando 111,9 mil empresas, que ocupavam cerca de 3,0 milhões de pessoas, o que correspondeu a R$ 67,4 bilhões em salários, retiradas e outras remunerações, e um salário médio de R$ 1.750,88.

Os investimentos das empresas totalizaram R$ 9,7 bilhões, em 2013. Cerca de um terço do total das obras e serviços de construção foram contratadas por entidades públicas (R$ 116,8 bilhões). Embora a região Sudeste tenha a maior participação nas incorporações, obras e serviços (60,4%), Nordeste (de 14,1% para 14,8%) e Norte (de 3,1% para 3,7%) apresentaram os maiores crescimentos em termos de valor da indústria da construção. Infraestrutura representou 44,3% do valor das incorporações, obras e serviços da construção das empresas com 30 ou mais ocupados.

Esses e outros resultados da indústria da construção, em 2013, foram influenciados pela oferta de crédito imobiliário, os programas de investimento como o Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) e o Programa Minha Casa Minha Vida (MCMV), e as obras para a Copa do Mundo 2014.

A Pesquisa da Indústria da Construção - PAIC levanta informações econômicas e financeiras sobre o segmento empresarial da indústria da construção em todo o território nacional, disponibilizando aos órgãos governamentais e privados subsídios para o planejamento, e aos usuários em geral, informações para estudos setoriais mais aprofundados. Outras informações podem ser obtidas aqui.


Gráfico 2: Participação percentual do Valor das Incorporações, obras e serviços
por setor de atividade - Brasil 2012-2013
 

As empresas de construção realizaram, em 2013, incorporações, obras e serviços no valor de R$ 357,7 bilhões, um crescimento real de 3,7%, na comparação com 1012. Excluindo-se as incorporações, o valor corrente das obras e serviços da construção atingiu R$ 346,7 bilhões. Cerca de um terço (33,7%) do valor da construção (R$ 116,8 bilhões) veio das obras contratadas por entidades públicas, participação menor do que a verificada em 2012 (35,0%). A receita operacional líquida avançou 5,3%, em termos reais (de R$ 313,5 bilhões para R$ 337,6 bilhões).

A pesquisa verificou, também, aumento de 5,5% no número de empresas (5.800 empresas) que atuam na indústria da construção, que passaram de 106,1 mil para 111,9 mil empresas. Serviços especializados para construção registou o maior aumento na quantidade de empresas ativas (9,9%), passando de 52.033 (2012) para 57.186 (2013).

A ocupação das empresas da Indústria da Construção chegou a 3,0 milhões de pessoas, com gasto total com o pessoal ocupado correspondendo a 33,9% do total dos custos e despesas, resultado superior à participação em 2012 (32,6%), e atingiu o valor de R$ 102,3 bilhões, dos quais R$ 67,4 bilhões foram em salários, retiradas e outras remunerações. O salário médio mensal avançou 6,2% em termos nominais, passando de R$ 1.648,66, em 2012, para R$ 1.750,88, em 2013.

A construção de edifícios manteve-se como o setor que mais contribuiu para o crescimento do valor corrente (R$ 153,2 bilhões) de incorporações, obras e serviços, com participação de 42,8% do total. O segmento de obras de infraestrutura (R$ 140,9 bilhões) foi o segundo em termos de participação no valor corrente (39,4%), embora com uma queda de participação em relação a 2012 (40,5%). Por sua vez, o setor de serviços especializados (R$ 63,5 bilhões) passou de 16,8% para 17,8%.

As obras e serviços executados pelas empresas de construção representaram a parte fundamental na estrutura das receitas do setor, totalizando aproximadamente R$ 343,1 bilhões, mantendo a mesma participação observada em 2012. Por sua vez, a receita proveniente das incorporações de imóveis construídos por outras empresas foi de aproximadamente R$ 11,1 bilhões, passando de 3,2% para 3,1%, nesse período.

Gastos com pessoal representam 33,9% das despesas da indústria da construção

O item com maior peso nos custos e despesas da indústria da construção foram os gastos de pessoal, que passaram de 32,6% para 33,9%, entre 2012 e 2013. O consumo de materiais de construção, segundo item de maior relevância, alcançou cerca de 24,8%, em 2013, percentual semelhante ao obtido em 2012 (24,9%). Obras e/ou serviços contratados a terceiros também figuram entre os principais custos e despesas da atividade de construção, passando de cerca de 11,1% para 11,2%. Por sua vez, o item serviços de manutenção e reparação de máquinas e equipamentos teve redução de participação de 2,8% para 2,2%.

Os investimentos líquidos realizados em ativos imobilizados para todas as empresas da atividade de Construção totalizaram cerca de R$ 9,7 bilhões, em 2013. O investimento líquido em máquinas e equipamentos foi o principal destaque representando 44,9% do total investido, seguido por terrenos e edificações (28,0%), meios de transporte (18,3%), e outras aquisições - móveis, microcomputadores, etc. (8,8%).

Valor adicionado da indústria da construção cresce 6,0% entre 2012 e 2013

A Pesquisa verificou crescimento de 6,0% do valor adicionado da atividade da construção, entre os anos de 2012 a 2013, sendo de 3,9%, na construção de edifícios, 4,7%, em obras de infraestrutura, e 12,8%, nos serviços especializados para construção. Em termos percentuais, a maior participação foi construção de edifícios (40,1%), seguida por obras de infraestrutura (38,6%) e, por último, os serviços especializados para construção (21,3%).

Norte e Nordeste apresentam maiores crescimentos no valor das obras

Embora tenha perdido participação no pessoal ocupado (de 55,0% para 54,5%) e no valor das incorporações, obras e serviços da construção (de 61,9% para 60,4%), entre 2012 e 2013, a região Sudeste detém a maior participação na indústria da construção.

Com menor participação, Norte e Nordeste foram as regiões que apresentaram maior crescimento, de 2012 para 2013, no pessoal ocupado: Norte (de 4,0% para 4,4%) e Nordeste (de 19,4% para 19,6%); e no valor das incorporações, obras e serviços da construção: Norte (de 3,1% para 3,7%) e Nordeste (de 14,1% para 14,8%).

Tabela 6 - Pessoal ocupado e valor corrente das incoporações, obras e/ou serviços da indústria
da construção, segundo as Grandes Regiões - 2012-2013
Grandes
Regiões
Pessoal ocupado Valor das incorporações, obras e/ou serviços da
indústria da construção
2012 2013 2012 2013
Total
em 31/12
Participação
percentual
(%)
Total
em 31/12
Participação
percentual
(%)
Valor
(1.000 R$)
Participação
percentual
(%)
Valor
(1.000 R$)
Participação
percentual
(%)
Brasil
2.826.615
100,0
2.961.190
100,0
337.176.971
100,0
357.722.400
100,0
Norte
113.248
4,0
130.404
4,4
10.572.972
3,1
13.167.774
3,7
Nordeste
548.704
19,4
580.411
19,6
47.611.374
14,1
53.132.570
14,8
Sudeste
1.555.129
55,0
1.611.861
54,5
208.698.648
61,9
215.904.829
60,4
Sul
396.078
14,0
412.501
13,9
45.462.450
13,5
48.270.616
13,5
Centro-Oeste
213.456
7,6
226.013
7,6
24.831.528
7,4
27.246.611
7,6
Fonte: IBGE, Diretoria de Pesquisas, Coordenação de Indústria, Pesquisa Anual da Indústria da Construção 2012-2013.

Infraestrutura representa 44,3% do valor das obras e serviços de construção entre empresas com 30 ou mais pessoas ocupadas

Considerando-se incorporações, obras e/ou serviços da construção executados pelas empresas com 30 ou mais pessoas ocupadas, em 2013, o valor corrente foi de R$ 292,5 bilhões, um crescimento em termos reais de 1,7%, em relação a 2012 (R$ 281,1 bilhões).

Entre as empresas com 30 ou mais pessoas ocupadas, o valor das obras de infraestrutura passou de R$ 121,9 bilhões para R$ 129,6 bilhões, elevando sua participação de 43,4% (2012) para 44,3% (2013). Os produtos que mais aumentaram, de um ano para o outro, foram quadras, piscinas, pistas de competição e outras instalações esportivas e recreativas semelhantes, que passaram de R$ 785,9 milhões para R$ 17,7 bilhões; e pistas de aeroportos, que passaram de R$ 114,0 milhões para R$ 726,5 milhões. As obras de infraestrutura são influenciadas pelos desembolsos efetuados pelo BNDES direcionados a obras de infraestrutura, que cresceram nominalmente 17,6%, passando de R$ 52,9 bilhões, em 2012, para R$ 62,2 bilhões, em 2013. Destes, R$ 20,0 bilhões foram destinados ao setor de energia elétrica e R$ 9,4 bilhões ao setor logística, que juntos foram responsáveis por 47,3% dos desembolsos de infraestrutura.

O segmento de obras residenciais executou construções no valor de R$ 76,6 bilhões em 2013, correspondendo a 26,2% do total das incorporações, obras e/ou serviços da construção, resultado superior ao apresentado em 2012 (24,8%). O aumento de participação deste grupo, nos últimos anos, está diretamente relacionado à expansão do crédito imobiliário e do número de unidades financiadas, influenciados pela redução das taxas de juros naquele período e ampliação dos prazos de financiamento, expansão da renda e do emprego, e alterações no marco regulatório do crédito imobiliário, tais como: a alienação fiduciária, o regime especial do patrimônio de afetação e a lei do incontroverso, que trouxeram maior segurança jurídica para os financiamentos imobiliários.

Tabela 7 - Valor corrente e participação percentual das incorporações, obras e/ou serviços
da construção das empresas com 30 ou mais pessoas ocupadas, segundo os grupos
de produtos e/ou serviços da construção - Brasil - 2012-2013
Grupos de produtos e/ou
serviços da construção
Incorporações, obras e/ou serviços da construção (1) das empresas
com 30 ou mais pessoas ocupadas
2012 2013
Valor
(1.000 R$)
Participação
percentual
(%)
Valor
(1.000 R$)
Participação
percentual
(%)
   Total
281.078.327
100,0
292.466.876
100,0
Incorporação de empreendimentos
imobiliários
6.948.395
2,4
7.133.980
2,4
Obras residenciais
69.648.333
24,8
76.588.764
26,2
Edificações industriais, comerciais e
outras edificações não residenciais
40.501.950
14,4
35.946.846
12,3
Obras de infraestrutura
121.878.975
43,4
129.642.033
44,3
Serviços especializados
42.100.677
15,0
43.155.253
14,8
Fonte: IBGE, Diretoria de Pesquisas, Coordenação de Indústria, Pesquisa Anual da Indústria da Construção 2012-2013.
(1) Obras novas, reformas e manutenção.

O grupo de serviços especializados atingiu o valor de R$ 43,2 bilhões, correspondendo a 14,8% do total das incorporações, obras e serviços da construção em 2013, participação inferior a de 2012 (15,0%). Os produtos que mais cresceram, nesse período, foram rebaixamento de lençol freático, que passou de R$ 9,1 milhões para R$ 341,2 milhões, e serviços de aluguel e operação de equipamentos de terraplanagem, que aumentaram de R$ 678,2 milhões para R$ 6,9 bilhões.

O grupo de edificações industriais, comerciais e outras edificações não residenciais realizou obras e serviços no valor de R$ 35,9 bilhões em 2013, correspondendo a 12,3% do total da indústria da construção, participação inferior à assinalada em 2012 (14,4%). Entre os produtos que ganharam participação, vale destacar estações de embarque e desembarque (rodoviárias, aeroportos, portos, estações de metrô e trens, etc.), que passaram, em valores correntes, de R$ 1,3 bilhão para R$ 2,4 bilhões; e serviços de montagem de edifícios não residenciais pré-fabricados, de R$ 505,5 milhões para R$ 547,8 milhões.

O valor do grupo incorporação de empreendimentos imobiliários passou de R$ 6,9 bilhões, em 2012, para R$ 7,1 bilhões, em 2013, representando 2,4% do total das incorporações, obras e/ou serviços da construção, mantendo a participação de 2012.

 

Comunicação Social
21 de outubro de 2015