Setor de serviços recua 0,3% de agosto para setembro

16/11/2016 11h48 | Última Atualização: 25/05/2017 12h48

 

Período
Volume
Receita Nominal
Setembro 2016 / Agosto 2016
-0,3%
-0,7%
Setembro 2016 / Setembro 2015
-4,9%
-0,2%
Acumulado em 2016
-4,7%
0,4%
Acumulado em 12 meses
-5,0%
0,2%

Em setembro de 2016, na série livre de influências sazonais, o volume de serviços recuou 0,3% frente ao mês anterior, após ter registrado queda de 1,4% em agosto e crescimento de 0,6% em julho. Sem ajuste sazonal, no confronto com igual mês do ano anterior, houve queda de 4,9%, a maior para o mês de setembro na série iniciada em janeiro de 2012, e a 18ª taxa negativa consecutiva nesse tipo de comparação. O acumulado nos nove meses de 2016 ficou em -4,7% e, nos últimos 12 meses, em -5,0%.

Entre as atividades, na série livre de influências sazonais, apontaram para variações positivas os Serviços profissionais, administrativos e complementares (0,7%) e os Transportes, serviços auxiliares dos transportes e correio (0,3%). As variações negativas foram as dos segmentos de Outros Serviços (-2,5%); de Serviços prestados às famílias (-0,9%) e de Serviços de informação e comunicação (-0,6%). O agregado especial das Atividades turísticas apresentou crescimento de 1,5%, na comparação com agosto.

A receita nominal variou -0,7% em relação a agosto, na série livre de influências sazonais, e a variação sem ajuste sazonal ficou em -0,2%, na comparação com mesmo mês do ano anterior. A taxa acumulada no ano ficou em 0,4% e, em 12 meses, 0,2%. A publicação completa daPesquisa Mensal de Serviços (PMS)divulgada pelo IBGE pode ser acessada aqui.


Tabela 1
INDICADORES DE SERVIÇOS COM AJUSTE SAZONAL, SEGUNDO GRUPOS DE ATIVIDADES
BRASIL - SETEMBRO 2016
ATIVIDADES TAXA DE VARIAÇÃO MÊS/MÊS ANTERIOR (%)

VARIAÇÃO DE
VOLUME

VARIAÇÃO DE
RECEITA NOMINAL
JUL
AGO
SET
JUL
AGO
SET
Brasil
0,6
- 1,4
- 0,3
1,2
- 0,5
- 0,7
1 - Serviços prestados às famílias
3,3
- 1,7
- 0,9
3,9
0,8
- 1,7
   1.1 - Serviços de alojamento e alimentação
2,6
- 1,6
- 0,6
4,8
0,7
- 1,4
   1.2 - Outros serviços prestados às famílias
3,0
- 0,7
- 5,1
3,9
0,6
- 5,2
2 - Serviços de informação e comunicação
- 0,1
0,3
- 0,6
1,9
0,1
4,7
   2.1 - Serviços TIC
0,0
0,5
- 0,4
0,4
0,0
0,3
      2.11 - Telecomunicações
- 0,2
1,3
- 1,9
- 0,5
1,1
- 1,1
      2.12 - Serviços de tecnlogia da informação
1,8
- 0,7
3,9
1,9
0,1
4,7
   2.2- Serviços audiovisuais, de edição e agências de notícias
- 0,9
- 0,6
- 8,0
- 0,4
- 0,6
- 6,5
3 - Serviços profissionais, administrativos e complementares
0,3
- 0,1
0,7
0,8
0,6
0,6
   3.1 - Serviços técnico-profissionais
- 2,7
0,9
0,1
- 4,6
2,4
- 0,6
   3.2 - Serviços administrativos e complementares
- 0,5
0,1
- 0,6
2,5
- 0,8
- 0,1
4 - Transportes, serviços auxiliares dos transportes e correio
- 0,4
0,2
0,3
0,5
- 0,9
- 0,5
   4.1 - Transporte terrestre
0,5
- 4,1
0,0
1,4
- 1,1
0,4
   4.2 - Transporte aquaviário
- 5,3
4,3
- 9,1
- 6,6
6,0
- 8,0
   4.3 - Transporte aéreo
- 3,9
- 1,3
5,2
2,8
- 0,1
- 4,1
   4.4 - Armazenagem, serviços auxiliares dos transportes e correio
- 0,3
- 2,7
1,9
0,5
- 0,4
0,4
5 - Outros serviços
1,9
- 1,3
- 2,5
2,2
- 0,7
- 1,7
Atividades turísticas
0,5
- 0,9
1,5
3,6
1,2
- 2,0
Fonte: IBGE, Diretoria de Pesquisas, Coordenação de Serviços e Comércio.
 

Tabela 2
INDICADORES DE VOLUME DOS SERVIÇOS SEM AJUSTE SAZONAL,
SEGUNDO GRUPOS DE ATIVIDADES BRASIL - SETEMBRO 2016

 

ATIVIDADES TAXA DE VARIAÇÃO (%)
MÊS/IGUAL MÊS DO
ANO ANTERIOR
ACUMULADO
JUL
AGO
SET
NO ANO
12 Meses
Brasil
- 4,5
- 3,9
- 4,9
- 4,7
- 5,0
1 - Serviços prestados às famílias
- 2,2
- 4,1
- 5,7
- 4,3
- 4,8
   1.1 - Serviços de alojamento e alimentação
- 3,1
- 5,4
- 6,1
- 4,7
- 5,1
   1.2 - Outros serviços prestados às famílias
3,0
3,5
- 3,5
- 1,8
- 3,3
2 - Serviços de informação e comunicação
- 1,5
- 0,2
- 1,9
- 2,7
- 2,6
   2.1 - Serviços TIC
- 1,0
0,6
- 0,3
- 2,2
- 2,3
      2.11 - Telecomunicações
- 2,5
- 0,2
- 2,5
- 3,0
- 3,2
      2.12 - Serviços de tecnlogia da informação
5,0
3,1
7,1
0,6
0,9
   2.2- Serviços audiovisuais, de edição e agências de notícias
- 5,1
- 5,2
- 13,1
- 5,8
- 4,9
3 - Serviços profissionais, administrativos e complementares
- 5,0
- 3,7
- 3,8
- 5,8
- 6,3
   3.1 - Serviços técnico-profissionais
- 15,3
- 13,6
- 11,3
- 10,5
- 10,3
   3.2 - Serviços administrativos e complementares
- 1,6
- 0,3
- 1,4
- 4,2
- 4,9
4 - Transportes, serviços auxiliares dos transportes e correio
- 8,7
- 9,0
- 9,0
- 7,0
- 7,1
   4.1 - Transporte terrestre
- 11,6
- 8,7
- 11,5
- 10,0
- 10,8
   4.2 - Transporte aquaviário
- 13,9
- 9,2
- 20,4
- 5,0
- 0,5
   4.3 - Transporte aéreo
6,9
- 17,1
- 2,3
1,5
4,2
   4.4 - Armazenagem, serviços auxiliares dos transportes e correio
- 7,5
- 6,3
- 4,8
- 4,4
- 4,5
5 - Outros serviços
- 0,8
- 0,3
- 4,9
- 3,2
- 5,3
Atividades turísticas
- 0,3
- 7,9
- 2,6
- 2,7
- 2,3
Fonte: IBGE, Diretoria de Pesquisas, Coordenação de Serviços e Comércio.
 

Em termos de composição da taxa global de volume, sem ajuste sazonal, as contribuições dos segmentos foram: Transportes, serviços auxiliares dos transportes e correio (-2,9 pp); Serviços profissionais, administrativos e complementares (-0,7 pp), Serviços de informação e comunicação, (-0,7 pp), Serviços prestados às famílias (-0,3 pp) e Outros serviços (-0,3 pp).

Serviços de tecnologia da informação apresentam crescimento contínuo

OsServiços de tecnologia da informação vêm se destacando por se contrapor aos resultados de retração de outras atividades. Na série sem ajuste sazonal, apresenta crescimentos contínuos desde abril de 2016, o que ressalta sua característica de segmento dinâmico, com a geração de serviços de elevado valor agregado.

As empresas vêm retomando a contratação de serviços de informática para atender necessidades estratégicas, com objetivo de manter os níveis de competitividade e produtividade. A maior demanda por programas não-customizáveis contribuem também para esse crescimento, principalmente os referentes à produção degames e programas de computação gráfica para o segmento audiovisual.

No terceiro trimestre de 2016, volume de serviços retrai 0,5%

No terceiro trimestre de 2016, na série com ajuste sazonal, o volume de serviços teve uma queda de 0,5% em relação ao trimestre anterior, resultado inferior às retrações observadas no segundo (1,1%) e no primeiro trimestre de 2016 (1,4%). Em relação ao terceiro trimestre de 2015, a taxa foi de -4,4%. Esses resultados sinalizam um menor ritmo de queda no setor.

Entre as atividades, na comparação com o trimestre anterior, os Serviços prestados às famílias registraram crescimento de 1,1%, seguido dos Serviços profissionais, administrativos e complementares (0,2%) e Transportes, serviços auxiliares dos transportes e correio (0,2%). O segmento de Outros serviços registrou queda de 0,9% e os Serviços de informação e comunicação apresentaram variação nula (0,0%). As Atividades turísticas registraram queda de 0,1%.

Na comparação com o terceiro trimestre do ano anterior, todos os segmentos apresentaram quedas, mas em patamares inferiores aos dos trimestres anteriores, à exceção do segmento deTransportes, serviços auxiliares dos transportes e correio: (- 8,9%), contra retrações de 6,7% no segundo trimestre e 5,2% no primeiro trimestre.


Tabela 5
INDICADORES TRIMESTRAIS DE VOLUME DOS SERVIÇOS, SEGUNDO GRUPOS DE ATIVIDADES
BRASIL - 2016
 
ATIVIDADES VARIAÇÃO DE VOLUME (%)
TRIMESTRE/TRIMESTRE
ANTERIOR
COM AJUSTE SAZONAL
TRIMESTRE/IGUAL
TRIMESTRE DO
ANO ANTERIOR
2016 2016
1º tri
2º tri
3º tri
1º tri
2º tri
3º tri
Brasil
-1,4
-1,1
-0,5
-5,0
- 4,7
-4,4
1 - Serviços prestados às famílias
2,3
-7,6
1,1
-3,2
- 5,8
-4,0
   1.1 - Serviços de alojamento e alimentação
0,3
-5,1
0,3
-3,4
- 6,0
-4,8
   1.2 - Outros serviços prestados às famílias
4,7
-6,7
2,9
-1,7
- 4,8
1,1
2 - Serviços de informação e comunicação
-0,2
0,2
0,0
-4,4
- 2,4
-1,2
   2.1 - Serviços TIC
0,2
0,1
0,6
-4,2
- 2,2
-0,2
      2.11 - Telecomunicações
-0,3
-0,6
0,1
-4,0
- 3,2
-1,8
      2.12 - Serviços de tecnlogia da informação
2,5
1,0
2,6
-4,7
1,4
5,1
   2.2- Serviços audiovisuais, de edição e agências de notícias
-2,5
-1,0
-2,0
-5,9
- 3,8
-7,7
3 - Serviços profissionais, administrativos e complementares
-2,0
-1,5
0,2
-6,8
- 6,3
-4,2
   3.1 - Serviços técnico-profissionais
-3,2
-7,0
-2,0
-7,8
- 10,2
-13,5
   3.2 - Serviços administrativos e complementares
-0,4
0,2
0,1
-6,5
- 5,1
-1,1
4 - Transportes, serviços auxiliares dos transportes e correio
-6,4
-1,3
0,2
-5,2
- 6,7
-8,9
   4.1 - Transporte terrestre
-2,8
-3,3
-3,1
-9,7
- 9,7
-10,6
   4.2 - Transporte aquaviário
-6,0
-2,6
-6,1
4,7
- 3,5
-14,6
   4.3 - Transporte aéreo
-0,3
-2,2
-2,9
12,4
- 0,4
-5,2
   4.4 - Armazenagem, serviços auxiliares dos transportes e correio
-0,2
-2,1
-1,7
-3,1
- 3,7
-6,2
5 - Outros serviços
1,6
-1,8
-0,9
-3,8
- 3,9
-2,0
Atividades turísticas
0,1
-3,5
-0,1
- 0,2
- 4,4
-3,6
Fonte: IBGE, Diretoria de Pesquisas, Coordenação de Serviços e Comércio.
 

Resultados regionais: Rio de Janeiro, Mato Grosso e Pará apresentam as maiores quedas em relação a agosto

Em relação aos resultados regionais, na série com ajuste sazonal de setembro em comparação a agosto, as maiores variações positivas de volume foram registradas em Rondônia (6,5%), Sergipe (6,2%) e Espírito Santo (4,3%) e as mais negativas foram observadas no Rio de Janeiro (-5,8%), Mato Grosso (-5,3%) e Pará (-3,2%).

Nas Atividades turísticas com ajuste sazonal, segundo os estados selecionados, as variações positivas de volume foram observadas em São Paulo (6,4%), Distrito Federal (5,0%), Bahia (4,9%), Espírito Santo (3,9%), Pernambuco (3,6%), Ceará (3,5%), Rio Grande do Sul (2,9%), Minas Gerais (2,5%), Paraná (1,4%) e Goiás (0,3%). As negativas foram registradas no Rio de Janeiro (-5,2%) e Santa Catarina (-5,1%).

Na comparação com o mesmo mês do ano anterior, sem ajuste sazonal, as variações positivas foram em São Paulo (6,0%), Pernambuco (3,5%), Goiás (2,1 %) e Rio Grande do Sul (1,7%). As variações negativas foram no Distrito Federal (-16,1%), Espírito Santo (-14,4%), Santa Catarina (-11,4%), Minas Gerais (-9,5%), Rio de Janeiro (-9,1%), Bahia (-8,0%), Paraná (-7,2%), e Ceará (-4,5%).