Nossos serviços estão apresentando instabilidade no momento. Algumas informações podem não estar disponíveis.

IBGE divulga o rendimento domiciliar per capita e o Coeficiente de Desequilíbrio Regional 2021

26/05/2022 10h00 | Atualizado em 26/05/2022 10h00

O IBGE divulga hoje os valores de rendimento nominal mensal domiciliar per capita (RDPC) e os Coeficientes de Desequilíbrio Regional (CDR) referentes a 2021 para o Brasil e três Grandes Regiões: Norte, Nordeste e Centro-Oeste, calculados com base na Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD) Contínua. Essa divulgação atende ao Decreto 9.291, de 2018.

Região Rendimento nominal mensal domiciliar per capita (RDPC) da população residente e o Coeficiente de Desiquilíbrio Regional (CDR) Brasil e Regiões
2021
RDPC Médio CDR
Brasil 1367  ... 
Norte 878 0,64
Nordeste 839 0,61
Centro-Oeste 1557 1
Fonte: IBGE, Diretoria de Pesquisas, Coordenação de Trabalho e Rendimento, Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua 2021.

Em 2021, o rendimento nominal domiciliar per capita do Centro-Oeste era R$ 1.557, acima da média nacional (R$ 1.367), tendo o Coeficiente de Desequilíbrio Regional (CDR) igual a 1. O Nordeste teve rendimento de R$ 839 e um CDR de 0,61. Já o Norte teve rendimento de R$ 878 e CDR de 0,64.

Os coeficientes são calculados com base nos valores de rendimentos regionais em comparação com a média nacional. Para o cálculo do CDR, são considerados os rendimentos de trabalho e de outras fontes. Os valores foram obtidos a partir dos rendimentos brutos de trabalho e de outras fontes, efetivamente recebidos no mês de referência da pesquisa, acumulando as informações das quintas entrevistas do 1º, 2º, 3º e 4º trimestres da PNAD Contínua que compõem o ano de 2021, para o resultado deste ano de referência.

Segundo o decreto 9.291/2018, os coeficientes serão aplicados na apuração dos encargos financeiros incidentes sobre os financiamentos de operações de crédito com recursos do Fundo de Financiamento do Nordeste (FNE), do Fundo de Financiamento do Norte (FNO) e do Fundo de Financiamento do Centro-Oeste (FCO).