Em 2019, expectativa de vida era de 76,6 anos

26/11/2020 10h00 | Última Atualização: 26/11/2020 11h08

Uma pessoa nascida no Brasil em 2019 tinha expectativa de viver, em média, até os 76,6 anos. Isso representa um aumento de três meses em relação a 2018 (76,3 anos). A expectativa de vida dos homens passou de 72,8 para 73,1 anos e a das mulheres foi de 79,9 para 80,1 anos.

A probabilidade de um recém-nascido não completar o primeiro ano de vida era de 11,9 para cada mil nascimentos, ficando abaixo da taxa de 2018 (12,4). Essa caiu 91,9% desde 1940, quando chegava a 146,6 óbitos por mil nascimentos.

A mortalidade na infância (crianças menores de 5 anos) também declinou, de 14,4 por mil em 2018 para 14,0 por mil em 2019. Das crianças que vieram a falecer antes de completar os 5 anos de idade, 85,6% teriam a chance de morrer no primeiro ano de vida e 14,4% de vir a falecer entre 1 e 4 anos de idade.

Entre as unidades da federação, a maior expectativa de vida foi verificada em Santa Catarina (79,9 anos), com 3,3 anos acima da média nacional, e a menor, no Maranhão (71,4 anos). Já a menor taxa de mortalidade infantil foi a do Espírito Santo (7,8 por mil) e a maior, no Amapá (22,6 por mil).

Essas e outras informações estão disponíveis na Tábua Completa de Mortalidade para o Brasil – 2019, que apresenta as expectativas de vida às idades exatas até os 80 anos, e são usadas como um dos parâmetros para determinar o fator previdenciário, no cálculo das aposentadorias do Regime Geral de Previdência Social.

Taxa de mortalidade antes de um ano de vida é de 11,9 óbitos por mil nascimentos

Entre 1940 e 2019 a mortalidade infantil apresentou declínio da ordem de 91,9%, sendo que a taxa de mortalidade entre 1 a 4 anos de idade diminuiu 97,3%. Neste período foram poupadas aproximadamente 135 vidas de crianças menores de 1 ano para cada mil nascidas vivas e 198 vidas de crianças de até 5 anos. Em 1940, a taxa de mortalidade na infância (crianças de até 5 anos) era de aproximadamente 212,1 óbitos para cada mil nascidos vivos. Em 2019, a taxa foi de 14,0 por mil.

Taxa de mortalidade infantil (por mil), taxa de mortalidade no grupo de 1 a 4 anos de idade (por mil) e taxa de mortalidade na infância (por mil) - Brasil - 1940/2019
Ano Taxa de mortalidade infantil
(por mil)
Taxa de mortalidade no grupo de 1 a 4 anos de idade
(por mil)
Taxa de mortalidade na infância (por mil) Das crianças que vieram a falecer antes dos 5 anos a chance de falecer (%)
Antes de 1 ano Entre 1 a 4 anos
1940 146,6 76,7 212,1 69,1 30,9
1950 136,2 65,4 192,7 70,7 29,3
1960 117,7 47,6 159,6 73,7 26,3
1970 97,6 31,7 126,2 77,3 22,7
1980 69,1 16,0 84,0 82,3 17,7
1991 45,1 13,1 57,6 78,3 21,7
2000 29,0 6,7 35,5 81,7 18,3
2010 17,2 2,64 19,8 86,9 13,1
2019 11,9 2,04 14,0 85,6 14,4
D% (1940/2019) -91,9 -97,3 -93,4    
D (1940/2019) -134,7 -74,6 -198,1    

Das crianças que vieram a falecer antes de completar os 5 anos de idade, 85,6% faleceram no primeiro ano de vida e 14,4% entre 1 e 4 anos de idade. A probabilidade de um recém-nascido do sexo masculino não completar o primeiro ano de vida foi de 12,9 por mil, enquanto que para as meninas a taxa é de 11,0 para cada mil. Para ambos os sexos, a taxa de mortalidade antes do primeiro ano de vida foi de 11,9 por mil.

Aos 50 anos, expectativa de vida é 11,8 anos mais alta do que era em 1940

Para o ano de 2019, a expectativa de vida ao nascer, que foi de 76,6 anos, significou um aumento de 31,1 anos para ambos os sexos, frente ao indicador observado em 1940. Para os homens esse aumento foi de 30,2 anos e para as mulheres 31,8 anos.

Em 1940, um indivíduo ao completar 50 anos tinha uma expectativa de vida de 19,1 anos, vivendo em média 69,1 anos. Já em 2019, a pessoa de 50 anos teria uma expectativa de vida de 30,8 anos, esperando viver em média até 80,8 anos (11,8 anos a mais).

Expectativas de vida em idades exatas, variação em
ano do período e tempo médio de vida- Brasil - 1940/2019
Idade Expectativas de Vida Variação (em anos) 1940/2019 Tempo Médio de Vida - Ambos os Sexos
1940 2019
Total Homem Mulher Total Homem Mulher Total Homem Mulher 1940 2019
0 45,5 42,9 48,3 76,6 73,1 80,1 31,1 30,2 31,8 45,5 76,6
1 52,2 49,7 54,9 76,5 73,0 80,0 24,2 23,3 25,1 53,2 77,5
5 52,5 49,7 55,3 72,6 69,2 76,1 20,2 19,5 20,8 57,5 77,6
10 48,3 45,5 51,1 67,7 64,3 71,2 19,5 18,7 20,1 58,3 77,7
15 43,8 41,1 46,6 62,8 59,4 66,3 19,0 18,3 19,7 58,8 77,8
20 39,6 36,9 42,5 58,1 54,8 61,4 18,5 17,9 18,9 59,6 78,1
25 36,0 33,3 38,8 53,5 50,4 56,5 17,5 17,1 17,8 61,0 78,5
30 32,4 29,7 35,2 48,9 46,0 51,7 16,4 16,2 16,5 62,4 78,9
35 29,0 26,3 31,6 44,3 41,5 46,9 15,3 15,2 15,3 64,0 79,3
40 25,5 23,0 28,0 39,7 37,1 42,2 14,1 14,0 14,2 65,5 79,7
45 22,3 19,9 24,5 35,2 32,7 37,5 12,9 12,8 13,0 67,3 80,2
50 19,1 16,9 21,0 30,8 28,5 33,0 11,8 11,6 12,0 69,1 80,8
55 16,0 14,1 17,7 26,7 24,5 28,6 10,6 10,4 11,0 71,0 81,7
60 13,2 11,6 14,5 22,7 20,7 24,4 9,5 9,1 10,0 73,2 82,7
65 10,6 9,3 11,5 18,9 17,2 20,4 8,4 7,8 8,9 75,6 83,9
70 8,1 7,2 8,7 15,5 13,9 16,7 7,3 6,7 8,0 78,1 85,5
75 6,0 5,4 6,3 12,4 11,1 13,4 6,4 5,6 7,0 81,0 87,4
80 anos ou + 4,3 4,0 4,5 9,7 8,7 10,5 5,5 4,6 6,0    
Fontes: 1940 - Tábuas construídas no âmbito da Gerencia de Estudos e Análises da Dinâmica Demográfica.
2019 - IBGE/Diretoria de Pesquisas. Coordenação de População e Indicadores Sociais. Gerência de Estudos e Análises da Dinâmica Demográfica. Projeção da população do Brasil por sexo e idade para o período 2010-2060.

Entre 20 e 24 anos, homens têm 4,6 vezes mais chances de morrer do que mulheres

Em 2019, um homem de 20 anos tinha 4,6 vezes mais chance de não completar os 25 anos do que uma mulher do mesmo grupo de idade. É na faixa entre 15 e 34 anos que existe a maior disparidade entre a taxa de mortalidade da população masculina em relação à feminina. Este fenômeno pode ser explicado pela maior incidência dos óbitos por causas externas ou não naturais, que atingem com maior intensidade a população masculina.  

Essa sobremortalidade masculina fica abaixo de 2,0 a partir dos 45 anos. Em 1940, a diferença não passava desse nível em nenhuma faixa etária.

O cenário atual, reflete o processo de urbanização e metropolização. Em 1940, 68,8% da população viviam em áreas rurais, onde as condições sanitárias eram mais precárias e a mortalidade era elevada no grupo de adultos jovens para os dois sexos indistintamente.

A partir de meados dos anos 1980, as mortes associadas às causas externas ou não naturais, que incluem os homicídios, suicídios, acidentes e afogamentos, passaram a desempenhar um papel de destaque, de forma negativa, sobre a estrutura por idade das taxas de mortalidade, particularmente dos adultos jovens do sexo masculino.

Entre 1940 e 2019 também diminuiu a mortalidade feminina no período fértil, de 15 a 49 anos de idade. Em 1940, de cada mil nascidas vivas 777,8 iniciaram o período reprodutivo e destas, 573,4 completaram este período. Já em 2019, de cada mil nascidas vivas 985,2 atingiram os 15 anos de idade, e destas 946,1 chegaram ao final deste período. Logo, a probabilidade de uma recém-nascida completar o período fértil em 1940, que era de 57,3% passou para 94,6% em 2019.

Expectativa de vida dos idosos aumentou em 8,3 anos de 1940 a 2019

Na fase adulta (15 a 60 anos de idade), em geral, houve declínio dos níveis de mortalidade. Em 1940, de mil pessoas que atingiram os 15 anos, 535 aproximadamente completaram os 60 anos de idade. Já em 2019, destas mesmas mil pessoas, 868 atingiram os 60 anos.

E a expectativa de vida dos idosos subiu 8,3 anos nesse período. Em 1940, um indivíduo ao atingir 65 anos, esperaria viver em média mais 10,6 anos, sendo que, no caso dos homens, seriam 9,3 anos, e das mulheres 11,5 anos. Já em 2019, esses valores passaram a ser de 18,9 anos para ambos os sexos, 17,2 anos para homens (7,9 anos a mais) e 20,4 anos para as mulheres (8,9 anos a mais).

A longevidade dos brasileiros vem aumentando ao longo do tempo. Em 2019, as expectativas de vida ao atingir 80 anos foram de 10,5 para mulheres e de 8,7 anos para os homens, enquanto que, em 1940, estes valores eram de 4,5 anos para as mulheres e 4,0 anos para os homens.

Além disso, em 1940, a população de 65 anos ou mais representava 2,4% do total. Em 2019, o percentual passou para 9,5% – um aumento da ordem de 7,1 pontos percentuais.

Espírito Santo tem a menor taxa de mortalidade infantil e Amapá, a maior

Quanto às unidades da federação, a menor taxa de mortalidade infantil em 2019, assim como em 2018, foi verificada no Espírito Santo: 7,8 óbitos de menores de 1 ano para cada mil nascidos vivos. Por outro lado, a maior foi, mais uma vez, a do Amapá: 22,6 por mil.

Mas mesmo os estados do Espírito Santo, Paraná, Santa Catarina, Rio Grande do Sul, São Paulo e Minas Gerais, além do Distrito Federal, com taxas abaixo de 10 por mil, estão longe das encontradas nos países mais desenvolvidos do mundo. Japão e Finlândia, por exemplo, para o período de 2015-2020, possuem taxas abaixo de 2 por mil. Contudo, estão bem abaixo de países da África Ocidental e Central, cujas taxas de mortalidade infantil estão em torno de 90 por mil. Nossas taxas estão mais próximas da China (9,9 por mil).

Em Rondônia, nem metade das pessoas que completam 60 anos chegam aos 80

No que se refere à esperança de vida ao nascer, Santa Catarina foi o estado com a melhor taxa (79,9 anos), ficando 3,3 anos acima da média nacional (76,6 anos). Logo em seguida, aparecem o Espírito Santo, São Paulo, Distrito Federal, Rio Grande do Sul e Minas Gerais com valores iguais ou acima de 78,0 anos. No outro extremo, as menores taxas de esperança de vida foram observadas no Maranhão (71,4 anos) e no Piauí (71,6 anos).

Em nove estados do país a expectativa de vida ao nascer das mulheres ultrapassa os 80 anos, a maioria nas regiões Sul e Sudeste do país, com exceção do Rio Grande do Norte e Distrito Federal. As maiores diferenças entre as expectativas de vida de homens e mulheres foram observadas em Alagoas (9,5 anos), na Bahia (9,2 anos), no Piauí (8,6 anos) e em Sergipe (8,5 anos). Considerando os extremos dos valores das expectativas entre homens e mulheres, uma recém-nascida em Santa Catarina esperaria viver em média 15,9 anos a mais que um recém-nascido no Piauí.

A mortalidade masculina supera a feminina. Contudo, a expectativa de vida dos homens em Santa Catarina (76,7 anos) é superior à das mulheres dos estados de Roraima (75,1 anos), Maranhão (75,3 anos), Rondônia (75,5 anos), Piauí (76,0 anos) e Amazonas (76,3 anos). Já as maiores probabilidades de sobrevivência entre os 60 e 80 anos de idade foram encontradas no Espírito Santo: 581 por mil para homens e 723 por mil para mulheres. E as mais baixas, nos estados do Piauí para os homens (427 por mil) e de Rondônia (557 por mil) para as mulheres. Para ambos os sexos, a menor taxa é a de Rondônia, onde nem metade dos indivíduos que atingem os 60 anos chega a completar 80 anos.

Unidades da Federação - Probabilidade de um indivíduo de 60 anos atingir
os 80 anos (20p60), por sexo e diferencial entre mulheres e homens - 2019
Unidades da Federação Probabilidade de um indivíduo de 60 anos atingir os 80 anos (20 p 60 ) (por mil) 20 pM 60 - 20 pH 60 (por mil)
1980 2019
Total Homens Mulheres Total Homens Mulheres 1980 2019
Brasil 344 291 398 604 532 668 107 136
Rondônia 160 144 182 496 442 557 38 115
Acre 308 301 314 581 505 654 13 149
Amazonas 310 281 342 530 464 597 61 133
Roraima 219 242 191 527 498 558 -51 60
Pará 375 320 431 531 462 602 112 141
Amapá 345 323 367 570 520 621 44 100
Tocantins - - - 576 524 632 - 108
Maranhão 223 168 294 515 440 586 126 146
Piauí 231 191 276 514 427 591 85 165
Ceará 394 346 445 584 516 642 99 126
Rio Grande do Norte 363 324 407 619 535 691 83 155
Paraíba 351 319 384 578 510 634 66 124
Pernambuco 300 264 336 572 495 633 72 138
Alagoas 318 282 356 544 458 619 74 161
Sergipe 351 334 367 548 464 622 33 158
Bahia 304 267 342 580 491 660 75 168
Minas Gerais 357 308 407 627 571 678 99 107
Espírito Santo 338 292 390 655 581 723 97 143
Rio de Janeiro 353 277 422 598 521 660 145 140
São Paulo 375 310 439 632 562 692 129 129
Paraná 339 301 386 619 548 685 85 136
Santa Catarina 354 305 407 651 574 723 103 149
Rio Grande do Sul 381 306 453 625 546 695 147 149
Mato Grosso do Sul 362 349 379 599 519 674 30 155
Mato Grosso 268 247 297 566 510 628 50 118
Goiás 310 286 338 563 506 618 51 113
D. Federal 402 323 472 651 568 716 148 147
Fonte: IBGE, Projeção da população do Brasil e Unidades da Federação por sexo e idade para o período 2010-2060. Revisão 2019. 1980 e 1991 - ALBUQUERQUE, Fernando Roberto P. de C. e SENNA, Janaína R. Xavier “Tábuas de Mortalidade por Sexo e Grupos de Idade - Grandes e Unidades da Federação – 1980, 1991 e 2000. Textos para discussão, Diretoria de Pesquisas, IBGE, Rio de Janeiro, 2005.161p. ISSN 1518-675X ; n. 20