Em junho, IBGE prevê alta de 2,5% na safra de 2020

08/07/2020 09h00 | Última Atualização: 09/07/2020 19h48

Em junho, a produção de cereais, leguminosas e oleaginosas para 2020 foi estimada em 247,4 milhões de toneladas e se manteve em patamar recorde, 2,5% acima da safra de 2019 (mais 6 milhões de toneladas) e 0,6% superior à estimativa de maio (mais 1,5 milhão de toneladas).

Estimativa de junho para 2020 247,4 milhões de toneladas
Variação safra 2020 / safra 2019 2,5% (6 milhões de toneladas)
Variação safra 2020 / 5ª estimativa 2020 0,6% (1,5 milhão de toneladas)

Já a área a ser colhida é de 64,6 milhões de hectares, 2,2% acima de 2019 (mais 1,4 milhão de ha) e estável (0,0%) em relação à a estimativa anterior (mais 29,6 mil ha).

O arroz, o milho e a soja são os três principais produtos deste grupo e, somados, representaram 92,3% da estimativa da produção e responderam por 87,2% da área a ser colhida. Em relação a 2019, houve acréscimos de 1,7% na área do milho (aumentos de 4,7% no milho de primeira safra e de 0,6% no milho de segunda safra), de 2,9% na área da soja e quedas de 2,0% na área do arroz e de 0,1% na do algodão herbáceo.


Em relação ao ano passado, a estimativa é de acréscimos de 5,6% para a soja (119,9 milhões de toneladas), de 5,3% para o arroz (10,8 milhões de toneladas) e de 0,4% para o algodão herbáceo (6,9 milhões de toneladas). É esperado decréscimo de 3,0% para o milho (crescimento de 2,8% no milho de primeira safra e decréscimo de 5,1% no milho de segunda safra), com produção de 97,5 milhões de toneladas (26,7 milhões de toneladas de milho na primeira safra e 70,8 milhões de toneladas de milho na segunda safra).

A distribuição da produção de cereais, leguminosas e oleaginosas foi a seguinte: Centro-Oeste (115,8 milhões de toneladas), Sul (73,6 milhões de toneladas), Sudeste (25,6 milhões de toneladas), Nordeste (21,9 milhões de toneladas) e Norte (10,5 milhões de toneladas). Isso representa aumento em quase todas as regiões: Nordeste (14,3%), Sudeste (7,8%), Norte (7,0%) e Centro-Oeste (3,8%). O Sul declinou 4,7%.

Na distribuição da produção pelas Unidades da Federação, o Mato Grosso lidera como maior produtor nacional de grãos, com uma participação de 28,4%, seguido pelo Paraná (16,4%), Rio Grande do Sul (10,7%), Goiás (10,1%), Mato Grosso do Sul (7,9%) e Minas Gerais (6,1%), que, somados, representaram 79,6% do total nacional. Com relação à participação das regiões brasileiras, tem-se a seguinte distribuição: Centro-Oeste (46,8%), Sul (29,8%), Sudeste (10,3%), Nordeste (8,9%) e Norte (4,2%).

Destaques na estimativa de junho de 2020 em relação a maio

Em junho, destacaram-se as variações nas seguintes estimativas de produção em relação a maio: café arábica (4,8%), da cana-de-açúcar (1,8%), da mandioca (1,4%), do trigo (1,2%), do sorgo (1,2%), da aveia (1,0%), do milho 2ª safra (0,9%), do milho 1ª safra (0,6%), da soja (0,5%). Houve redução na produção da batata 3ª safra (26,2%), do feijão 1ª safra (3,0%), da cevada (2,4%), do café canephora (1,9%), da batata 2ª safra (1,6%), do feijão 2ª safra (1,0%) e da batata 1ª safra (0,5%).

Em números absolutos, os destaques foram para as variações da cana-de-açúcar (11,9 milhões de toneladas), do milho 2ª safra (647,7 mil toneladas), da soja (547,3 mil toneladas), da mandioca (266,6 mil toneladas), do milho 1ª safra (160,8 mil toneladas), café arábica (121,7 mil toneladas), do trigo (82,7 mil toneladas), do sorgo (31,7 mil toneladas), da aveia (10,5 mil toneladas), da batata 3ª safra (-239,3 mil toneladas), do feijão 1ª safra(-42,3 mil toneladas), da cevada (-10,5 toneladas), do café canephora (-16,6 toneladas), da batata 2ª safra (-17,6 mil toneladas), do feijão 2ª safra (-11,0 mil toneladas) e da batata 1ª safra (-8,8 mil toneladas).

BATATA-INGLESA - A produção deve alcançar 3,4 milhões de toneladas, declínio de 7,2% em relação a maio. Destaque positivo para Goiás, que reavaliou a estimativa de produção da batata-inglesa total com um aumento de 11,9% em relação ao mês anterior. São Paulo foi o destaque negativo, pois reduziu em 31,3% a estimativa de produção. Em relação à 2019, a estimativa da produção total da batata-inglesa também apresentou declínio de 11,2%. Contribuem para esse resultado os estados de São Paulo (-31,1%), do Rio Grande do Sul (-19,9%) e de Goiás (-21,3%).

A 1ª safra, com uma produção de 1,6 milhão de toneladas, apresentou declínio de 0,5% em relação ao mês anterior. O resultado foi influenciado pela redução de 3,9% na produção de São Paulo, que verificou uma redução de 2,8% na área plantada. Em relação ao ano anterior, a redução é de 3,6% e, os destaques negativos, para essa safra, foram os dos estados de Santa Catarina (-11,9%) e Rio Grande do Sul (-19,8%). Minas Gerais (1,8%) e Paraná (4,0%) informaram crescimento na produção.

A produção estimada para a 2ª safra foi de 1,1 milhão de toneladas, declínio de 1,6% em relação ao mês anterior. Os estados do Paraná (-1,7%) e São Paulo (-4,8%) foram os destaques negativos que contribuíram para esse resultado. Comparada ao ano anterior, essa estimativa é 7,0% inferior, em decorrência da redução de 4,4% na estimativa do rendimento médio, sendo Minas Gerais (-11,3%), Paraná (-5,4%) e Rio Grande do Sul (-20,5%), os estados que mais influenciaram nesse resultado.

Com relação à 3ª safra, a estimativa da produção encontra-se em 674,7 mil toneladas, declínios de 26,2% em relação ao mês anterior, e de 29,7% relação a 2019. São Paulo foi o destaque negativo nesse levantamento, pois teve reduções de 64,4% em sua estimativa de produção em relação a maio, e de 66,0% em relação à 2019. Goiás aumentou sua estimativas em 11,9% frente ao mês anterior, mas na comparação anual a redução é de 21,3%.

CAFÉ (em grão) – A estimativa da produção brasileira de café foi de 3,5 milhões de toneladas, ou 59,0 milhões de sacas de 60 kg, crescimento de 3,1% em relação ao mês anterior. Em relação ao ano anterior, a estimativa da produção foi 18,2% maior.

Para o café arábica, a produção estimada foi de 2 671,8 mil toneladas, ou 44,5 milhões de sacas de 60 kg, crescimento de 4,8% em relação ao mês anterior e 28,9% frente ao ano anterior (devido à bienalidade positiva da safra). Em Minas Gerais, principal produtor brasileiro, devendo responder por 72,3% da produção em 2020, a estimativa da produção de 1 931,2 mil de toneladas, ou 32,2 milhões de sacas de 60 kg, apresenta crescimento de 30,2%, devendo o rendimento médio aumentar em 21,2% em relação ao ano anterior.

Para o café canephora, mais conhecido como conillon, a estimativa da produção, de 869,0 mil toneladas, ou 14,5 milhões de sacas de 60 kg, apresenta declínios de 1,9% em relação a maio e de 5,8% em relação ao ano anterior. A produção capixaba, que representa 65,8% do total nacional, encontra-se 4,2% menor em decorrência do declínio de 4,3% no rendimento médio. Em relação ao ano anterior, houve declínio de 10,3%. A Bahia revisou a produção (aumento de 7,9%) e Rondônia manteve a estimativa de maio.

CANA-DE-AÇÚCAR - A produção brasileira deve alcançar 685,4 milhões de toneladas, crescimento de 1,8% em relação ao mês anterior. São Paulo, com 353,9 milhões de toneladas, é responsável por 51,6% da produção nacional. Reavaliações positivas de 0,9% na área a ser colhida e de 2,6% na produtividade proporcionaram um aumento de 3,5% na produção. No Paraná, a estimativa da produção caiu 0,9% devido a redução na produtividade. Em termos de importância, o açúcar deve continuar como segundo subproduto da cana nessa safra, mas segue elevando sua participação quando comparado com a safra de 2019.

CEREAIS DE INVERNO (em grão) – Os principais cereais de inverno produzidos no Brasil são o trigo, a aveia branca e a cevada. A estimativa da produção do trigo encontra-se em 7,0 milhões de toneladas, crescimento de 1,2% em relação ao mês anterior. Em relação ao ano anterior, a estimativa encontra-se 33,0 % maior.

A Região Sul deve responder, em 2020, por 90,2% da produção tritícola nacional. No Paraná, maior produtor desse cereal, com participação de 52,8% no total nacional, a produção foi estimada em 3 672,1 mil de toneladas, crescimentos de 3,8% em relação ao mês anterior e de 72,2% em relação a produção de 2019. O rendimento médio e a área plantada apresentam aumentos de 56,0% e 10,4%, neste comparativo, respectivamente. O Rio Grande do Sul, segundo maior produtor, com participação de 35,2% no total nacional, deve produzir 2,5 milhões de toneladas, crescimento de 7,2% em relação ao ano anterior e, Santa Catarina, 155,1 mil toneladas, crescimento de 5,5%.

A estimativa da produção da aveia foi de 1,0 milhão de toneladas, crescimento de 1,0% em relação ao mês anterior. Os maiores produtores do cereal são Rio Grande do Sul, com 699,3 mil toneladas, e Paraná, com 217,1 mil toneladas. Em relação ao ano anterior, a produção brasileira da aveia deve crescer 12,4%.

Para a cevada, a produção estimada encontra-se em 423,1 mil toneladas, declínio de 2,4% em relação ao mês anterior. Os maiores produtores do cereal são Paraná, com 288,8 mil toneladas, e Rio Grande do Sul, com 119,3 mil toneladas. Em relação ao ano anterior, a produção brasileira da cevada deve apresentar crescimento de 5,7%.

FEIJÃO (em grão) – A estimativa da produção nacional total foi de 3,0 milhões de toneladas, redução de 1,6% em relação ao mês anterior. Neste levantamento, os maiores produtores, somadas as três safras, são Paraná com 19,9%, Minas Gerais com 17,2% e Goiás com 11,1% de participação na produção nacional. Com relação à variação anual, a estimativa para a área plantada foi reduzida em 3,9%, com a estimativa da safra caindo 2,9%. Houve aumento de 0,6% na estimativa do rendimento médio.

A 1ª safra de feijão participa com 46,5% da produção total do grão e foi estimada em 1,4 milhão de toneladas, declínio de 3,0% frente à estimativa de maio. O destaque positivo coube a Pernambuco, que teve a estimativa da produção aumentada em 4,1%, resultado do crescimento de 4,5% na área colhida (4,5%). Os destaques negativos couberam a São Paulo, com uma redução de 21,1% na produção, Goiás (-6,7%) e Ceará (-4,1%). Em relação ao ano anterior, houve crescimentos de 6,9% na produção; de 5,6% no rendimento médio e declínio de 1,7% na área plantada.

A 2ª safra de feijão foi estimada em 1,1 milhão de toneladas, redução de 1,0% frente à estimativa de maio, refletindo o rendimento médio, que ficou 0,7% menor. Devido a uma forte estiagem, o Paraná informou declínio de 2,8% em sua estimativa de produção, assim como Goiás (6,7%). Quanto à variação anual, a estimativa de produção indica diminuição de 7,9%. A 2ª safra representa 36,4% do total de feijão produzido no país. As maiores estimativas de produção, para esta safra foram do Paraná (24,5%), Bahia (17,1%) e Minas Gerais (16,3%).

Com relação à 3ª safra de feijão, a estimativa de produção foi de 503,5 mil toneladas, aumento de 1,1% frente a maio. A área a ser plantada também teve sua estimativa aumentada em 1,2%. Destaque para São Paulo que prevê aumento de 10,2% para a produção e de 15,7% para a área a ser plantada. Em relação ao ano anterior, a estimativa da produção sofreu uma redução de 14,4%, com a área a ser plantada declinando 14,5%.

MANDIOCA (raiz) - A estimativa da produção foi de 19,0 milhões de toneladas, crescimento de 1,4% em relação ao mês anterior. Em junho, houve aumento das estimativas de produção de São Paulo (15,6%), do Acre (0,8%), do Ceará (4,9%), do Rio Grande do Norte (1,8%), de Pernambuco (0,2%), do Paraná (0,5%), e declínio de Goiás (-1,1%). Em relação ao ano anterior, a produção estimada encontra-se 0,1% menor.

MILHO (em grão) – A estimativa da produção cresceu 0,8%, totalizando 97,5 milhões de toneladas, e na comparação anual, recuou 3,0%, com queda de 4,7% no rendimento médio, embora haja aumentos de 1,2% na área a ser plantada e de 1,7% na área a ser colhida. A primeira safra deve participar com 27,4% da produção brasileira de 2020 e, a segunda, com 72,6%.

Na 1ª safra de milho, a produção alcançou 26,7 milhões de toneladas, crescimento de 0,6% em relação à informação do mês anterior. Houve aumento na produção do Acre (1,1%), Pernambuco (4,0%), Bahia (3,2%), Minas Gerais (0,3%), São Paulo (3,0%) e Goiás (2,6%). Em relação a 2019, a produção foi 2,8% maior, havendo incrementos de 2,8% na área plantada e declínio de 1,8% no rendimento médio. Houve declínio de 26,8% na produção gaúcha, devido a uma forte estiagem, que fez com que o Rio Grande do Sul deixasse de figurar como o maior produtor de milho dessa safra, após ser ultrapassado por Minas Gerais.

Para a 2ª safra, a estimativa da produção foi de 70,8 milhões de toneladas, crescimento de 0,9% em relação ao mês anterior. Os aumentos mais significativas das estimativas da produção foram informadas por Sergipe (17,0% ou 108,6 mil toneladas), Minas Gerais (2,2% ou 60,4 mil toneladas), São Paulo (20,8%) ou 464,7 mil toneladas) e Paraná (0,9% ou 101,8 mil toneladas). Na comparação com o ano anterior, a produção do milho 2ª safra apresenta declínio de 5,1%, com o rendimento médio decrescendo 5,7%. A produção brasileira de milho 2ª safra, em 2019, foi recorde da série histórica do IBGE, portanto, constituindo-se em uma base de comparação elevada. Houve declínios relevantes na produção do Paraná (15,3%), Goiás (10,3%), Mato Grosso do Sul (9,5%) e Minas Gerais (7,7%), tendo crescido 0,8% no Mato Grosso.

SOJA (em grão) – A produção de soja de 2020 é mais um recorde histórico do IBGE, tendo totalizado 119,9 milhões de toneladas, o que representa um aumento de 5,6% em relação à safra anterior. Na atualização mensal, registrou-se um crescimento de 0,5% no volume colhido, impactado, principalmente, pelos dados levantados por São Paulo, onde houve aumento de 10,6% ou 388,6 mil toneladas, e Bahia, com um aumento de 3,8% ou 220,5 mil toneladas. As produções desses estados foram de 4,0 e 6,0 milhões de toneladas, respectivamente.

A produção gaúcha, estimada em 11,2 milhões de toneladas, declinou 39,3%, ou 7,3 milhões de toneladas em relação a 2019. O estado sofreu uma forte seca entre dezembro de 2019 e maio do corrente ano, prejudicando grande parte das áreas produtoras de soja. A escassez de chuvas influenciou diretamente o rendimento médio do grão, que deve ficar próximo de 1.883 kg/ha, uma queda de 40,7% na comparação com a média estadual de 2019.

SORGO (em grão) - A estimativa da produção alcançou 2,8 milhões de toneladas, crescimento de 1,2% em relação ao mês anterior, resultado do crescimento de 2,0% na estimativa da produtividade das lavouras. Os estados da Bahia e São Paulo apresentaram aumentos significativos de 21,1% e 57,6%, respectivamente, em suas estimativas de produção, enquanto que Goiás reduziu a mesma em 3,6%. Em relação ao ano anterior, a produção apresenta crescimento de 6,5%, com destaque para o rendimento médio, que deve crescer 5,6%.