IBGE divulga Monitoramento da Cobertura e Uso da Terra do Brasil para 2018

Editoria: Geociências

26/03/2020 10h00 | Última Atualização: 26/03/2020 11h40

O IBGE divulga hoje o Monitoramento da Cobertura e Uso da Terra do Brasil para 2018, ampliando a série histórica que já abrange os anos 2000, 2010, 2012, 2014 e 2016. A análise da série histórica permite observar a evolução e os padrões de ocupação do território brasileiro. O objetivo do trabalho é acompanhar a dinâmica do território, seus processos de ocupação e suas transformações, através de um monitoramento espacial e quantitativo da cobertura vegetal e do uso da terra em todo o país. Desde 2010, este estudo vem sendo feito pelo IBGE a cada dois anos.

Os dados estão disponíveis para download na Plataforma Geográfica Interativa (PGI) e no Portal IBGE e ainda podem ser consultados no Mapas Interativos e no Banco de Dados de Informações Ambientais (BDiA), onde é possível a combinação com outros temas ambientais produzidos pelo IBGE.

Entre 2016 e 2018, cerca de 1% do território brasileiro sofreu alguma mudança na cobertura e uso da terra. De forma geral, prossegue a substituição das áreas de vegetação natural por áreas antrópicas; ou seja, há um avanço da ação do homem sobre novas áreas. Além disso, observa-se uma priorização da agricultura em detrimento da pastagem com manejo.

Em 2018, as áreas agrícolas apresentaram crescimento de 3,3% em relação a 2016. Certas regiões apresentaram destaque no crescimento da área agrícola como a porção nordeste do Mato Grosso; a região de Santarém (PA), Paragominas (PA) e Imperatriz (MA); o eixo entre os municípios de Campo Grande e Cassilândia (MS); e a região da campanha gaúcha (RS).

Entre 2000 e 2018, houve uma expansão de cerca de 27% nas áreas destinadas às pastagens com manejo, principalmente na borda leste do bioma Amazônia, de 45% da área agrícola e 70% da área de silvicultura.

Entre 2000 e 2012, cerca de 20% das novas áreas agrícolas vieram da conversão de pastagens com manejo, 53% de vegetação nativa (florestal e campestre) e o restante de outras classes de cobertura e uso da terra. A partir de 2012, observa-se uma alteração na dinâmica, com 53% das novas áreas agrícolas sendo provenientes da conversão de pastagem com manejo, 26% de vegetação nativa (florestal e campestre) e o restante de outras classes de cobertura e uso da terra.

Interpretação visual de imagens de satélite e campanhas de campo

O Monitoramento da Cobertura e Uso da Terra tem como objetivo espacializar e quantificar a cobertura e uso da terra do Brasil, em períodos regulares, a partir do mapeamento sistemático. A metodologia envolve interpretação visual de imagens de satélite, campanhas de campo e consulta a informações complementares. Os dados são divulgados em Grade Estatística, que cobre o território brasileiro com células de 1km². Como produtos, são disponibilizados os mapas, gráficos e tabelas de Contas Físicas e Matriz de Mudanças ocorridas nos períodos analisados.

CLASSES Área Artificial Área Agrícola Pastagem com
 Manejo
Mosaico de Ocupações em Área Florestal Silvicultura Vegetação Florestal Área Úmida Vegetação Campestre Mosaico de Ocupações em Área Campestre Corpo d'água Continental Corpo d'água Costeiro Área Descoberta
ESTOQUES (km2)
Estoque (2000) 34.567 458.975 885.186 847.721 50.543 4.017.505 34.297 1.834.153 234.729 128.749 222.461 3.680
Total de adições ao estoque 1.650 99.400 237.614 81.785 21.535 1.617 104 1.219 18.632 0 0 19
Total de redução do estoque 0 2.143 23.769 98.645 2.234 216.404 115 109.588 10.673 0 0 4
Estoque (2010) 36.217 556.232 1.099.031 830.861 69.844 3.802.718 34.286 1.725.784 242.688 128.749 222.461 3.695
Total de adições ao estoque 513 28.329 36.210 24.164 8.310 722 62 723 10.285 0 0 8
Total de redução do estoque 0 793 9.135 24.367 2.083 36.610 140 32.570 3.621 0 0 7
Estoque (2012) 36.730 583.768 1.126.106 830.658 76.071 3.766.830 34.208 1.693.937 249.352 128.749 222.461 3.696
Total de adições ao estoque 731 42.328 22.634 15.303 6.566 1.950 206 1.447 6.092 0 0 4
Total de redução do estoque 0 1.464 24.916 17.943 501 24.316 232 24.519 3.369 0 0 1
Estoque (2014) 37.461 624.632 1.123.824 828.018 82.136 3.744.464 34.182 1.670.865 252.075 128.749 222.461 3.699
Total de adições ao estoque 312 19.764 9.016 25.164 1.775 1.022 202 849 4.694 0 0 45
Total de redução do estoque 0 627 13.947 9.255 265 25.685 102 10.656 2.306 0 0 0
Estoque (2016) 37.773 643.769 1.118.893 843.927 83.646 3.719.801 34.282 1.661.058 254.463 128.749 222.461 3.744
Total de adições ao estoque 550 24.239 25.994 16.797 3.065 10.959 0 1.933 3.689 153 0 5
Total de redução do estoque 29 3.224 19.693 27.558 760 18.702 5 13.414 3.999 0 0 0
Estoque (2018) 38.294 664.784 1.125.194 833.166 85.951 3.712.058 34.277 1.649.577 254.153 128.902 222.461 3.749

Além dos dados cartográficos e dos textos explicativos, o monitoramento produz as Contas Físicas de Cobertura e Uso da Terra e a Matriz de Mudanças, que traduzem os resultados em valores numéricos agregados. A tabela das Contas Físicas mostra, em km², os estoques iniciais, reduções, adições e os estoques finais para cada uma das classes de cobertura e uso da terra em cada período analisado. Já a Matriz de Mudanças apresenta, também em km², todas as conversões entre os diferentes tipos de cobertura e uso da terra, permitindo a realização de diversas análises.