Simpósio SIRGAS 2019 reúne comunidade científica e tecnológica da Geodésia e Ciências da Terra

Editoria: Geociências

08/11/2019 10h00 | Última Atualização: 08/11/2019 10h43

De 11 a 14 de novembro, o IBGE e a Universidade do Estado do Rio de Janeiro (Uerj) realizam o Simpósio SIRGAS 2019 (Sistema de Referência Geocêntrico para as Américas). O evento ocorrerá em paralelo com a reunião GGOS-Days 2019 (Global Geodetic Observing System), no auditório da unidade do IBGE localizada na rua General Canabarro, 166, Maracanã, no Rio de Janeiro. Clique aqui para acessar a página do evento.

O Simpósio contará com a participação da comunidade científica e tecnológica internacional relacionada com Geodésia e Ciências da Terra.  Estão confirmadas a participação de profissionais de 14 países da comunidade SIRGAS nas Américas e Caribe, além de representantes da Alemanha, Estados Unidos, Áustria e Itália que participam do GGOS.

No dia 12 de novembro, está prevista uma sessão conjunta entre a comunidade SIRGAS e especialistas representantes do GGOS. Neste dia, cientistas internacionais abordarão as diversas técnicas existentes hoje em dia no monitoramento do nosso planeta. Os representantes do GGOS apresentarão trabalhos de cooperação internacional dos Observatórios Geodésicos Fundamentais, os quais possuem técnicas espaciais de observação e medição da Terra, tais como:  Satellite Laser Range - SLR, Very Long-Baseline Interferometry – VLBI, Doppler Orbitography and Radiopositioning Integrated by Satellite - DORIS e Global Navigation Satellite Systems – GNSS.

O projeto SIRGAS teve início na Conferência Internacional para a Definição de um Sistema de Referência Geocêntrico para a América do Sul, celebrada em Assunção, no Paraguai, em 1993. O objetivo do SIRGAS é a adoção dos referenciais globais compatíveis com a tecnologia GNSS, visando a integração de todas informações georreferenciadas produzidas pelos países das Américas. Esta integração é de vital importância para o desenvolvimento de obras de infraestrutura, tais como: rodovias, saneamento, energia e ordenamento territorial.

Com mais de 25 anos de existência, o referencial SIRGAS já foi adotado em 14 países do continente americano. As atividades técnicas e científicas são desenvolvidas por um grupo de instituições responsáveis pela produção da geoinformação oficial de cada país, bem como instituições acadêmicas. Uma das atividades é o monitoramento do referencial, através do processamento semanal das coordenadas de uma rede de estações GNSS de operação contínua (24h/7d). O SIRGAS também está trabalhando na definição e realização de um referencial altimétrico - marcação de nível ou altitude de um terreno ou do relevo de uma dada região - único para o continente, compatibilizando assim as altitudes de todos os países.

O grupo de cientistas da Associação Internacional de Geodésia se dedica ao estudo dos problemas geodésicos relacionados à observação da Terra e às mudanças globais. Isso inclui o estabelecimento de sistemas de referência, monitoramento do campo de gravidade e rotação da Terra, bem como da deformação da superfície da Terra, incluindo oceano e gelo, e o posicionamento geodésico para uso interdisciplinar.