Grupo Transportes passa a ser o principal componente do IPCA a partir de 2020

11/10/2019 10h00 | Última Atualização: 14/10/2019 09h11

O grupo Transportes vai se tornar, a partir de janeiro de 2020, o principal componente do Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), respondendo por 20,8% do indicador. É a primeira vez que este grupamento supera Alimentação e bebidas, que agora participa com aproximadamente 19% da taxa.

Com 377 produtos e serviços, a nova estrutura de ponderação do IPCA, baseada nos resultados da Pesquisa de Orçamentos Familiares (POF) 2017-2018, vai ser incorporada a partir dos resultados de janeiro de 2020, previstos para serem divulgados no início de fevereiro pelo IBGE. São seis subitens a menos que na estrutura atual, baseada na POF 2008-2009 e em vigor desde janeiro de 2012.

Transporte por aplicativo, Integração transporte público, Serviços de streaming e Combo de telefonia, internet e TV por assinatura são alguns dos 56 novos subitens que compõem a cesta. Aparelho de DVD, Assinatura de jornal e Máquina fotográfica, entre outros, deixam de ser pesquisados.

Entre as 16 áreas que compõem o índice, a Região Metropolitana do Rio de Janeiro foi a que mais perdeu participação na nova estrutura, passando de 12,06% para 9,41%. São Paulo (de 30,67% para 32,32%) e Brasília (de 2,80% para 4,09%) foram as que mais ganharam participação.

Transportes tornam-se o principal componente do IPCA, mas perdem participação

Mesmo se tornando o principal componente do IPCA, o grupo Transportes perde participação em relação à atual estrutura de ponderação do índice, passando de aproximadamente 22,0% para 20,8%. Houve redução no peso do item Transporte público, que passa de 4,50% para 3,16%. Adicionalmente, foram incorporados os subitens Integração transporte público (0,07%) e Transporte por aplicativo (0,21%).

IPCA POF 08/09 POF 17/18
Alimentação e bebidas 22,0828 18,9880
Habitação 14,2752 15,1593
Artigos de residência 5,4323 4,0215
Vestuário 6,2289 4,8010
Transportes 21,9527 20,8377
Saúde e cuidados pessoais 11,0797 13,4575
Despesas pessoais 9,1933 10,5972
Educação 4,1811 5,9519
Comunicação 5,5740 6,1859

Por outro lado, o peso de veículo próprio (11,66%), mostra o comprometimento dos orçamentos das famílias com despesas associadas à aquisição e/ou manutenção de veículos, como emplacamento e licença, seguro, multa, estacionamento, manutenção e conserto, peças e acessórios etc.

São Paulo aumenta sua participação na composição do IPCA

Além de se manter como a área de maior peso dentre as 16 que compõem o índice, São Paulo ganhou participação na nova estrutura do IPCA, passando de 30,67% para 32,32%. Rio de Janeiro (de 12,06% para 9,41%) e Belo Horizonte (de 10,86% para 9,84%) perderam peso. Rio Branco, mesmo com ganho de participação de 0,09 ponto percentual, se mantém com o menor peso.

  IPCA POF 08/09 POF 17/18
AC Rio Branco 0,42 0,51
BA Salvador 6,12 5,99
CE Fortaleza 2,91 3,22
DF Brasília 2,80 4,09
ES Vitória 1,78 1,86
GO Goiânia 3,59 4,16
MA São Luís 1,87 1,62
MG Belo Horizonte 10,86 9,74
MS Campo Grande 1,51 1,58
PA Belém 4,23 3,91
PE Recife 4,20 3,93
PR Curitiba 7,79 8,05
RJ Rio de Janeiro 12,06 9,41
RS Porto Alegre 8,40 8,59
SE Aracaju 0,79 1,02
SP São Paulo 30,67 32,32

Novas tendências de consumo modificam a cesta de produtos do IPCA

Produtos e serviços de alta tecnologia, consumo prático, vida saudável e estética, além dos gastos com “pets” são algumas das tendências de consumo que contribuíram para alterar a cesta de produtos das famílias. No IPCA, 56 novos produtos e serviços passam a integrar o índice. Outros, como Aparelho de DVD, Assinatura de jornal, Fotocópia, Máquina fotográfica, Revelação e cópia, deixam de ser pesquisados ou foram agregados a outros subitens.

Serviços de streaming (0,08%), Transporte por aplicativo (0,21%), Combo de telefonia, internet e TV por assinatura (1,81%) e conserto de aparelho celular (0,07%) são alguns dos produtos e serviços tecnológicos que passam a ser pesquisados.

No caso do consumo prático, destacam-se alimentos como Macarrão instantâneo (0,03%) e Polpa de fruta congelada (0,01%).

Já Conserto de bicicleta (0,18%), Sobrancelha (0,11%), Atividade física (0,40%) Cabeleireiro e barbeiro (1,09%) e Depilação (0,06%) são exemplos de serviços relacionados à vida saudável e estética.

Também se destacam novos subitens que foram agregados em função do aumento de sua importância, como Tratamento de animais (clínica) (0,30%) e Serviço de higiene para animais (0,13%).

O IPCA é o índice oficial de inflação no Brasil. Abrange 16 áreas e reflete a cesta de consumo das famílias com rendimento mensal de 1 a 40 salários mínimos, qualquer que seja a fonte dos rendimentos.

INPC tem 61 novos produtos e/ou serviços

Já o Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC) passa a contar com 61 novos subitens, como ar condicionado e vinho consumido no domicílio. Ao todo são 368 produtos e/ou serviços pesquisados, quatro a menos que na cesta atual.

Embora tenha havido alterações nos pesos dos grupos, Alimentação e bebidas se mantém como o principal grupamento na composição do índice, passando de aproximadamente 27,3% para 21,5%. Diferentemente do IPCA, transportes teve ganho de participação de cerca de 1,8 ponto percentual, chegando a 20%.

INPC POF 08/09 POF 17/18
Alimentação e bebidas 27,2552 21,5054
Habitação 16,4278 17,0485
Artigos de residência 6,5578 4,9023
Vestuário 7,5839 5,6997
Transportes 18,2122 20,0252
Saúde e cuidados pessoais 9,7919 11,8534
Despesas pessoais 6,4706 7,9741
Educação 2,6884 4,3735
Comunicação 5,0122 6,6179

Já a composição dos pesos regionais, definida a partir do critério de população residente urbana, se manteve semelhante à atual. São Paulo permaneceu como a área de maior peso (24,60%) e Rio Branco, embora tenha aumentado sua participação, segue como a área de menor peso no índice (0,72%).

  INPC POF 08/09 POF 17/18
AC Rio Branco 0,59 0,72
BA Salvador 8,75 7,92
CE Fortaleza 5,42 5,16
DF Brasília 1,88 1,97
ES Vitória 1,83 1,91
GO Goiânia 4,15 4,43
MA São Luís 3,11 3,47
MG Belo Horizonte 10,60 10,35
MS Campo Grande 1,64 1,73
PA Belém 6,44 6,95
PE Recife 5,88 5,60
PR Curitiba 7,29 7,37
RJ Rio de Janeiro 9,51 9,38
RS Porto Alegre 7,38 7,15
SE Aracaju 1,29 1,29
SP São Paulo 24,24 24,60

O INPC abrange 16 áreas e engloba famílias cujo rendimento monetário disponível é de 1 a 5 salários mínimos, sendo a pessoa de referência assalariada em sua ocupação principal.