Capacidade de armazenagem agrícola fica em 169,5 milhões de toneladas no 2º semestre de 2018

11/06/2019 09h00 | Atualizado em 11/06/2019 09h00

O total de capacidade útil disponível no Brasil para armazenamento no segundo semestre de 2018, em estabelecimentos ativos na Pesquisa de Estoques, foi de 169,5 milhões de toneladas, resultado 0,3% superior ao semestre anterior. O Mato Grosso possui a maior capacidade de armazenagem, com 39,8 milhões de toneladas. O estoque de produtos agrícolas totalizou 24,2 milhões de toneladas, uma redução de 5,0 milhões de toneladas frente aos 29,2 milhões de toneladas estocadas no segundo semestre de 2017. Entre os produtos agrícolas, o maior volume estocado era de milho (11,1 milhões de toneladas), seguido pelo de soja (5,5 milhões), trigo (4,2 milhões), arroz (2,2milhões) e café (1,3 milhões).

Consulte o material de apoio para mais informações.

Com 81,8 milhões de toneladas, silos predominam na rede armazenadora

Em termos de capacidade útil armazenável, os silos predominavam, alcançando 81,8 milhões de toneladas no segundo semestre de 2018, correspondendo a 48,3% da capacidade útil total. Em relação ao semestre anterior, a capacidade dos silos aumentou 0,9%. Em seguida, os armazéns graneleiros e granelizados, responsáveis por 37,6% da armazenagem nacional, atingiram 63,7 milhões de toneladas de capacidade útil armazenável, apresentando acréscimo de 0,2%. Já os armazéns convencionais, estruturais e infláveis, somaram 24,0 milhões de toneladas, o que representou uma queda de 1,4% em relação ao primeiro semestre de 2018.

Com 7.789 estabelecimentos ativos no segundo semestre de 2018, houve alta de 0,7% no número de estabelecimentos em relação ao semestre anterior. Neste segundo semestre de 2018, o número de estabelecimentos ativos das regiões Norte e Centro-Oeste aumentou 0,9% e 3,4%, respectivamente, enquanto as Regiões Nordeste e Sudeste tiveram quedas de 2,4% e 0,3%.

Estoques de milho e soja têm queda; trigo e arroz crescem

Os estoques de trigo (9,0%), arroz (3,7%) e café (31,9%) cresceram em relação ao segundo semestre de 2017. Por outro lado, milho e soja tiveram quedas de 19,3% e 35,6%, respectivamente.

Os estoques de milho representavam o maio volume (11,1 milhões de toneladas), seguidos pelos estoques de soja (5,5 milhões), trigo (4,2 milhões), arroz (2,2 milhões) e café (1,3 milhões). Estes produtos correspondem a 92,4% da massa de grãos estocada entre os produtos monitorados por esta pesquisa, sendo os 7,6% restantes compostos por algodão, feijão preto, feijão de cor e outros grãos e sementes.

Número de estabelecimentos e capacidade útil instalada, por tipo,
segundo as Unidades da Federação – Brasil - 2º semestre 2018

UF Número de Estabelecimentos Capacidade (t)
Total Convencional (1) Graneleiro Silo
BRASIL 7.789 169.469.182 23.960.569 63.681.754 81.826.859
RO 26 310.234 86.974 134.300 88.960
AC 14 38.124 15.434 - 22.690
AM 10 352.162 25.140 300.000 27.022
RR 6 90.860 12.110 - 78.750
PA 70 1.114.236 172.126 91.810 850.300
AP 10 128.168 66.168 - 62.000
TO 87 2.163.133 363.288 619.640 1.180.205
MA 61 2.143.146 78.853 1.600.250 464.043
PI 110 2.351.656 264.675 807.382 1.279.599
CE 80 1.038.542 636.535 79.400 322.607
RN 14 100.109 100.109 - -
PB 13 240.228 105.698 2.480 132.050
PE 28 409.802 160.472 40 249.290
AL 6 55.004 17.504 3.000 34.500
SE 10 94.128 31.688 16.440 46.000
BA 163 4.025.758 497.812 1.858.304 1.669.642
MG 487 8.560.301 3.607.507 1.617.228 3.335.566
ES 76 1.257.181 687.107 442.050 128.024
RJ 23 342.516 216.570 12.333 113.613
SP 676 11.498.011 3.905.875 2.304.706 5.287.430
PR 1.315 31.275.556 3.866.152 10.110.681 17.298.723
SC 324 5.312.320 588.502 1.013.264 3.710.554
RS 1.925 31.797.275 3.064.261 8.083.783 20.649.231
MS 480 10.074.143 514.619 3.669.384 5.890.140
MT 1.238 39.789.052 3.425.582 22.964.155 13.399.315
GO 515 14.421.915 1.101.646 7.921.344 5.398.925
DF 22 485.622 348.162 29.780 107.68

Fonte: IBGE, Diretoria de Pesquisas, Coordenação de Agropecuária, Pesquisa de Estoques, 2º semestre de 2018.
Nota: (1) A capacidade dos armazéns convencionais, estruturais e infláveis foi convertida na proporção de 0,6t/m³