Em janeiro, setor de serviços recua 1,9%

16/03/2018 09h00 | Última Atualização: 10/04/2018 08h51

Em janeiro de 2018, o setor de serviços recuou -1,9% (série com ajuste sazonal), após altas em novembro (1,0%) e dezembro de 2017(1,5%). Em relação a janeiro do ano passado (série sem ajuste sazonal), o volume de serviços caiu 1,3%. Já a taxa acumulada em 12 meses ficou em -2,7%.

Por atividades, na série com ajuste, os principais recuos ocorreram nos segmentos de Transportes, serviços auxiliares dos transportes e correio (-3,0%) e dos serviços profissionais, administrativos e complementares (-1,4%), enquanto Outros serviços avançaram 3,8%.

Na série sem ajuste sazonal, as quedas mais importantes entre os setores vieram de Serviços de informação e comunicação (-5,0%) e, novamente, dos serviços profissionais, administrativos e complementares (-3,3%).

O material de apoio da Pesquisa Mensal de Serviços (PMS) está à direita desta página.

Período

Volume

Janeiro 2018 / dezembro 2017

-1,9%

Janeiro 2018 / janeiro 2017

-1,3%

Acumulado em 12 meses

-2,7%

Em relação a janeiro de 2017, o setor de serviços caiu -1,3%, puxada por quedas nos segmentos de Serviços de comunicação e informação (-5,0%); Serviços profissionais, administrativos e complementares (-3,3%); e Serviços prestados às famílias (-2,9%). Em contrapartida, houve crescimento nos segmentos de Transportes, serviços auxiliares aos transportes e correio (4,0%) e em Outros serviços (2,5%).

Pesquisa Mensal de Serviços
Indicadores do Volume de Serviços, segundo as atividades de divulgação
Janeiro 2018 - Variação (%)             
Atividades de Divulgação Mês/Mês anterior (1) Mensal (2) Acumulado no ano (3) Últimos 12 meses (4)
NOV DEZ JAN NOV DEZ JAN JAN-NOV JAN-DEZ JAN-JAN Até NOV Até DEZ Até JAN
Volume de Serviços - Brasil 1,0 1,5 -1,9 -0,7 0,6 -1,3 -3,2 -2,8 -1,3 -3,4 -2,8 -2,7
1. Serviços prestados às famílias 0,9 -1,2 -0,6 1,5 -3,5 -2,9 -0,8 -1,1 -2,9 -0,9 -1,1 -1,0
1.1 Serviços de alojamento e alimentação 1,2 -1,1 -1,0 2,0 -2,4 -2,3 0,0 -0,3 -2,3 -0,2 -0,3 0,0
1.2 Outros serviços prestados às famílias -1,2 -3,8 2,6 -1,4 -9,5 -5,7 -5,1 -5,5 -5,7 -4,5 -5,5 -6,3
2. Serviços de informação e comunicação 0,7 -0,5 -0,2 -0,8 2,3 -5,0 -2,4 -2,0 -5,0 -2,8 -2,0 -2,4
2.1 Serviços de tecnologia da informação e comunicação (TIC) -0,1 -0,4 -0,4 -0,7 2,6 -4,8 -1,1 -0,8 -4,8 -1,6 -0,8 -1,3
2.1.1 Telecomunicações 0,1 0,5 -0,8 -2,9 0,4 -6,7 -3,0 -2,8 -6,7 -3,3 -2,8 -3,3
2.1.2 Serviços de tecnologia da informação 0,0 -3,1 3,6 1,4 0,7 0,0 2,1 2,0 0,0 1,1 2,0 1,7
2.2 Serviços audiovisuais 5,6 1,7 -2,9 -0,6 1,5 -6,8 -8,5 -7,6 -6,8 -8,5 -7,6 -7,6
3. Serviços profissionais, administrativos e complementares 0,4 0,6 -1,4 -5,9 -3,5 -3,3 -7,7 -7,3 -3,3 -7,4 -7,3 -7,0
3.1 Serviços tecnico-profissionais -0,1 5,0 -6,7 -9,2 -5,1 -3,0 -13,1 -12,3 -3,0 -12,7 -12,3 -11,8
3.2 Serviços administrativos e complementares 1,5 -0,7 -1,1 -3,8 -2,7 -3,4 -4,6 -4,5 -3,4 -4,5 -4,5 -4,4
4. Transportes, serviços auxiliares aos transportes e correio 0,8 2,6 -3,0 6,6 4,8 4,0 2,0 2,3 4,0 1,2 2,3 2,8
4.1 Transporte terrestre 0,7 -0,2 -1,1 8,6 2,7 3,4 0,8 0,9 3,4 -0,1 0,9 1,5
4.2 Transporte aquaviário -2,9 -4,5 5,2 28,5 22,2 12,0 17,0 17,5 12,0 13,1 17,5 18,7
4.3 Transporte aéreo 3,0 7,9 -4,5 -24,3 -17,5 1,7 -19,6 -19,4 1,7 -17,6 -19,4 -18,0
4.4 Armazenagem, serviços axiliares aos transportes e correio -0,6 1,3 0,0 9,9 11,4 4,1 7,8 8,1 4,1 6,6 8,1 8,2
5. Outros serviços  -0,6 1,1 3,8 -10,0 -5,5 2,5 -9,2 -8,9 2,5 -8,4 -8,9 -8,3
Fonte: IBGE, Diretoria de Pesquisas, Coordenação de Serviços e Comércio           
(1) Base: mês imediatamente anterior - com ajuste sazonal (3) Base: igual período do ano anterior                            
(2) Base: igual mês do ano anterior  (4) Base: 12 meses anteriores   

Serviços recuam em 18 dos 27 estados pesquisados, frente a dezembro de 2017

No cenário regional, na comparação com dezembro de 2017, as variações negativas que mais contribuíram para a formação do índice nacional ficaram com São Paulo (-1,4%), Rio de Janeiro (-2,7), Santa Catarina (-7,6%), Rio Grande do Sul (-2,4%) e Distrito Federal (-2,1%). Em contrapartida, as principais influências positivas vieram do Ceará (19,4%) e da Bahia (4,3%).

Na comparação com janeiro de 2017, sem ajuste sazonal, Rio de Janeiro (-3,9%), Distrito Federal (-6,1%), Minas Gerais (-2,4%), Pernambuco (-5,7%) e Ceará (-6,0%) apresentaram as quedas mais intensas. São Paulo (0,6%), por outro lado, apresentou a expansão mais relevante (0,6%).

Pesquisa Mensal de Serviços
Indicadores do Volume de Serviços, segundo as unidades da federação
Janeiro 2018 - Variação (%)             
Brasil e Unidades da Federação Mês/Mês anterior (1) Mensal (2) Acumulado no ano (3) Últimos 12 meses (4)
NOV DEZ JAN NOV DEZ JAN JAN-NOV JAN-DEZ JAN-JAN Até NOV Até DEZ Até JAN
Volume de Serviços - Brasil 1,0 1,5 -1,9 -0,7 0,6 -1,3 -3,2 -2,8 -1,3 -3,4 -2,8 -2,7
Rondônia 5,7 0,7 -4,8 2,6 2,9 -2,5 -12,2 -11,1 -2,5 -12,9 -11,1 -9,4
Acre 9,7 0,0 -7,2 -0,6 2,0 -7,4 -5,0 -4,4 -7,4 -5,1 -4,4 -4,7
Amazonas 4,8 1,2 -4,4 7,9 7,9 4,9 -2,5 -1,6 4,9 -2,9 -1,6 -0,3
Roraima -0,2 20,2 -21,6 -4,2 14,2 -9,6 -12,7 -10,5 -9,6 -12,3 -10,5 -9,7
Pará 0,9 0,0 -1,5 -10,8 -8,4 -8,8 -10,0 -9,9 -8,8 -9,8 -9,9 -9,8
Amapá -2,3 -0,2 0,8 -14,0 -10,2 -0,5 -14,6 -14,2 -0,5 -14,4 -14,2 -12,8
Tocantins 0,7 -12,8 6,8 -2,1 -18,2 -8,7 -11,0 -11,5 -8,7 -11,7 -11,5 -10,2
Maranhão -5,0 6,0 0,0 -13,0 -7,6 -5,0 -10,2 -10,0 -5,0 -10,1 -10,0 -9,5
Piauí 6,7 6,2 -7,0 -2,8 5,0 -18,8 -3,1 -2,4 -18,8 -3,3 -2,4 -5,1
Ceará 0,7 -7,0 19,4 -8,4 -16,6 -6,0 -5,9 -7,0 -6,0 -5,4 -7,0 -7,9
Rio Grande do Norte 0,1 3,3 -5,2 -7,7 -3,2 -12,6 -1,9 -2,0 -12,6 -2,0 -2,0 -3,4
Paraíba 0,0 4,3 -4,1 -9,8 -1,0 -4,0 -9,2 -8,5 -4,0 -9,4 -8,5 -7,9
Pernambuco 1,0 1,4 -1,3 -4,6 -4,1 -5,7 -5,5 -5,3 -5,7 -5,5 -5,3 -5,8
Alagoas 2,2 1,7 3,1 -6,6 -6,1 -3,2 -4,0 -4,2 -3,2 -3,7 -4,2 -4,8
Sergipe 0,6 -0,8 -1,9 -7,2 -7,2 -2,6 -10,7 -10,4 -2,6 -10,5 -10,4 -9,3
Bahia -3,1 -1,0 4,3 -6,3 -3,0 -1,5 -4,7 -4,5 -1,5 -5,0 -4,5 -4,7
Minas Gerais 0,4 -1,0 -0,6 -0,1 -4,5 -2,4 -2,3 -2,5 -2,4 -2,1 -2,5 -2,6
Espírito Santo 2,2 4,0 0,1 -0,3 1,4 0,3 -1,5 -1,2 0,3 -1,8 -1,2 -1,5
Rio de Janeiro 0,5 2,1 -2,7 -4,0 -0,3 -3,9 -8,6 -7,9 -3,9 -8,9 -7,9 -7,7
São Paulo 0,9 1,5 -1,4 0,9 1,9 0,6 -0,7 -0,5 0,6 -0,9 -0,5 -0,3
Paraná 1,7 -0,6 0,2 7,4 7,7 -0,5 4,8 5,0 -0,5 3,6 5,0 4,9
Santa Catarina -0,1 7,1 -7,6 -0,6 4,1 -1,7 -6,1 -5,3 -1,7 -6,6 -5,3 -4,7
Rio Grande do Sul 2,0 2,8 -2,4 -0,7 3,9 -0,6 -3,9 -3,2 -0,6 -4,1 -3,2 -3,0
Mato Grosso do Sul 2,4 2,8 1,2 -9,5 -3,3 -0,2 -9,8 -9,3 -0,2 -10,1 -9,3 -7,5
Mato Grosso 5,2 -3,6 -1,3 56,5 48,4 6,4 13,6 15,8 6,4 9,2 15,8 17,5
Goiás 2,7 0,4 -0,7 1,2 2,1 0,1 -4,2 -3,7 0,1 -4,9 -3,7 -3,0
Distrito Federal  -2,7 2,0 -2,1 -11,6 -1,9 -6,1 -12,3 -11,4 -6,1 -12,0 -11,4 -10,7
Fonte: IBGE, Diretoria de Pesquisas, Coordenação de Serviços e Comércio         
(1) Base: mês imediatamente anterior - com ajuste sazonal (3) Base: igual período do ano anterior                      
(2) Base: igual mês do ano anterior      (4) Base: 12 meses anteriores   

Atividades turísticas mostram terceiro avanço consecutivo no Brasil

Na série com ajuste, o agregado especial de Atividades turísticas, ao variar 0,3% em janeiro de 2018, assinalou a terceira taxa positiva seguida, mesma sequência registrada pelo Rio de Janeiro, que neste mês cresceu 4,8%. Os demais avanços vieram de Minas Gerais (2,6%), Goiás (2,3%), Distrito Federal (1,6%), Espírito Santo (1,1%), Ceará (0,5%) e Bahia (0,3%). Houve quedas em Santa Catarina (-5,5%) Paraná (-3,4%), São Paulo (-2,1%) e Rio Grande do Sul (-1,4%)

Em relação a janeiro de 2017, na série sem ajuste sazonal, o turismo ficou estável (0,0%) no índice nacional, com a maior parte dos 12 locais investigados, mostrando crescimento: Distrito Federal (13,1%), Espírito Santo (11,2%), Goiás (5,5%), Minas Gerais (5,1%) e Pernambuco (4,7%) Santa Catarina (3,0%), Paraná (2,6%) e Bahia (2,0%), enquanto Rio de Janeiro (-8,3%), seguido por Ceará (-2,6%), São Paulo (-0,2%) e Rio Grande do Sul (-0,2%) recuaram nesse indicador.