Em janeiro, taxa de desocupação vai a 7,6%

25/02/2016 10h36 | Atualizado em 31/05/2019 14h40

 

Indicador / período Janeiro
de 2016
Dezembro
de 2015
Janeiro
de 2015
Taxa de desocupação
7,6%
6,9%
5,3%
Rendimento real habitual
R$ 2.242,90
R$ 2.273,44
R$ 2.421,51
Valor do rendimento em relação a
-1,3%
-7,4%

A taxa de desocupação para o conjunto das seis regiões metropolitanas investigadas (7,6%) subiu 0,7 ponto percentual frente a dezembro (6,9%) e 2,3 pontos percentuais em relação a janeiro de 2015 (5,3%). Essa foi a maior taxa para um mês de janeiro desde 2009 (8,2%). A população desocupada (1,9 milhão de pessoas) cresceu em ambas as comparações: 8,4% (mais 146 mil pessoas) frente a dezembro último e 42,7% em relação a janeiro de 2015 (mais 562 mil pessoas em busca de trabalho). Já a população ocupada (23,0 milhões) recuou tanto na comparação mensal (-1,0%, ou menos 230 mil pessoas) quanto em relação a janeiro de 2015 (-2,7%, ou menos 643 mil pessoas). O número de trabalhadores com carteira assinada (11,6 milhões) ficou estável no mês e caiu (-2,8%, ou menos 336 mil pessoas) frente a janeiro de 2015. Orendimento médio real habitual dos trabalhadores (R$ 2.242,90) caiu nas duas comparações: -1,3% em relação a dezembro (R$ 2.273,44) e - 7,4% contra janeiro de 2015 (R$ 2.421,51). A massa de rendimento médio real habitual (R$ 52,1 bilhões) em janeiro de 2016 também caiu nas duas comparações: - 2,5% contra dezembro e -10,4% na comparação anual. Já a massa de rendimento médio real efetivo(R$ 64,8 bilhões) em dezembro de 2015 subiu 8,8% em relação a novembro de 2015 e caiu (-9,6%) contra dezembro de 2014. A Pesquisa Mensal de Emprego (PME) é realizada em seis regiões metropolitanas (Recife, Salvador, Belo Horizonte, Rio de Janeiro, São Paulo e Porto Alegre) e sua publicação pode ser acessada aqui.


Taxa de desocupação total das seis RMs - dezembro de 2014 a janeiro de 2016(%)
Dados disponíveis no SIDRA.

FONTE: IBGE, Diretoria de Pesquisas, Coordenação de Trabalho e Rendimento, Pesquisa Mensal de Emprego.

Regionalmente, a análise mensal mostrou que a taxa de desocupação frente a dezembro último, subiu nas Regiões Metropolitanas de São Paulo (de 7,0% para 8,1%) e Belo Horizonte (de 5,9% para 6,9%) e ficou estável nas demais regiões. Contudo, na comparação com janeiro de 2015, houve crescimento da taxa em todas as regiões: em Recife, foi de 6,7% para 10,5% (3,8 pp); em Salvador, a taxa passou de 9,6% para 11,8% (2,2 pp); em Belo Horizonte, de 4,1% para 6,9% (2,8 pp); no Rio de Janeiro, de 3,6% para 5,1% (1,5 pp); em São Paulo de 5,7% para 8,1% (2,4 pp) e em Porto Alegre, de 3,8% para 5,9% (2,1 pp).


Taxa de desocupação total das seis RMs nos meses de janeiro (%)
Dados disponíveis no SIDRA.

FONTE: IBGE, Diretoria de Pesquisas, Coordenação de Trabalho e Rendimento, Pesquisa Mensal de Emprego.

Na análise regional, a população desocupada, em relação a dezembro, apresentou aumento nas Regiões Metropolitanas de Belo Horizonte (17,2%) e de São Paulo (15,7%) e não registrou variação nas demais regiões. Em relação a janeiro do ano passado, a desocupação só não aumentou em Salvador, sendo o maior aumento verificado em Belo Horizonte (63,9%) e o menor em São Paulo (41,7%).

A população ocupada (23,0 milhões para o conjunto das seis regiões em janeiro de 2016) caiu tanto na comparação mensal (1,0%, ou menos 230 mil pessoas) quanto em relação a janeiro de 2015 (2,7%, ou menos 643 mil pessoas).

Regionalmente, no mês, a população ocupada teve quedas em Belo Horizonte (-2,2%) e Rio de Janeiro (-1,4%), permanecendo estável nas demais. Em relação a janeiro de 2015, houve estabilidade em Recife, Rio de Janeiro e São Paulo e quedas em Salvador
(-6,1%), Belo Horizonte (-5,7%) e Porto Alegre (-3,0%).

Na análise dos ocupados por grupamentos de atividade, para o conjunto das seis regiões, de dezembro de 2015 para janeiro de 2016, houve estabilidade em quase todos os grupamentos, exceto Educação, saúde, serviços sociais, administração pública, defesa e seguridade (-2,8%, 111 mil pessoas) e Serviços domésticos(-6,4%, 93 mil pessoas) que apresentaram retração. Frente a janeiro de 2015, a população ocupada se reduziu naIndústria(-8,5%, 298 mil pessoas) e nos Outros serviços (-3,4%, 155 mil pessoas). Os demais grupamentos não apresentaram variação estatisticamente significativa.

Em janeiro de 2016, o número de trabalhadores com carteira de trabalho assinada no setor privado foi estimado em 11,6 milhões no conjunto das seis regiões metropolitanas analisadas. No mês, este resultado não variou. Frente a janeiro de 2015, houve redução de 336 mil pessoas com carteira assinada no setor privado (-2,8%).

Regionalmente, no mês, o contingente de trabalhadores com carteira de trabalho assinada ficou estável em todas as seis regiões metropolitanas. Frente a janeiro de 2015, Belo Horizonte (-6,9%), Recife (-6,6%), Porto Alegre (-4,3%) e Rio de Janeiro (-3,7%) apresentaram quedas. Não houve variação significativa em Salvador e em São Paulo.

O rendimento médio real habitual dos trabalhadores em janeiro de 2016, no conjunto das seis regiões pesquisadas, foi estimado em R$ 2.242,90. Houve queda de 1,3% em relação a dezembro (R$ 2.273,44) e de 7,4% contra janeiro de 2015 (R$ 2.421,51).

Em relação a dezembro passado, o rendimento caiu no Rio de Janeiro (-3,1%), em São Paulo (-1,2%), em Porto Alegre (0,9%) e em Salvador (-0,7%). Houve altas em Recife (1,0%) e Belo Horizonte (0,5%). Frente a janeiro de 2015, houve quedas nas seis regiões metropolitanas, sendo a maior delas em Salvador (-14,0%) e a menor em Recife (-3,9%).


Rendimento médio real habitualmente recebido

Categorias de posição na ocupação
jan/15
dez/15
jan/16
% mensal
% anual
Empregados com carteira de trabalho assinada no setor privado
2.179,17
2.072,89
2.045,60
-1,3
-6,1
Empregados sem carteira de trabalho assinada no setor privado
1.681,47
1.570,81
1.598,10
1,7
-5,0
Militares e funcionários públicos
4.047,35
3.953,37
3.834,00
-3,0
-5,3
Pessoas que trabalharam por conta própria
2.097,50
1.975,97
2.042,70
3,4
-2,6

A massa de rendimento médio real habitual dos ocupados foi estimada em R$ 52,1 bilhões em janeiro de 2016 e caiu 2,5% em relação a dezembro. Na comparação anual, houve recuo de 10,4%. A queda neste indicador foi provocada pela redução do rendimento médio real e da população ocupada.

A massa de rendimento médio real habitual dos ocupados caiu nas seis regiões metropolitanas pesquisadas, com destaque para Rio de Janeiro (-4,6%) e São Paulo (-2,1%). No ano, a massa também mostrou o mesmo comportamento de queda em todas as regiões, sendo a maior delas em Salvador (-20,0%) e a menor em Recife (-5,3%).

A população não economicamente ativa (formada pelos contingentes dos que não estavam ocupados e nem desocupados) foi estimada em janeiro de 2016, para o conjunto das seis regiões pesquisadas, em 20,5 milhões de pessoas. No mês, este indicador teve alta de 1,0% e, frente a janeiro de 2015, cresceu 3,6%.

Regionalmente, no mês, a população não economicamente ativa cresceu no Rio de Janeiro (2,5%) e permaneceu estável nas demais regiões metropolitanas. Em relação a janeiro de 2015, esse contingente não variou em São Paulo e em Recife e cresceu em Salvador (11,4%), Belo Horizonte (7,8%), Porto Alegre (3,1%) e Rio de Janeiro (2,9%).


Rendimento domiciliar per capita

Região Metropolitana
jan/15
dez/15
jan/16
% mensal
% anual
Total
1.637,04
1.552,73
1.525,57
-1,7
-6,8
Recife
1.025,00
993,28
1.015,54
2,2
-0,9
Salvador
1.267,77
1.070,21
1.084,36
1,3
-14,5
Belo Horizonte
1.440,96
1.258,12
1.255,06
-0,2
-12,9
Rio de Janeiro
1.838,67
1.746,56
1.657,07
-5,1
-9,9
São Paulo
1.721,39
1.676,66
1.658,03
-1,1
-3,7
Porto Alegre
1.692,85
1.579,04
1.571,14
-0,5
-7,2

 

Comunicação Social
25 de fevereiro de 2016