Nossos serviços estão apresentando instabilidade no momento. Algumas informações podem não estar disponíveis.

Produção agrícola

IBGE eleva para 293,6 milhões de toneladas projeção da safra 2023

Editoria: Estatísticas Econômicas | Carlos Alberto Guimarães

08/12/2022 09h00 | Atualizado em 08/12/2022 10h37


Supersafra de soja deve alcançar 146,4 milhões de toneladas em 2023 - Foto: Jaelson-Lucas-AEN-PR

A safra brasileira de grãos, cereais e leguminosas de 2023 deverá ser de 293,6 milhões de toneladas. É o que aponta o segundo prognóstico do Levantamento Sistemático da Produção Agrícola (LSPA), divulgado hoje (08) pelo IBGE. Isso representa um novo recorde na série histórica iniciada em 1975, com aumento de 11,8% em relação à safra de 2022, e de 1,9% em relação ao primeiro prognóstico, que estava em 288,1 milhões de toneladas.

Segundo o gerente da pesquisa, Carlos Barradas, esse aumento de 5,5 milhões de toneladas em relação ao primeiro prognóstico se deu em função da entrada de informações de campo da nova safra, substituindo parte das projeções. Ele comenta o recorde.

“Em 2022, a safra da soja foi drasticamente reduzida devido à falta de chuvas, sobretudo na região Sul. Para a safra 2023, até o momento, as condições climáticas estão favoráveis ao desenvolvimento das lavouras, o que deve permitir uma recuperação na produção. A safra de 2023 deve ser novo recorde da série histórica do IBGE”, acrescenta. A previsão é de que a supersafra de soja alcance 146,4 milhões de toneladas, crescimento de 22,5% em relação a 2022.

A expectativa positiva se estende ao milho, cuja estimativa de produção é de 115,8 milhões de toneladas, com aumento de 5,1% em relação à safra colhida em 2022. “Apesar de uma boa 2ª safra em 2022, a rentabilidade dos preços do cereal deve se manter em 2023, incentivando os produtores de milho a ampliarem as lavouras e investirem mais nesse cultivo”, comenta Barradas.

Safra 2022 deve chegar a 262,7 milhões de toneladas, com alta de 3,7%

A pesquisa também divulgou a estimativa de novembro para a safra de 2022, que alcançou 262,7 milhões de toneladas, 3,7% maior que a obtida em 2021 (253,2 milhões de toneladas), crescimento de 9,4 milhões de toneladas. Em relação ao mês anterior, houve declínio de 110.643 toneladas (-0,0%). A área a ser colhida foi de 73,2 milhões de hectares, apresentando crescimento de 6,8% frente à área colhida em 2021, aumento de 4,7 milhões de hectares. Em relação ao mês anterior, a área a ser colhida apresentou um declínio de 29.127 hectares (-0,0%)

A estimativa da produção de cereais, leguminosas e oleaginosas apresentou variação anual positiva para quatro Grandes Regiões – Centro-Oeste (12,2%), Norte (10,3%), Sudeste (13,3%) e Nordeste (10,3%) – e negativa para a Sul (-15,2%).

Segundo o levantamento, Mato Grosso lidera como o maior produtor nacional de grãos, com uma participação de 30,7%, seguido pelo Paraná (12,7%), Goiás (10,4%), Rio Grande do Sul (9,8%), Mato Grosso do Sul (8,4%) e Minas Gerais (6,5%), que, somados, representaram 78,5% do total nacional.

Em relação ao mês anterior, houve aumentos nas estimativas da produção da batata-inglesa 2ª safra (4,3% ou 53.076 t), da cana-de-açúcar (4,1% ou 24.568.533 t), do feijão 2ª safra (2,8% ou 37.207 t), do sorgo (2,0% ou 57.045 t), do tomate (1,1% ou 43.078 t), do feijão 3ª safra (0,2% ou 1.222 t), do milho 1ª safra (0,2% ou 40.443 t), da soja (0,1% ou 78.405 t), e declínios da cevada (-6,7% ou -35.834 t), da batata-inglesa 3ª safra (-1,5% ou -16.400 t), do feijão 1ª safra (-0,7% ou -7.760 t), do milho 2ª safra (-0,3% ou -258.965 t), da batata-inglesa 1ª safra (-0,3% ou -4.892 t), do trigo (-0,2% ou -22.781 t) e da aveia (-0,0% ou -280 t).

Sobre o LSPA

Implantado em novembro de 1972 com o propósito de atender às demandas de usuários por informações estatísticas conjunturais mensais, o LSPA fornece estimativas de área plantada, área colhida, quantidade produzida e rendimento médio de produtos selecionados com base em critérios de importância econômica e social para o país. Ele permite não só o acompanhamento de cada cultura investigada, desde a fase de intenção de plantio até o final da colheita, no ano civil de referência, como também o prognóstico da safra do ano seguinte, para o qual é realizado o levantamento nos meses de outubro, novembro e dezembro.