Nossos serviços estão apresentando instabilidade no momento. Algumas informações podem não estar disponíveis.

PMC

Vendas no comércio variam 0,4% em outubro e acumulam alta de 1,7% nos últimos três meses

Editoria: Estatísticas Econômicas | Irene Gomes

08/12/2022 09h00 | Atualizado em 08/12/2022 09h21

Atividades de Móveis e eletrodomésticos (2,5%) e Equipamentos e material para escritório, informática e comunicação (2,0%) puxam comércio para o campo positivo - Foto: Helena Pontes/Agência IBGE Notícias

O volume de vendas do comércio varejista no país variou 0,4% na passagem de setembro para outubro, após crescer 1,2% em setembro. Na comparação com outubro de 2021, houve crescimento de 2,7%, terceiro resultado positivo consecutivo. No ano, o setor acumulou aumento de 1,0%, e, nos últimos 12 meses, variou 0,1%, primeiro resultado no campo positivo em 5 meses. Os dados são da Pesquisa Mensal de Comércio (PMC), divulgada hoje (8) pelo IBGE.

No comércio varejista ampliado, que inclui as atividades de veículos, motos, partes e peças e de material de construção, o volume de vendas em outubro variou 0,5% frente a setembro e 0,3% contra outubro de 2021.

“Nos últimos quatro meses, tivemos três resultados de estabilidade – julho (-0,2%), agosto (0,2%) e outubro (0,4%) – e crescimento de 1,2% em setembro. Apesar de estarmos num ritmo muito próximo à estabilidade, quando acumulamos os últimos três meses, que estão no campo positivo, temos um crescimento de 1,7%”, avalia Cristiano Santos, gerente da pesquisa.

No resultado de outubro contra setembro, cinco das oito atividades pesquisadas estavam positivas: Móveis e eletrodomésticos (2,5%), Equipamentos e material para escritório, informática e comunicação (2,0%), Outros artigos de uso pessoal e doméstico (2,0%), Combustíveis e lubrificantes (0,4%) e Hiper, supermercados, produtos alimentícios, bebidas e fumo (0,2%).

Três atividades tiveram queda em volume: Artigos farmacêuticos, médicos, ortopédicos e de perfumaria (-0,4%), Tecidos, vestuário e calçados (-3,4%) e Livros, jornais, revistas e papelaria (-3,8%).

“Desde 2020, a Black Friday vem se pulverizando, porque as empresas começaram a antecipar promoções e descontos. Vimos isso agora em outubro, sobretudo em Móveis e eletrodomésticos e Equipamentos e material para escritório. Isso tem a ver também com um certo reposicionamento dessas atividades, que tiveram crescimento bem menor depois da pandemia e adotaram outras estratégias de descontos”, explica Santos.

Ele ressalta, ainda, que na atividade de Equipamentos e material para escritório, informática e comunicação há muita influência do dólar: “em outubro houve uma apreciação do real, o que ajudou nas ofertas desses produtos.”

Entre as quedas, Santos destaca a de Livros, jornais, revistas e papelaria, atividade que cresceu com a volta às aulas presenciais e agora mostra uma compensação desse crescimento.

Além disso, “atividades de peso como Hiper e supermercados e Artigos farmacêuticos tiveram comportamento próximo da estabilidade e acabam também segurando o indicador para essa leitura global de estabilidade”, conclui Santos.

No varejo ampliado, as duas atividades tiveram queda na comparação de outubro com setembro: Veículo e motos, partes e peças com -1,7% e Material de construção, com -3,5%.

“Material de construção vem caindo nos últimos meses pois estava num patamar alto depois da pandemia e tem tido uma certa compensação. Veículos também mostra compensação: houve um forte crescimento em agosto, devido a uma demanda reprimida por renovação de frotas nas empresas e também refletindo a trajetória de queda nos preços da gasolina”, contextualiza o gerente.

Em termos de patamar, o resultado de agosto situa-se 2,9% abaixo do nível recorde de outubro de 2020 e 3,4% acima do patamar pré-pandemia (fevereiro de 2020).

“Essa trajetória de patamar vem mostrando muita amplitude, com um mínimo em março/21 (-8,3%), depois um máximo em agosto/21 (-0,2%), seguido de outro mínimo em dezembro/21 (-8,3%) e máximo em maio/22 (-2,6%), novo mínimo em julho/22 (-4,6%), e agora estamos em -2,9%. A amplitude vem diminuindo, mas ainda apresenta alta volatilidade”, analisa.

Comércio cresce na comparação interanual, terceiro mês de alta

A PMC divulgada hoje também mostra que, na comparação com outubro de 2021, o comércio varejista cresceu 2,7%, terceiro mês consecutivo de alta.

Cinco atividades tiveram alta: Combustíveis e lubrificantes (34,2%), Livros, jornais, revistas e papelaria (13,6%), Equipamentos e material para escritório informática e comunicação (8,1%), Artigos farmacêuticos, médicos, ortopédicos e de perfumaria (5,2%) e Hiper, supermercados, produtos alimentícios, bebidas e fumo (2,6%).

Os três setores que recuaram na comparação interanual foram: Móveis e eletrodomésticos (-0,5%), Outros artigos de uso pessoal e doméstico (-8,5%) e Tecidos, vestuário e calçados (-14,8%).

No âmbito do varejo ampliado, ambas as atividades caíram: Veículos e motos, partes e peças (-0,7%) e Material de construção (-12,7%).

Vendas do varejo crescem em 15 Unidades da Federação entre setembro e outubro

Na passagem de setembro para outubro, 15 Unidades da Federação tiveram alta, com destaque para Amapá (5,1%), Roraima (2,1%) e Acre (2,0%). Por outro lado, das dez atividades que pressionaram negativamente, destacam-se para Paraíba (-6,8%), Rio Grande do Norte (-1,3%) e Tocantins (-0,9%). Pernambuco e Distrito Federal ficaram estáveis (0,0%) na passagem de setembro para outubro de 2022.

Frente a outubro de 2021, houve resultados positivos em 22 estados, com destaque para: Paraíba (31,3%), Amapá (23,4%) e Roraima (16,4%). Pressionando negativamente destacam-se Tocantins (-3,8%), Bahia (-1,6%) e Rondônia (-1,2%).

Mais sobre a pesquisa

A PMC produz indicadores que permitem acompanhar o comportamento conjuntural do comércio varejista no país, investigando a receita bruta de revenda nas empresas formalmente constituídas, com 20 ou mais pessoas ocupadas, e cuja atividade principal é o comércio varejista.

Iniciada em 1995, a pesquisa traz resultados mensais da variação do volume e receita nominal de vendas para o comércio varejista e comércio varejista ampliado, que inclui automóveis e materiais de construção, com dados para o Brasil e as unidades da federação. Os resultados podem ser consultados no Sidra.