Revista Brasileira de Geografia

Nova edição da Revista Brasileira de Geografia intensifica diálogo entre IBGE e as universidades

Editoria: Geociências | Irene Gomes

28/09/2021 10h00 | Atualizado em 30/09/2021 10h14

  • Resumo

  • Nova edição da RBG traz artigos sobre os aspectos geomorfológicos e geopolíticos relativos às ilhas e sobre a ocupação do território a partir da associação entre rotas fluviais e terrestres ao longo do século XVIII em Minas Gerais.
  • A revista apresenta também uma resenha do livro “Modo de vida imperial: Sobre a exploração de seres humanos e da natureza no capitalismo global”, de Ulrich Brand e Markus Wissen.
  • O ensaio do professor Roberto Lobato Corrêa aborda a questão dos modelos em Geografia e traz proposta de classificação.
  • A edição faz uma homenagem aos geógrafos Jorge Xavier da Silva, Marilourdes Lopes Ferreira e João Baptista Ferreira de Mello, que faleceram no primeiro semestre de 2021.
Obra “Travessia de tropas pela ponte do rio Paraibuna” de Rugendas ilustra nova edição da Revista Brasileira de Geografia. Imagem: RUGENDAS, J.M. Viagem pitoresca através do Brasil. Belo Horizonte: Editora Itatiaia, 1979 [1835].

O IBGE lança hoje o primeiro número do volume 66 da Revista Brasileira de Geografia (RBG). Com dois artigos, um ensaio e uma resenha, este número, voltado para os estudos acadêmicos, busca dar visibilidade às pesquisas institucionais e ao diálogo entre o IBGE e as universidades. “O papel da revista é fazer a interface entre o que se produz dentro do IBGE e reflexões e pesquisas desenvolvidas na academia”, analisa a editora executiva da revista, Maria Lucia Vilarinhos.

O artigo “O que é uma ilha?  Os horizontes da insularidade”, de Matheus Sartori Menegatto, mestre em Geografia pela USP e professor da Universidade Municipal de São Caetano do Sul (SP), aborda os aspectos geomorfológicos, ambientais, linguísticos, culturais e geopolíticos vinculados à condição de insularidade. “É um tema muito importante ainda pouco discutido na geografia brasileira, e o artigo traz análises interessantes e surpreendentes”, comenta Vilarinhos.

Já o artigo “Associação entre rotas fluviais e terrestres na ligação entre o litoral e os sertões de Minas Gerais”, de Patrícia Gomes da Silveira, doutoranda em Geografia pela UFRJ, fala sobre os circuitos que entrelaçaram rotas fluviais, caminhos terrestres e pequenos povoados entre o litoral e os sertões, ao longo do século XVIII, em Minas Gerais. “Este também é um assunto para o qual temos pouca produção, principalmente se consideramos sua enorme importância para entender a ocupação do território”, destaca a editora. “O artigo mostra ainda como a coroa portuguesa controlava essa articulação através da cobrança de impostos nos registros”, completa.

A resenha de Guilherme Pereira Cecato, mestrando em Geografia da UNESP/Presidente Prudente, apresenta o livro “Modo de vida imperial: Sobre a exploração de seres humanos e da natureza no capitalismo global”, de Ulrich Brand e Markus Wissen, lançado no Brasil em 2021 pela Editora Elefante. Os autores são ativistas e pesquisadores alemães que destacam a crise socioambiental em que a atual fase do capitalismo lançou o conjunto do planeta. “O que eles chamam de modo vida imperial é o modo de vida no norte global, reproduzido também pelas classes médias no sul”, explica Vilarinhos. “O livro é impactante e traz uma discussão atual sobre as transformações derivadas das mudanças climáticas”, complementa.

O número termina com o ensaio do professor titular da UFRJ Roberto Lobato Corrêa, que aborda a questão dos modelos em Geografia. Ele destaca as polêmicas que acompanharam a introdução do tema na Geografia brasileira na década de 1970, os tipos de modelos e suas funções, além de apresentar uma proposta de classificação.

Além disso, neste volume, a Revista Brasileira de Geografia homenageia o geógrafo e professor Jorge Xavier da Silva, do departamento de Geografia da UFRJ; a geógrafa do IBGE e professora da ENCE Marilourdes Lopes Ferreira; e o professor João Baptista Ferreira de Melo, que atuou no IBGE e no departamento de Geografia da UERJ, que faleceram no primeiro semestre de 2021. Os três fizeram parte dos quadros do IBGE e contribuíram para o avanço no campo dos conhecimentos geográficos no Brasil.

Editada pelo IBGE, a RBG é uma publicação científica digital com dois lançamentos por ano. A submissão de trabalhos é contínua e está aberta a pesquisadores de instituições nacionais e internacionais, inclusive do IBGE.