Produção pecuária

Abate de suínos no 2º trimestre é recorde da série histórica

Editoria: Estatísticas Econômicas | Caio Belandi

10/09/2021 09h00 | Atualizado em 10/09/2021 11h32


O abate de suínos atingiu o maior patamar em 24 anos - Foto: AEN-SEAB-Paraná

O Brasil registrou o abate de 13,04 milhões de cabeças de suínos no 2º trimestre de 2021, um recorde na série histórica, iniciada em 1997. Essa quantidade representa alta de 7,6% em relação ao mesmo período de 2020 e aumento de 2,9% na comparação com o 1° trimestre de 2021. O resultado é da Estatística da Produção Pecuária, divulgada hoje (10) pelo IBGE, que também mostra que foram abatidas 1,52 bilhão de cabeças de frangos. Esse número significa o melhor 2º trimestre na série histórica da pesquisa e representa um aumento de 7,8% em relação ao mesmo período de 2020, mas queda de 3% na comparação com o 1° trimestre de 2021.

No que diz respeito aos bovinos, foram abatidos 7,08 milhões de cabeças, número mais baixo para um 2º tri desde 2011 e 4,4% inferior à do 2° trimestre de 2020, ainda que 7,4% maior que a do 1º trimestre de 2021.

De acordo com Bernardo Viscardi, gerente da pesquisa, o resultado recorde das exportações de carne suína in natura, com o pico das vendas para o exterior em junho, ajudou a compor esse cenário. “O consumo interno também foi importante, já que o preço da carne do porco é mais acessível do que a de boi”, ressalta o analista.

No abate de bovinos, manteve-se a tendência iniciada em 2020, com a retenção de fêmeas por conta do elevado preço do bezerro. Apesar da retração do abate, o volume de carne bovina in natura exportada foi o segundo maior obtido em um 2º trimestre, de acordo com a Secretaria de Comércio Exterior do Ministério da Economia (SECEX/ME), com recorde para o mês de abril (125,50 mil toneladas).

A exportação também colaborou para os números do abate de frangos, já que alcançaram o melhor patamar desde o terceiro trimestre de 2018. “Aliado à boa liquidez do mercado doméstico, este fato contribuiu para elevar os preços da carne e do animal vivo”, afirma Viscardi.

Na entressafra, aquisição de leite cai; produção de ovos bate recorde para um 2º tri

A aquisição de leite cru foi de 5,82 bilhões de litros no 2º trimestre de 2021. Esse número equivale à redução de 1% em relação ao 2° trimestre de 2020 e queda de 11,4% em comparação com o trimestre imediatamente anterior.

Viscardi lembra que o setor tem comportamento cíclico, já que os 2° trimestres regularmente apresentam a menor produção anual por conta do período mais seco. “Nesse ano, a seca foi mais intensa em muitos estados produtores, principalmente nas regiões Sul e Centro-Oeste, o que afeta as pastagens, a alimentação natural da vaca. E o preço dos insumos da ração, suplementos necessários nessa condição, também ficaram mais caros”, explica o analista. Embora o preço do leite tenha aumentado para o consumidor final, essa alta não foi na mesma ordem do preço dos insumos da suplementação. “É mais difícil repassar o aumento de custo para o consumidor final, o que naturalmente desencoraja a produção”, complementa.

Ainda assim, o resultado representa a 3ª maior captação de leite acumulada em um 2° trimestre, abaixo dos resultados alcançados em 2020 (5,87 bilhões de litros) e 2019 (5,86 bilhões).

Já a produção de ovos de galinha alcançou a marca de 985,70 milhões de dúzias no 2º trimestre de 2021, alta em relação ao apurado no 2º trimestre de 2020 (0,9%) e em relação à produção do 1º trimestre de 2021 (0,5%). Com isso, a produção bateu recorde para um 2º trimestre, sendo a quarta maior produção da série histórica da pesquisa, iniciada em 1987.

A Pesquisa Trimestral do Couro mostrou que 7,51 milhões de peças de couro foram recebidas em curtumes, alta em relação ao 2° trimestre de 2020 (2,6%) e na comparação com o 1° tri de 2021 (6,2%). Apesar do crescimento, a aquisição do couro está próxima aos níveis de 2003, já que, atualmente, há redução de bovinos disponíveis para o abate.

Mais sobre a Pesquisa Trimestral do Abate de Animais

A pesquisa fornece informações sobre o total de cabeças abatidas e o peso total das carcaças para as espécies de bovinos (bois, vacas, novilhos e novilhas), suínos e frangos, tendo como unidade de coleta o estabelecimento que efetua o abate sob fiscalização sanitária federal, estadual ou municipal. A periodicidade da pesquisa é trimestral, sendo que, para cada trimestre do ano civil, os dados são discriminados mês a mês.

A partir do primeiro trimestre de 2018, atendendo solicitações de usuários para acesso mais rápido às informações da conjuntura da pecuária, passaram a ser divulgados os "Primeiros Resultados" da Pesquisa Trimestral do Abate de Animais para o nível Brasil, em caráter provisório. Eles estão disponíveis cerca de um mês antes da divulgação dos "Resultados Completos".Os dados completos podem ser consultados no Sidra.