Contas Regionais

Quinze estados têm PIB acima da média nacional em 2018; Sergipe é o único com queda

Editoria: Estatísticas Econômicas | Caio Belandi | Arte: Brisa Gil

13/11/2020 10h00 | Última Atualização: 13/11/2020 11h10

#PraCegoVer Visão panorâmica de plantação de milho.A esquerda parte de uma cerca. Ao centro parte o terreno limpo já sem plantação  Encostada nela um moto. Ao fundo um trator e a direita a plantação de milharal
Condições climáticas desfavoráveis para a agricultura influenciaram na queda do PIB sergipano – Foto: ASCOM/SEAGRI

Quinze estados tiveram aumento do volume do Produto Interno Bruto (PIB) de 2018 acima da média nacional, que foi de 1,8%. O Amazonas apresentou a maior alta: 5,1%. Na outra ponta da lista, Sergipe foi a única unidade da federação a perder volume do PIB, com queda de 1,8%, o quarto ano seguido negativo. Os demais 11 estados tiveram alta, mas abaixo do índice nacional.

Os dados são das Contas Regionais 2018, publicadas hoje (13) pelo IBGE, e elaboradas em parceria com os Órgãos Estaduais de Estatística, Secretarias Estaduais de Governo e Superintendência da Zona Franca de Manaus (SUFRAMA).

De acordo com o técnico do IBGE Luiz Antonio de Sá, o resultado negativo no Sergipe está ligado não só ao desempenho econômico, mas também por conta de questões de condição climática adversas em 2018.

“A falta de chuvas provocou uma queda brusca na produção agrícola do estado e a agricultura perdeu 34,7% em volume”, ressalta. Outro setor que teve desempenho abaixo da média nacional e contribuiu para a queda foram as atividades de serviços, grupo de atividade que mais cresceu na economia nacional e muito influente, sobretudo, em estados com indústria menos desenvolvida, caso do estado nordestino. O índice sergipano ficou abaixo da média nacional (2,1%), crescendo 0,2%. A indústria, apesar de não tão influente no estado, também não contribuiu, caindo 2,6%.

No topo de estados com maior crescimento de volume, o Amazonas (5,1%) exemplifica o bom resultado do Norte do país. A região foi a que mais cresceu em volume do PIB, 3,4%. Roraima (4,8%) e Rondônia (3,2%) são estados nortistas que também estão entre os cinco primeiros do ranking.

Sá explica que o crescimento em cada um desses estados se deu por fatores diferentes. O Amazonas tem um perfil considerado atípico na região, por conta da forte influência da atividade de Indústrias de Transformação, que cresceu 8,8% de 2017 para 2018, motivada pelo segmento de equipamentos de informática. “Por conta da Zona Franca de Manaus, o estado tem um destaque não só regional, como nacional”, cita o técnico do IBGE.

Já em Roraima, o perfil é mais concentrado nas atividades de serviço, que cresceram 4,4%, impulsionadas principalmente pelo comércio e pela administração pública. “Houve um crescimento populacional importante, um movimento de recebimento de imigrantes, e isso acabou influenciando no consumo”, relembra Sá. Por fim, Rondônia também teve crescimento nas atividades industriais (4,8%), puxada pela geração de energia elétrica. A lista dos cinco primeiros é completada por Mato Grosso (4,3%) e Santa Catarina (3,7%).

A pesquisa mostra também que alguns estados perderam participação no PIB nacional. São Paulo, que perdeu 0,6 ponto percentual do total do país e, pelo segundo ano consecutivo, teve a maior perda de valor relativo. “Geralmente, os estados maiores têm maior capacidade de oscilações de participação. São Paulo teve uma queda de participação equivalente ao valor do PIB de Rondônia, por exemplo”, salienta Sá. Entre as atividades que contribuíram para essa perda de participação de São Paulo, destaque para Atividades financeiras, de seguros e serviços relacionados, que tem o estado paulista representando mais de 50% do total nacional da atividade.

“Essa atividade perdeu participação em 2017 e 2018, principalmente por conta da diminuição das taxas de juros”, explica o especialista.

Sudeste é a única região a crescer abaixo da média nacional

No que diz respeito às regiões, o Sudeste (1,4%) foi a única com variação em volume inferior ao índice nacional. O único estado que cresceu acima da média nacional na região mais habitada do país foi o Espírito Santo (3%). No topo da lista está o Norte (3,4%), seguido pelo Centro-Oeste (2,2%) e o Sul (2,1%). O Nordeste cresceu o mesmo que a média brasileira (1,8%).

Apesar de crescer abaixo da média, o Sudeste elevou sua participação na economia brasileira em 2018, indo de 52,9% para 53,1% em relação ao PIB nacional. A pesquisa mostra que tal aumento se deve aos desempenhos de Rio de Janeiro e Espírito Santo, que somaram mais 0,6 e mais 0,3 ponto percentual, respectivamente, e foram os dois estados com maior acréscimo em valor relativo. O Sul também aumentou sua participação, em 0,1 ponto percentual, graças a contribuição de Santa Catarina. Já as regiões Norte, Nordeste e Centro-Oeste perderam participação (-0,1 ponto percentual cada).

Na análise do PIB pela ótica da renda, a remuneração dos empregados, principal componente do índice, perdeu participação em relação ao ano anterior a 2017, saindo de 44,3% para 43,6% do PIB brasileiro em 2018. É o segundo resultado negativo consecutivo.

O desempenho está ligado à queda no número de ocupações com vínculo, explica Sá. As regiões que mais influenciam essa perda de participação foram o Sul, cuja participação da remuneração dos empregados era de 42,7% em 2017 e foi para 42% em 2018, e principalmente o Sudeste (de 43,9% para 42,8%), onde Rio de Janeiro e Espírito Santo foram os estados que puxaram o índice, por conta das Indústrias Extrativas.

Já o PIB per capita do país em 2018 foi de R$ 33.593,82, o que representa um aumento de 5,9% em valor em relação a 2017 (R$ 31.712,65). O Distrito Federal manteve-se na liderança, com R$ 85.661,39, cerca de 2,5 vezes maior que a média nacional. No ranking do PIB per capita, predominam estados das regiões Sudeste, Sul e Centro-Oeste entre os dez primeiros.