Indústria regional

Produção industrial cresce em 12 dos 15 locais pesquisados em maio

Editoria: Estatísticas Econômicas | Caio Belandi

08/07/2020 09h00 | Última Atualização: 09/07/2020 19h47

Com abertura parcial da quarentena, atividade da indústria aumentou em maio - Foto: Camila Domingues/Palácio Piratini

A atividade industrial brasileira apresentou aumento no mês de maio em 12 dos 15 locais analisados pela Pesquisa Industrial Mensal Regional, na comparação com abril. O resultado, divulgado hoje (8) pelo IBGE, é “reflexo da volta da produção de algumas unidades após a suspensão das atividades por conta da pandemia da Covid-19 em março e, principalmente, em abril", como explica Bernardo Almeida, analista da pesquisa.

Maior parque industrial do país, São Paulo levantou a média nacional (7%) ao apresentar aumento na atividade industrial em 10,6% em maio. Paraná (24,1%) e Rio Grande do Sul (13,3%) foram os outros dois locais com maiores influências na taxa positiva nacional. “O setor de veículos, muito forte em São Paulo e no Paraná, teve atuação importante neste aumento de maio”, exemplifica Bernardo, que também cita o setor de alimentos e o de derivados do petróleo como influenciadores desse índice.

Além do Paraná, Pernambuco (20,5%) e Amazonas (17,3%) foram os locais que apresentaram os aumentos mais fortes. Os dois primeiros voltaram a crescer após resultados negativos em março e abril, período em que acumularam recuos de 31,8% e 25,4%, respectivamente. Já o Amazonas interrompe três meses de taxas negativas consecutivas, com queda acumulada de 53,4%.

Além destes locais, a Região Nordeste (12,7%) e a Bahia (7,6%) tiveram resultados maiores que média nacional. Minas Gerais (6,3%), Santa Catarina (5,4%), Rio de Janeiro (5,2%), Mato Grosso (4,4%) e Goiás (3%) completam a lista de locais com aumento da atividade industrial no mês de maio. Apenas três locais apresentaram recuo, sendo o Espírito Santo (-7,8%) com a queda mais elevada, resultando no terceiro mês seguido de recuo para o estado, com perda acumulada de 30,9% neste período. Os outros dois foram Ceará e Pará, ambos com queda de 0,8%.

Aumento ainda não recupera o patamar

Apesar do crescimento na passagem de abril para maio, Bernardo esclarece que o índice ainda está aquém do patamar, como se observa na comparação com o mesmo mês do ano anterior. “Em São Paulo, mesmo com a taxa positiva perante abril, maio apresentou o segundo pior patamar da indústria na série histórica, perdendo exatamente para o mês anterior, abril de 2020", aponta. O início da série histórica da pesquisa foi em janeiro de 2002.

Na comparação com maio de 2019, houve queda em 14 dos 15 locais pesquisados. Além do chamado efeito-calendário negativo - maio de 2020 teve 20 dias úteis, dois a menos que maio do ano anterior – a diminuição do ritmo da produção por conta dos efeitos do isolamento social em função da pandemia afetou o processo produtivo de várias unidades industriais no país. São Paulo teve redução de 18,1%, a quarta taxa negativa seguida nesta comparação. Ceará (-50,8%) e Amazonas (-47,3%) apresentaram os recuos mais intensos.

No acumulado de 2020 (janeiro-maio), cujo resultado nacional foi queda de 11,2%, 13 dos 15 locais catalogados apresentaram redução das atividades, com destaque para o Ceará (-21,8%), Amazonas (-20,7%) e Espírito (-18,5%). Apenas o Rio de Janeiro (2,8%) e o Pará (0,9%) mostraram aumentos neste índice.

Já no acumulado dos últimos 12 meses (perda nacional de 5,4%), 12 dos 15 locais pesquisados assinalaram taxas negativas em maio de 2020. Todos, entretanto, tiveram perda de ritmo frente aos índices registrados em abril. Ceará (de -3,1% para -7,9%), Amazonas (de 0,5% para -3,8%), Santa Catarina (de-2,6% para -6,6%), Rio Grande do Sul (de -3,7% para -7,7%), Paraná (de 1,7% para -2,0%), São Paulo (de -2,5% para -5,6%), Bahia (de -2,5% para -5,1%), Região Nordeste (de -3,5% para -5,9%), Pernambuco (de -2,5% para -4,5%) e Rio de Janeiro (de 5,1% para 3,9%) mostraram as principais perdas neste comparativo.