IPP

Preços da indústria têm terceira maior queda desde 2013

Editoria: Estatísticas Econômicas | Luiz Bello

29/08/2019 09h00 | Atualizado em 03/09/2019 11h30

Indústria de alimentos puxou a queda nos preços da indústria em julho - Foto: Eduardo Peret/Agência IBGE Notícias

A queda das exportações e a valorização do Real frente ao Dólar fizeram os preços industriais do país caírem novamente. É o que mostra o Índice de Preços ao Produtor (IPP) de julho, que recuou 1,24% frente ao mês anterior, depois de também ter ficado negativo em junho (-1,14%).

 


Entre as atividades industriais abrangidas pelo IPP do IBGE, as quatro quedas mais intensas em julho foram na metalurgia (-3,74%), no refino de petróleo e produtos de álcool (-2,67%), em outros produtos químicos (-2,20%) e na indústria de alimentos (-1,81%). E foi justamente a queda nos preços dos alimentos industrializados que exerceu a influência mais negativa (-0,40 p.p.) sobre o IPP de julho (-1,24%).

“A apreciação do Real frente ao Dólar e as condições do mercado externo derrubaram os preços da indústria geral”, diz Murilo Alvim, analista do IBGE. Ele lembra que o recuo em julho foi a terceira queda mais intensa do IPP desde dezembro de 2013, quando começou a série histórica do índice.

Das atividades industriais de maior peso no IPP, a única a se manter no campo positivo foi a dos veículos automotores, com variação de 0,26%. Alvim explica que essa modesta alta foi puxada por algumas montadoras, que lançaram seus modelos automotivos 2020 em julho.


Palavras-chave: IPP, Preços, Indústria, Julho.