Indústria nacional

Produção industrial recua 0,2% em maio e tem queda em 18 das 26 atividades

Editoria: Estatísticas Econômicas | Eduardo Peret

02/07/2019 09h00 | Atualizado em 02/07/2019 09h38

 O setor industrial acumula queda de 0,7% nos primeiros cinco meses do ano - Foto: Marcelo Benedicto/Agência IBGE Notícias

A produção da indústria nacional recuou 0,2% em maio, na comparação com abril, porém avançou 7,1% em relação a maio de 2018 (mês da greve dos caminhoneiros), a alta mais intensa desde abril do ano passado. Os resultados são da Pesquisa Industrial Mensal, divulgada hoje pelo IBGE. O setor industrial acumula queda de 0,7% nos primeiros cinco meses de 2019.

O perfil das mudanças na produção industrial em maio ficou bem variado, com taxas negativas em 18 das 26 atividades na passagem do mês, o resultado mais disseminado desde maio do ano passado. Na comparação com maio de 2018, foram 21 atividades com resultados positivos.

O destaque ficou com a fabricação de veículos, que caiu 2,4% na comparação com abril, mas subiu 37,1% em relação a maio do ano passado. De acordo com o gerente da pesquisa, André Macedo, a paralisação dos caminhoneiros, em maio de 2018, causou um efeito negativo que atingiu grande parte da indústria, gerando uma base de comparação baixa, com ênfase na produção de automóveis e caminhões.

“Isso reflete no perfil espalhado das atividades com alta na comparação interanual e, também, no resultado positivo da indústria automotiva. Por outro lado, na comparação com abril, o quadro permanece com menor dinâmica, devolvendo boa parte dos 0,3% registrados no mês passado”, explica o gerente da pesquisa.

 

Mineração no Pará recupera parte das perdas causadas pelo clima

Entre os resultados positivos da passagem de abril para maio, a indústria extrativa avançou 9,2%, recuperando parte dos 25,6% de perdas acumuladas nos primeiros quatro meses do ano. Uma parte desse resultado se deveu à retomada da produção de minério de ferro no Pará, que tinha sofrido atrasos em abril por causa de condições climáticas adversas.

Outro impacto positivo importante no setor veio dos derivados de petróleo e biocombustíveis (3,2%), que interromperam dois meses consecutivos de queda e acumulavam -4,9%.

“Os avanços no mês se concentraram principalmente na categoria dos bens intermediários, ou seja, matérias-primas usadas pela própria indústria, grupo que avançou 1,3%, enquanto os bens de consumo tiveram queda no período”, conclui André.


Palavras-chave: Indústria, Produção, Veículos, Maio.