Pesquisa Mensal de Comércio

Vendas aumentam 0,3% em março e comércio encerra primeiro trimestre em alta

Editoria: Estatísticas Econômicas | Pedro Renaux

09/05/2019 09h00 | Atualizado em 09/05/2019 10h12

#PraCegoVer bancada e vitrine de esmaltes
Vendas de artigos farmacêuticos, médicos e cosméticos puxaram a taxa positiva de março - Foto: Luiz Agner/IBGE

O volume de vendas no varejo subiu 0,3% em março, na comparação com o mês anterior, após a estabilidade do comércio em fevereiro. Com isso, o primeiro trimestre do ano fechou também com alta de 0,3%, frente ao mesmo período do ano passado. As informação são da Pesquisa Mensal de Comércio, divulgada hoje pelo IBGE.

A gerente da pesquisa, Isabella Nunes, analisa que o crescimento é ainda uma taxa muito próxima da estabilidade. “Tem um dinamismo no comércio, mas que é compatível com a evolução modesta do mercado de trabalho, e que atinge atividades que dependem de renda, como compras básicas”.

O resultado positivo foi influenciado pelas altas dos setores de artigos farmacêuticos, médicos e cosméticos (1,4%) e outros artigos de uso pessoal (0,7%). As vendas de material para escritório, informática e comunicação (2,9%), que têm peso menor na pesquisa, fecharam as influências positivas. No entanto, cinco das oito atividades tiveram queda nas vendas.

Na comparação com março de 2018, o volume de comércio caiu 4,5%, o pior resultado desde dezembro de 2016, e com queda em seis das oito atividades. O maior impacto negativo foi do setor de supermercados, alimentos e fumo, que recuou 5,7%, o mais intenso desde março de 2017 e a primeira taxa negativa após quase dois anos. O setor também exerceu a principal influência negativa para o mês na comparação com fevereiro, com -0,4%. 

 

Isabella explica que o feriado do Carnaval influenciou o comportamento das vendas no varejo como um todo na comparação de um ano para o outro: “tem um descompasso, pois estamos comparando receitas auferidas em março de 2019 em relação a março de 2018, que teve dois dias úteis a mais. Tem um efeito calendário evidente”.

Já as vendas dos supermercados foram prejudicadas pelo feriado da Páscoa, que passou de março para abril. Segundo a gerente da pesquisa, como o feriado este ano foi no dia 21, as compras foram feitas no mesmo mês, o que somente será captado na próxima divulgação da pesquisa. “No ano passado, o feriado foi em 1º de abril, então a pesquisa conseguiu captar as vendas de Páscoa em março”, explica.

Além do efeito calendário, a inflação, medida pelo IPCA, está maior para hipermercados na comparação com março de 2018. “Essa pressão dos preços também pode ajudar a explicar o resultado negativo desse setor”, diz Isabella.

O varejo ampliado, que inclui veículos e materiais de construção, teve uma alta de 1,1% em relação a fevereiro, o que contribuiu para que o trimestre encerrasse com 2,3% de crescimento, frente ao primeiro trimestre de 2018. Já na comparação com março do ano passado, o comércio varejista ampliado caiu 3,4%, a primeira taxa negativa após vinte e dois meses de crescimento.


Palavras-chave: Comércio, Varejo, Março, Trimestre.