Contas Nacionais

Agropecuária cai, mas PIB cresce 1,2% frente ao primeiro trimestre de 2017

Editoria: Estatísticas Econômicas | Pedro Renaux | Arte: Helga Szpiz

30/05/2018 09h00 | Atualizado em 28/02/2019 08h39

O Produto Interno Bruto (PIB) cresceu 1,2% no primeiro trimestre de 2018, na comparação com o mesmo período do ano passado, com queda de 2,6% na agropecuária. Indústria e serviços cresceram, respectivamente, 1,6% e 1,5%, puxados pela indústria de transformação, transporte de carga e comércio atacadista. Em valores correntes, o PIB totalizou R$ 1,6 trilhão. O resultado, que faz parte do Sistema de Contas Nacionais Trimestrais, foi divulgado hoje pelo IBGE.

#pracegover gráfico de subsetores do pib

A taxa negativa da agropecuária pode ser explicada pela queda na produção das principais culturas com safra no primeiro trimestre do ano. Segundo o último Levantamento Sistemático da Produção Agrícola, divulgado em maio, a estimativa de produção anual de algumas culturas diminuiu. A exceção foi a soja, que teve crescimento de 0,6%, como explica a gerente de Contas Nacionais Trimestrais, Cláudia Dionísio: “quando falamos que a soja cresceu, apesar de não parecer um índice tão alto, precisamos lembrar que foi um crescimento sobre o ano em que tivemos uma safra recorde”.

Ainda na comparação com o primeiro trimestre do ano anterior, o consumo das famílias aumentou 2,8%, o quarto trimestre consecutivo de avanço, enquanto os investimentos (a formação bruta de capital fixo) cresceram 3,5%, mostrando seu segundo resultado positivo após 14 trimestres de quedas. Essa melhora pode ser explicada pelo comportamento dos indicadores de crédito para pessoa física, com inflação e taxas de juros menores: “em contrapartida, continuamos com um mercado de trabalho deteriorado, com a renda contribuindo de forma negativa para o desempenho do consumo das famílias”, ressaltou Cláudia.

A taxa de investimento, que é a formação bruta de capital fixo sobre o PIB, foi de 16%, a primeira alta desde o primeiro trimestre de 2015, mas a segunda pior taxa da série histórica iniciada em 1996. De acordo com a gerente de Contas Nacionais Trimestrais, essa ligeira melhora “reflete o crescimento em volume dos investimentos, ocorrido nesses últimos trimestres. É possível perceber uma melhora no nível de confiança dos empresários, mas ainda insuficientes para recuperar as perdas ocorridas no passado”.

PIB cresce menos na comparação com o quarto trimestre do ano passado

O PIB teve variação positiva de 0,4% em relação ao quarto trimestre de 2017, o quinto resultado positivo após oito quedas consecutivas nessa base de comparação. Frente ao trimestre anterior, a agropecuária cresceu 1,4%, enquanto a indústria e os serviços variaram 0,1%.

A diferença de resultados na agropecuária, com queda de 2,6% frente ao primeiro trimestre de 2017 e crescimento de 1,4% na comparação com o quarto trimestre do ano passado, pode ser explicada a partir da sazonalidade na colheita das safras. “Aqui estamos comparando o primeiro trimestre, que tem safra de soja, com um trimestre que não tem esta safra. Precisamos considerar a sazonalidade”, disse.

Nessa base comparação, os investimentos (a formação bruta de capital fixo) cresceram 0,6%, e o consumo das famílias teve alta de 0,5%.