Inflação na Indústria

Produtos químicos puxam aumento nos preços ao produtor em março

Editoria: Estatísticas Econômicas | João Neto | Arte: Helena Pontes

26/04/2018 09h00 | Atualizado em 27/04/2018 16h58

O Índice de Preços ao Produtor, divulgado hoje pelo IBGE, variou 1,05% em março frente a fevereiro. Essa é a maior alta desde novembro de 2017, quando foi registrado índice de 1,40%. Das 24 atividades monitoradas pela pesquisa, Outros Produtos Químicos, com variação de 2,86% em fevereiro, foi a categoria que mais contribuiu para o resultado.

Apesar de o setor deter somente o quarto maior peso na pesquisa (10,44%) – atrás de Alimentos (19,68%), Derivados do Petróleo e Biocombustíveis (11,78%) e Veículos (11,24%) – o segmento têm sofrido muitas instabilidades de mercado conforme explica o gerente de Análise e Metodologia do IBGE, Alexandre Brandão.

“A alta nos custos está muito ligada aos resultados internacionais, aos custos da matéria-prima importada, aos preços dos derivados de petróleo, redução da oferta de alguns produtos por paradas ocorridas em algumas unidades produtivas, ao aumento do dólar e variação de preços de produtos do próprio setor nos últimos meses”, comenta.

Dentre as demais categorias que exerceram as maiores influências no resultado mensal, destacam-se Alimentos, com variação de 1,13%, Indústria Extrativa, 4,37%, e Metalurgia com 1,56%. Por outro lado, Máquinas e Equipamentos, Bebidas e Derivados do Petróleo e Biocombustíveis tiveram redução de, respectivamente, 0,47%, 1,53% e 3,15% no mês.

Com o resultado de março, o IPP acumulou 1,91% em 2018. Nos últimos doze meses, a variação chegou a 6,23%.