[Retratos] Estatísticas enriquecem debate sobre desigualdade de gênero

Editoria: Revista Retratos | Marília Loschi | Arte: Simone Mello

15/03/2018 09h00 | Atualizado em 10/04/2018 08h50

Informações sobre educação, saúde sexual e reprodutiva, participação no mercado de trabalho e tempo dedicado ao cuidado de pessoas e afazeres domésticos: esses são alguns dos indicadores fundamentais para enriquecer o debate sobre gênero e colocar o assunto em pauta na hora de se pensar em políticas públicas.

Em todas as sociedades existem diferenças entre o que é esperado, permitido e valorizado em uma mulher e o que é esperado, permitido e valorizado em um homem. No caso brasileiro, as séries históricas de indicadores sociais disponibilizadas pelo IBGE mostram que a cor ou raça, ser portador de deficiência, morar em áreas urbanas ou rurais, entre outros, podem ter impactos significativos nas estatísticas, reforçando desigualdades.

No mês em que se comemora o Dia Internacional da Mulher, conheça alguns estudos e pesquisas do IBGE que fornecem informações importantes sobre as condições de vida da população feminina no país.

#PraCegoVer insira aqui
#PraCegoVer insira aqui
#PraCegoVer insira aqui
#PraCegoVer insira aqui
#PraCegoVer insira aqui
#PraCegoVer insira aqui
#PraCegoVer insira aqui
#PraCegoVer insira aqui