Novo estudo apresenta o estágio atual da urbanização brasileira 27/07/2017

Editoria: Geociências

O IBGE lança hoje a publicação Áreas Urbanizadas do Brasil 2015. O projeto, que está em sua segunda edição, retorna mais moderno e alinhado às necessidades dos Objetivos do Desenvolvimento Sustentável (ODS) das Nações Unidas. O propósito do estudo é fornecer um panorama das áreas urbanizadas do país a partir de uma base consolidada. Dessa forma, a expectativa é colaborar com pesquisas que abordem a forma urbana e suas diferenciações regionais, a influência de aspectos geográficos na conformação das áreas urbanizadas, a identificação de tendências e potenciais vetores de expansão das cidades, além de auxiliar a elaboração de políticas públicas e investimentos.

A publicação apresenta o relatório metodológico com os objetivos e os procedimentos operacionais adotados, tanto na identificação das áreas urbanizadas do Brasil quanto na classificação e no cálculo de suas áreas. Ela apresenta também os primeiros resultados, referentes às áreas urbanizadas das Concentrações Urbanas do Brasil acima de 300 mil habitantes, além dos municípios de Palmas (TO) e Boa Vista (RR). Este mapeamento continuará com as manchas urbanizadas de concentrações urbanas de menor porte demográfico.

Dos 15.167,4 km² da área mapeada pela pesquisa, 13% estão localizadas na Concentração Urbana de São Paulo, seguida de Rio de Janeiro (10%) e Belo Horizonte (5%). Das 15 maiores Concentrações Urbanas de acordo com suas áreas urbanizadas, apenas duas não são capitais estaduais: Campinas (SP), com a oitava maior área urbanizada, e São José dos Campos (SP), na 12° colocação. Ressalta-se que os municípios de Palmas (TO) e Boa Vista (RR) foram inseridos por serem sedes de unidades federativas, apesar de terem população abaixo desse quantitativo. As 15 maiores Concentrações Urbanas são:

 

Concentrações urbanas com população maior que 300.000 hab e municípios de Boa Vista (RR) e Palmas(TO) Área
km² Percentual (%)
Total Densa Pouco densa Densa Pouco densa
Total 15167,40 13927,22 1240,18 91,82 8,18
São Paulo/SP 2016,20 1879,52 136,68 93,22 6,78
Rio de Janeiro/RJ 1505,55 1432,83 72,72 95,17 4,83
Belo Horizonte/MG 786,59 654,59 132,00 83,22 16,78
Brasília/DF 680,14 626,50 53,63 92,11 7,89
Porto Alegre/RS 675,93 626,22 49,71 92,65 7,35
Curitiba/PR 581,22 551,65 29,57 94,91 5,09
Goiânia/GO 538,09 479,05 59,04 89,03 10,97
Campinas/SP 474,38 439,23 35,15 92,59 7,41
Fortaleza/CE 397,05 366,69 30,36 92,35 7,65
Recife/PE 389,79 362,16 27,63 92,91 7,09
Salvador/BA 348,77 340,70 8,08 97,68 2,32
São José dos Campos/SP 290,82 257,66 33,16 88,60 11,40
Vitória/ES 245,60 229,19 16,41 93,32 6,68
Manaus/AM 241,26 231,48 9,79 95,94 4,06
Belém/PA 229,91 218,28 11,63 94,94 5,06

Para esta edição da publicação, foi utilizado um satélite mais moderno, o RapidEye, que permite melhor detalhamento das imagens e uma resolução de cinco metros. Outra atualização foi a categorização das áreas urbanizadas como “densas”, com pouco espaçamento entre as construções e uma ocupação urbana contínua, e “pouco densas”, com ocupação mais espaçada, caracterizada por loteamentos em processo de construção e transição entre paisagem rural e urbana.

Objetivos do Desenvolvimento Sustentável

Em 2015, os ODS foram adotados durante a Cúpula da ONU sobre o Desenvolvimento Sustentável. Das 17 ações que fazem parte do documento, a publicação Áreas Urbanizadas do Brasil 2015 está inserida no ODS 11, relativo às cidades e comunidades sustentáveis.

Os produtos estão disponíveis, em formato digital, aqui. Também é possível acessar o conteúdo do estudo na Plataforma Geográfica Interativa, onde o usuário poderá visualizar as áreas urbanizadas em conjunto com outros recortes geográficos, assim, fazer diversos tipos de análise. A Plataforma Geográfica Interativa está disponível aqui

Comunicação Social

27 de julho de 2017