Bandeira amarela na energia elétrica pressiona inflação em julho 09/08/2017

Editoria: Estatísticas Econômicas Produto: Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo

A entrada da bandeira tarifária amarela nas contas de energia elétrica, a partir de 1ºde julho, acarretou aumento de 6,0% nas contas e foi decisiva para trazer a inflação do patamar negativo em junho (-0,23%) para o positivo em julho (0,24%). A contribuição da energia elétrica para o índice de inflação foi de 0,20 pontos percentuais e significou uma cobrança adicional de R$ 2,00 a cada 100Kwh consumidos.

Além da tarifa, influenciaram no resultado o aumento do PIS /COFINS e reajustes da energia elétrica em Curitiba (7,09%) e em uma das concessionárias de São Paulo (5,15%). Regionalmente, a energia elétrica teve as maiores variações em Curitiba (9,33%), São Paulo (8,54%) e Belo Horizonte (8,01%) e a menor em Brasília (0,83%).

Segundo o gerente de Índice de Preços, Fernando Gonçalves, também contribuíram para a alta da inflação, em julho, os combustíveis, com aumento de 0,92%, devido às alterações no preço do litro do etanol (0,73%) e da gasolina (1,06%). “Durante o mês de julho, houve diversos aumentos e reduções nos preços da gasolina na refinaria devido a liminares na Justiça”, lembrou.

O grupo alimentação e bebidas (-0,47%) pressionou para baixo a inflação em julho, especialmente os alimentos em casa, com queda de produtos como batata inglesa (-22,73%), leite longa vida (-3,22%), frutas (-2,35%) e carnes (-1,06%).

Para compreender melhor o IPCA, assista o víedo da série Ibge Explica aqui.

Texto: Adriana Saraiva
Gráfico: J.C. Rodrigues
Foto: Flickr